Ana Cristina Cesar


Ana Cristina Cruz Cesar, conhecida popularmente apenas como Ana Cristina Cesar, foi uma importante tradutora e poetisa brasileira. Ela é considerada um dos nomes principais da década de 70, uma geração conhecida como mimeografo. Muitas vezes, Ana Cristina tem seu nome ligado ao movimento conhecido como Poesia Marginal.

A Poesia Marginal, também chamada de poesia de mimeógrafo, ficou assim conhecida porque diversos poetas recorriam a essa máquina, que era utilizada para fazer cópias, para reproduzirem seus livros e textos. Este era considerado um meio alternativo para a criação, a distribuição e a produção de poemas, substituindo assim os meios considerados tradicionais de circulação de trabalhos, como livrarias e editoras.

Este tipo de método utilizado, fazia com que os preços dos livros fossem vendidos a um custo mais baixo. Além disso, eles eram vendidos de porta em porta, de mão em mão, para um público mais restrito.

Ana Cristina

Esse movimento da literatura influenciou na década de 70, a produção cultura no Brasil. Importantes nomes fizeram parte da Poesia Marginal, também conhecida como a Geração Mimeógrafo. Esse tipo de Poesia Marginal nunca foi considerado um movimento da literatura, mas sim um movimento da poesia, deixando então um amplo legado para uma grande gama de escritores e de poetas.

Quem foi Ana Cristina Cesar – Biografia e história de vida da autora

Ana Cristina Cesar era filha de Maria Luiz Cruz e do jornalista e sociólogo Waldo Aranha Lenz Cesar. Estes eram pertencentes à classe média da sociedade e a família era considerado muito culta. Ana tinha dois irmãos, um chamado Filipe, e outro Flávio, que era conhecido por ser o viúvo da fundadora da Daspu, Gabriela Leite.

Com apenas seis anos, antes de ter sido alfabetizada, Ana Cristina Cesar já ditava alguns poemas para sua mãe. No ano de 1969, viajou para Londres, lugar onde fez intercâmbio, e onde começou a ter mais contato com a língua inglesa e a exercer fascínio pela literatura. Quando regressou o Brasil, trouxe muitos livros na mala. Com apenas 19 anos, ela entrou para a Faculdade de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, a PUC do Rio de Janeiro, onde passou a se dedicar a traduzir livros e também a escrever.

Na década de 1970, Ana Cristina Cesar começou a publicar textos e poemas de cunho poético, em revistas, em coletâneas e jornais mais alternativos. As suas primeiras obras, chamadas de Correspondência Completa e Cenas de Abril, foram lançadas em edições consideradas independentes. Além disso, Ana Cristina Cesar fez mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro, a UFRJ, em comunicação. Depois disso, acabou indo novamente para a Inglaterra, onde acabou fazendo na Universidade de Essex, mestrado em tradução literária. No ano de 1980, Ana voltou ao Rio e publicou uma obra que havia escrito na última viagem para a Inglaterra, chama de Luvas de Pelica.

Em todas as suas obras, a autora e poetisa procurou manter uma linha fina entre o caráter auto biográfico e a ficção.

Com apenas trinta e um anos, Ana Cristina Cesar se suicidou. Ela foi até o apartamento de seus pais, em Copacabana, no oitavo andar de um edifício da rua Tonelero, e pulou da janela.

O melhor amigo de Ana Cristina César foi o poeta brasileiro Armando Freitas Filho. Foi para esse grande amigo, que Ana Cristina deixou a responsabilidade de depois de sua morte, cuidar de suas publicações. Atualmente, o acervo pessoal dessa grande autora está sob os cuidados do Instituto Moreira Salles. Isso só foi possível porque a família de Ana fez com que o Instituto prometesse que os manuscritos da autora ficassem no Rio de Janeiro. No entanto, muitas cartas da autora, em especial as que foram recebidas pelo escritor Caio Fernando de Abreu, foram censuradas pela família.

Obras de Ana Cristina Cesar

Principais obras críticas:

1980 – Literatura não é documento

1999 – Crítica e Tradução

Principais obras na poesia:

1982 – A teus pés

1985 – Inéditos e Dispersos

Obra Póstuma publicada pelo melhor amigo de Ana Cristina, Armando Freitas Filho – Novas Seletas

Principais obras de temas variados

Correspondência Incompleta

Obra Póstuma publicada pelo melhor amigo de Ana Cristina, Armando Freitas Filho – Escritos no Rio

Obra Póstuma publicada pelo melhor amigo de Ana Cristina, Armando Freitas Filho – Escritos em Londres

Antologia – 26 poetas hoje

Na maioria de suas obras, a autora Ana Cristina Cesar utilizou ligações entre a ficção e alguns pontos sobre sua biografia.

Ana Cristina Cruz Cesar, conhecida popularmente apenas como Ana Cristina Cesar ou ainda como Ana C., foi uma importante tradutora e poetisa brasileira. Ela nasceu no dia 2 de junho do ano de 1952, no Rio de Janeiro e morreu com apenas 31 anos de idade, quando cometeu suicídio ao pular do oitavo andar de um prédio em Copacabana, no dia 29 de outubro do ano de 1983.