Resumo da Pop Art


A pop art é uma escola artística que teve início na Inglaterra e nos Estados Unidos na década de 50 e se mistura ao início do pós-modernismo, movimento caracterizado pelas mudanças ocorridas nas artes, nas ciências e nas sociedades a partir de 1950. A essência do movimento é a crítica à cultura de massa que se expressou nas artes plásticas e em objetos e imagens provenientes do consumo popular. Este breve resumo da pop art dará dimensão do significado deste importante movimento para a sociedade mundial.

Em 1954, foi a primeira vez que a denominação da pop art foi citada, graças às reflexões do crítico inglês Lawrence Alloway. O crítico usou o termo para designar produtos da cultura popular ocidental, especialmente os que eram criados nos Estados Unidos. O movimento tem suas raízes no dadaísmo de Marcel Duchamp e tomou forma quando os artistas passaram a usar elementos oriundos dos símbolos e produtos da propaganda da cultura de massa em suas obras. A forte influência destes componentes na cultura de massa era representada na pop art.

Pop Art

Este movimento artístico se opôs ao expressionismo abstrato, que tinha o domínio do cenário artístico desde o período que marca o final da segunda guerra. A estética da pop art era figurativa e, além dos objetos de consumo e da publicidade, seu repertório tinha como influência a televisão, o cinema, os quadrinhos e a fotografia. O hiper-realismo ganhava forma nas obras, que eram feitas com tinta acrílica, látex, poliéster, usavam cores vibrantes e intensas e tinham tamanho igual ou maior do que o objeto representado. Os signos estéticos faziam parte da crítica, que ironizava o fato da sociedade ser dominada pelos objetos de consumo.

A vida materialista também era ironizada por meio da transformação do formato dos objetos de consumo, colagem e de técnicas que repetiam várias vezes o mesmo símbolo, mas com cores diferentes. A pop art serviu como referência não só para o cenário cultural e artístico posterior, mas também o grafismo, a ilustração e a moda.

É interessante observar que o consumo criticado pela pop art era sua principal matéria-prima, ou seja, o movimento também precisava daqueles objetos de consumo para manter sua iconografia e inspirar novas obras. Inclusive, houve o aumento do consumo de alguns produtos, como a sopa Campbell, usada pelo principal artista da pop art, Andy Warhol. O que era brega passou a ser considerado tendência de moda, o que era considerado banal se tornou requintado, já que o valor da arte muda de acordo com o contexto histórico no qual está inserida. Outro fato importante é que este movimento aproximou a arte do popular, pois utilizava elementos da própria massa para se manifestar e acabou com o mito de que a cultura artística era para poucos.

Resumo da pop art – principais artistas

Robert Raunschenberg: O artista ficou conhecido por suas obras brancas ou pretas com jornal amassado e pelas pinturas que combinavam diferentes elementos, como embalagens de produtos industrializados, garrafas de Coca-Cola e animais empalhados. Depois, Raunschenberg passou a usar a impressão em silkscreen para aplicar fotografias na tela de pintura, que ganhavam pinceladas de tinta grossas para unificar a obra.

Roy Lichtenstein: Sua principal manifestação artística eram os quadros de tinta a óleo e acrílica, que tinha como referência os anúncios comerciais e histórias em quadrinhos. Sua habilidade permitia a reprodução fiel das técnicas gráficas usadas nas peças industriais. O impacto visual ficava por conta das cores, que eram brilhantes e planas e ganhavam contorno de um traço preto. O objetivo de Lichtenstein era unir a abstração e arte comercial.

Andy Warhol: Considerado o artista mais importante da pop art, Warhol ficou famoso pela produção mecânica de imagens a partir de fotografias de celebridades do cinema e da música da época, como Marilyn Monroe e Elvis Presley, e pela técnica de serigrafia, que representava a impessoalidade dos produtos de consumo, como as latas de sopa Campbell e as garrafas de Coca-Cola. Warhol também foi cineasta e produziu discos musicais de uma banda.

Outros artistas importantes da pop art foram Peter Blake, que criou a capa do disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles; Wayne Thiebaud, conhecido pelo uso do humor e da nostalgia em suas obras; Roy Lichtenstein, que tinha como principal repertório as histórias em quadrinhos; e Jasper Johns, famoso pela obra Flag, de 1954.

Resumo da pop art : os artistas da Inglaterra

Os precursores da pop Art na Inglaterra foram os artistas Laurence Alloway, Smithson, Richard Hamilton, Eduardo Paolozzi e Reyner Banham, que formaram o Independent Group em 1952. O grupo tinha como meta produzir obras artísticas para as massas. Sua principal manifestação foi a exibição “This Is Tomorrow”, realizada em Londres, em 1956 e que culminou com o término do grupo. A colagem “Just what is it that makes today’s homes so different, so appealing?” é considerada uma das primeiras obras do movimento.

A principal diferença do pop art britânico para o americano é que os ingleses, que passavam por uma reestruturação no período pós-guerra, ficavam fascinados com a prosperidade econômica dos Estados Unidos, representada pelos produtos de consumo de massa.

Resumo da pop art no Brasil

No Brasil, a pop art surgiu com mais força após o golpe militar e teve papel importante no contexto de transformação da imagem social e urbana da sociedade brasileira. A técnica de impressão em silkscreen foi adotada nas artes plásticas e as histórias em quadrinhos foram referências bastante utilizadas pelos artistas brasileiros. Aqui, o hiper-realismo usou matérias-primas reais e não apenas a sua representação – os símbolos representavam a si mesmos por meio do uso de roupas, acessórios e outros materiais agregados às esculturas, por exemplo.

Na pop art brasileira, o uso da linguagem deste movimento era usado para crítica política e social, diferentemente da pop art norte-americana, que ironizava a cultura de massa. Antonio Henrique Amaral, Aguilar, Baravelli, Duke Lee, De Tozzi, Fajardo, Nasser e Resende são os principais artistas brasileiros deste movimento.