Arte Egípcia: Períodos


Não é raro vermos elementos da arte egípcia em filmes, livros e museus. Porém é importante saber que assim com acontece em praticamente todas as culturas, a representação artística do Egito sofreu diversas mudanças com o passar dos anos, de acordo com o momento político, histórico e também pelas crenças. Por isso, neste artigo você vai conhecer um pouco mais sobre o assunto: Arte Egípcia: Períodos e quais as principais características de cada momento da história. Acompanhe a seguir.

Arte Egípcia: Períodos

Representação da política e da religiosidade

A arte no Egito, assim como na maioria das civilizações antigas, tinha como principal objetivo representar a vida cotidiana e os acontecimentos históricos das gerações. Por isso, os principais temas encontrados na pintura, escultura e outras expressões artísticas da época retratam a forma como a sociedade vivia, ritos importantes realizados em cultos religiosos e afins e a vida política, que girava basicamente em torno do faraó.

Para os egípcios o Faraó era mais do que simplesmente um líder do povo, uma representação política, mas sim, um soberano poderoso e infalível, a própria presença dos Deuses na terra. Por isso a arte egípcia de períodos diversos atua como uma homenagem constante ao poder dos faraós, que deveriam ser cultuados e lembrados por toda a população.

Uma das cenas mais comuns representadas por artistas é a morte e a ressurreição. Isso porque para a civilização egípcia a vida terrena nada mais era do que um caminho transitório, um momento pequeno e muito menos importante do que a vida eterna e suprema. Mas esta vida eterna não estava presente na vida de todas as pessoas da sociedade, mas basicamente par ao faraó, que era considerado, portanto imortal, os membros de sua família próxima e também pessoas consideradas importantes para a sociedade.

Por ter uma importância tão presente na vida de todos os egípcios, as tumbas e câmaras mortuárias deveriam ser sempre muito belas e enfeitadas. Por isso, grande parte dos exemplos de arte egípcia que temos em todos os períodos estava presentes nestes locais. Nas tumbas antigas, é possível ver a arte egípcia em pinturas, esculturas e até enfeitando sarcófagos e múmias.

Não há como confundir a arte do povo egípcio com a de outros. A harmonia, a forma como as pessoas eram retratadas, as cores utilizadas e a técnica se repetem em praticamente todos os elementos. As linhas são bastante simples, as formas e as pessoas são sempre estilizadas da mesma forma e cada elemento possui um significado maior. Através da arte deste povo tão especial, é possível compreender um pouco de como funcionavam as hierarquias daquele tempo e, claro, sua fé.

As únicas cores utilizadas em toda a arte egípcia: períodos são:

  • Preto
  • Branco
  • Vermelho
  • Amarelo
  • Verde
  • Azul

Arte Egípcia: Períodos

Apesar de conter elementos que ultrapassaram os séculos, a arte egípcia possui diferentes características em cada um dos períodos. Durante o período Arcaico, também chamado de Tinita, é possível encontrar resquícios de uma arte primitiva, muito influenciada pela civilização que viva na mesopotâmia.

Mais adiante, no chamado período antigo, começam a surgir elementos artísticos também na arquitetura e no início das aparições de arte que indica a imortalidade dos faraós. Diferente do período anterior, as figuras humanas passam a ser mais harmônicas e iguais entre si e surgem os retratos de figuras importantes da sociedade, figuras femininas e posições diferenciadas como, por exemplo, as pernas cruzadas. Foi durante o período antigo que surgiram as primeiras pirâmides a construção da esfinge.

Durante o primeiro período intermediário, surgem turbulências políticas no Egito, que impulsionam a criação dos textos literários. Os faraós passam a ser ilustrados também como sendo praticamente igual aos Deuses, indicando o quanto se tornaram mais importantes e praticamente sagrados para seu povo.

No período indicado como Império Médio, explodem as construções de pirâmides, assim como a pintura e os baixos-relevos com o rosto para frente e o restante do corpo em perfil. Nesta época também é possível ver cenas de caça com importantes noções de profundidade, além do uso constante da pedra lápis, de tom azul e muito apreciada pelos faraós. Surgem ainda peças totalmente decoradas, como espelhos, pentes, caixas, entre outras.

Na época do império novo, já no segundo período intermediário surgem na cultura egípcia a matemática, a cópia dos papiros e a evolução da medicina. Os faraós deixam de ser sepultados em pirâmides e passam a ser colocados em túmulos escavados nos rochedos, região hoje conhecida como Vale dos Reis. A arte está também presente nos edifícios da época e suas estruturas incríveis.

Surge também a arte amarna, que influenciada pelo monoteísmo proclamado por Aquenáton, é mais naturalista com formas menos geométricas. Deste período, podemos citar o famoso busto de Nefertiti, descoberto por historiadores no ano de 1922.

Para finalizar o assunto sobre a arte egípcia: períodos, devemos citar as características do período chamado de terceiro período intermediário ou somente época baixa, no qual se verifica uma grande inspiração na arte egípcia do período antigo e as esculturas em pedra polida, que ficaram conhecidas como arte lambida.