Resumo da Arte Romana


A arte romana, marcada no período do século VIII antes de Cristo e se estendendo até o século IV depois de Cristo, teve a sua principal manifestação nas construções e edificações arquitetônicas. A grande preocupação dos romanos era com aspectos que se voltassem para a funcionalidade, utilidade e a própria praticidade de suas obras.

A arte romana surgiu em meio às influências da cultura etrusca, que é caracterizada como uma arte popular responsável por retratar os acontecimentos do dia a dia, assim como pelas crenças da cultura grega. Um bom exemplo disso é a própria similaridade entre a mitologia romana e grega.

Arte Romana

A arte romana foi de grande importância (principalmente arquitetônica) para todo o mundo, pois sempre representou um verdadeiro legado da arte desse povo. Certamente uma das áreas em que eles foram mais expressivos foi na construção de templos, muralhas, anfiteatros e outras construções que tinham como principal intuito tanto a funcionalidade como também a expressão de magnitude no que diz respeito ao que foi a civilização romana.

Além disso, vale também destacar o fato de que a Arte Romana é muito reconhecida por retratar em suas esculturas e obras em geral, imperadores, figuras da sua mitologia e outros deuses.

A arte em forma arquitetônica

No que diz respeito à arquitetura da fase artística romana, devemos destacar que suas principais características são oriundas da influência tanto da abóbada como do uso de arco, presentes na arte etrusca. Nas estruturas desenvolvidas nessa fase, a utilização de colunas gregas foi diminuída e no seu lugar, foi implantada a funcionalidade por meio de mais e mais espaços internos.

No finalzinho do primeiro século depois de Cristo, Roma começou a superar grande parte de suas influências, apostando em um modelo próprio de criação. No que diz respeito às casas e demais moradias, as plantas eram fundamentais para o bom desenvolvimento do projeto, sendo projetadas em um retângulo. Nota-se ainda uma influência grega nessas construções, que implantavam o peristilo (um espaço delimitado com colunas isoladas e mais abertas em suas laterais.

Os templos criados pelos romanos também tinham algumas características únicas. As laterais eram simetricamente diferentes da porta de entrada que por sua vez tinha uma grande escadaria. Vale destacar que grande parte dessas construções tentaram deixar de lado a influência dos gregos, motivo pelo qual grande parte dos templos davam muito mais valor ao espaço interno de suas obras. Um bom exemplo o famoso Panteão, construído durante o reinado de Adriano, o Imperador.

Um aspecto único da Arte Romana é o fato de que somente eles tinham preocupação com a praticidade e com o aspecto funcional de suas obras arquitetônicas. Dessa forma, as bases circulares, o uso de colunas e dos falsos arcos para dar um ar de decoração criavam uma combinação entre aspectos úteis e embelezadores em suas construções.

Desse modo basílicas, teatros, templos, estradas, palácios, pontes e outras foram criadas com base em um caráter harmônico de beleza e funcionalidade.

Os teatros romanos

Não tem como falar de Arte Romana sem dar destaque para os anfiteatros que foram desenvolvidos com a predominância de arcos e abóbadas, além de muito grandes e com boa capacidade para receber visitantes. O evento preferido dos romanos eram as lutas de gladiadores e por isso os espaços contavam com uma área para arquibancada, marcado com um número bem expressivo de fileiras. Um ótimo exemplo de construção arquitetônica capaz de nos remeter a essa fase é o próprio Coliseu, considerado nos dias de hoje como uma das sete maravilhas do mundo moderno.

A pintura romana

Já a arte expressa por meio de pinturas teve como principal aspecto a tridimensionalidade. Através de um toque realista para inspirar por um lado, o equilíbrio era dado com um toque de imaginação por outro. As obras então eram marcadas por grandíssimos espaços, que traziam aspectos ainda mais ricos para a arquitetura romana. Grande parte das pinturas dessa fase acabaram soterradas por conta da erupção de um vulcão, originadas nas cidades de Herculano e de Pompeia.

A pintura romana representava as cenas presentes no nosso cotidiano, assim como suas figuras tanto religiosas como também mitológicas. Vale destacar que os gêneros artísticos que mais se destacaram nesse período foram as paisagens, as próprias arquiteturas que eram retratadas com frequência em seus quadros, retratos de indivíduos e figuras importantes e pinturas tanto triunfais como populares.

Os materiais mais utilizados nas criações eram os metais em pó, substâncias que eram extraídas dos moluscos, seivas de árvores, vidros pulverizados e o próprio pó de madeira.

As esculturas

Por fim, as esculturas romanas tinham como base estátuas e demais retratos que retratavam a figura com uma característica mais fúnebre. A reprodução visava ser a mais fiel possível e os aspectos psicológicos eram de maior destaque em suas obras, que deveriam evidenciar a honra e o próprio caráter do indivíduo.