Resumo da Cultura da África do Sul


Conquistando a independência apenas em 1961, a República da África do Sul é um país de uma grande diversidade étnica cultural, que apesar de possuir uma história de lutas pela liberdade não prejudicou sua cultura que se manteve rica e com influências tanto do povo de origem quanto de seus colonizadores (europeus e holandeses).

O país é estruturado sobre o regime democrático constitucional, desenvolvido em uma república parlamentar, onde o chefe do Estado não tem tanto poder executivo, sendo boa parte exercida pelo chefe de Governo, mais conhecido como o primeiro-ministro. No caso da África do Sul, o parlamento elege um representante que tem as funções de chefe de Estado e chefe de Governo. Neste resumo da cultura África do sul, iremos conhecer um pouco mais sobre a sua cultura, esse elemento que faz o país ser tão grandioso.

Cultura da África do Sul

Em relação ao seu povo a África do Sul tem múltiplas misturas chegando ao fato de ter 11 línguas oficiais, mesmo assim a língua inglesa é a mais usada. Outra língua derivada do holandês, chamada afrikáans também é bastante utilizada pelos descendentes dos holandeses. Alguns povos costumam usar outras línguas como o: zulu, swasi, sesotho entre outras. Há também uma influência chinesa no país, bem pequena, que teve um considerável aumento devido a imigração de povos do Taiwan.

A diversidade não abrange apenas as línguas, a religião também é um aspecto com bastante opções, devido a miscigenação no país é possível encontrar religiões oriundas dos povos antigos, religiões cristãs, hinduísmo e islamismo. Contudo, apenas 30% da população segue uma religião que não seja cristã.

A arte na África:

Nas artes podemos destacar nesse resumo da cultura da África do sul: o teatro, a música, a dança e a literatura.

– O teatro: Com a característica de ser bem movimentado, o teatro da África do Sul possui mais de 100 espaços onde variadas apresentações são realizadas como danças, teatro de cabaré, óperas entre outras. O país se destaca também por durante todo o ano realizar diversos festivais teatrais. A década de 1950 ficou conhecida pela realização do musical King Kong, duas décadas seguintes, em 1970 o teatro Sul-africano começou a chamar a atenção com a criação da cidade de Johannesburgo.

– A música: Nesse resumo da cultura da África do Sul, quando se trata de música, os vários estilos se fundem, é comum que a música folclórica se misture com a música internacional. Concertos musicais são realizados ao ar livre, geralmente no verão em Kirtenbosch Botonical Jardins com um grande número de espectadores. O estilo musical Jazz é bastante cultuado no país com direito a um festival chamado Cape Town Away, conhecido internacionalmente o festival chegou a ser comparado com o grande festival de Montreal, sua primeira realização aconteceu em 2000 e permanece até hoje. Se destacam alguns grupos de Jazz como Jazz Pioneers e Ladysmith Black Mambozo.

– A dança: Apesar de em boa parte da sua história, o ballet clássico ser o foco principal, após o período do apartheid a dança contemporânea misturando conceitos clássicos com ritmos e batuques se tornou uma das formas de expressão artísticas da população, principalmente para retratar o lado histórico do país. Academias de dança costumam realizar projetos sociais proporcionando acesso à workshop e aulas de dança a comunidades carentes.

– A literatura: Neste campo a África do Sul tem o privilégio de possuir vários escritores renomados com a qualidade de que alguns já receberam homenagens do Prêmio Nobel de Literatura. Sobressaem: J.R.R. Tolkien, o autor de O Hobbit e da aclamada trilogia, O Senhor dos Anéis, que nasceu na cidade de Bloemfontein. Também os escritores Nadine Gordimer e JM Coetzee, dois ganhadores de prêmios Nobel de literatura. O país tem boa parte de sua literatura preservada no Museu Literário, fundado em 1972.

A culinária Sul-africana:

A culinária foi muito influenciada pelos britânicos, holandeses, assim como pelo povos que viviam no país antes da colonização como os Khosai, Xhosa e Sotho. Há também a influência da culinária malaia dos povos da Indonésia. O alicerce da cozinha Sul-africana é a carne, seja ela de vaca, frango ou porco. O evento Braai, é uma reunião tradicional onde o foco é a comida. Como a carne é basicamente o ingrediente principal, é comum que em um Braai, homens fiquem responsáveis por assar e grelhar as carnes e embutidos como coxas de frango, salsicha, costeletas, rabo de boi e linguiça. Uma especiaria habitualmente consumida durante eventos esportivos é o Bitong, um tipo de bife de carne seca.

Em relação as bebidas, destaca-se, neste resumo da cultura da África do Sul, o vinho. O país virou um grande produtor desta iguaria, particularmente nos vales em volta de Franschoek, Stellenbosch e Paarl. Com vinhedos plantados desde o início do século 17, pela holandesa Cia das Índias Orientais. Culturalmente o vinho é uma parte importante para a região do Cabo, com suas propriedades históricas de mais de três séculos. A modernização da viticultura se intensificou principalmente com o fim do apartheid. Os vinhos produzidos no país têm a características de possuírem um aroma bem singular e serem bem encorpados, graças a uva Pinotage.