Resumo sobre Tarsila do Amaral


A vida e obra de Tarsila do Amaral se misturam – a artista expressava em suas telas os momentos vividos e era influenciada pelos acontecimentos em sua volta. Saiba mais sobre a pintora neste resumo sobre Tarsila do Amaral.

Resumo sobre Tarsila do Amaral – Início da carreira

A pintora Tarsila do Amaral nasceu no dia 1º de setembro de 1886, no interior do estado de São Paulo. Seus pais, Lydia Dias de Aguiar do Amaral e José Estanislau do Amaral, eram fazendeiros e a artista passou sua infância na fazenda. Foi educada no Colégio Sion, em São Paulo, e estudou em Barcelona, na Espanha.

Tarsila do Amaral

Quando voltou ao Brasil, casou-se com André Teixeira Pinto e teve uma filha, chamada Dulce. Alguns anos depois, o casal se separou e Tarsila passou a estudar a arte com aulas de escultura, desenho e pintura. Conheceu a pintora Anita Malfatti no ateliê de Pedro Alexandrino, em 1918, durante suas aulas. Dois anos depois, foi para Paris, estudar na Académie Julien.

A volta ao Brasil foi em 1922 e entrou, com a ajuda de Anita Malfatti, para o grupo modernista, onde conheceu seu próximo marido, o escritor Oswald de Andrade. Após muitas conferências, festas e reuniões, Tarsila foi para Paris e teve aulas com vários mestres cubistas, como Fernand Léger, para quem mostrou sua tela “A Negra”. Esta obra marcou a entrada da pintora para a história da arte moderna do Brasil.

Sua estada em Paris ainda rendeu o contato com personalidades importantes da arte e da literatura, como Picasso, Delaunay, Brancusi e Jean Cocteau, e amigos brasileiros, como Villa Lobos, Di Cavalcanti, Paulo Prado e Olívia Guedes Penteado. Sua beleza e elegância fazia sucesso, por isso pintou o autorretrato “Manteau Rouge”, em 1923.

Um ano depois, Tarsila veio ao Brasil e visitou Minas Gerais. Lá, encontrou as cores que gostava desde a infância, como azul, rosa violáceo, amarelo vivo e verde, mas não usava porque seus professores diziam que eram feias. A partir disso, passou a usá-las, tornando-as uma de suas marcas. Além das cores, as obras da artista retratavam as paisagens urbanas e rurais do Brasil, a fauna, a flora, o povo e o folclore brasileiro. A técnica do cubismo se uniu a estas temáticas e esta fase de suas pinturas ficou conhecida como Pau Brasil.

Resumo sobre Tarsila do Amaral – Primeiras exposições

Em 1926, Tarsila fez um tour por diversos países, como Grécia, Turquia, Palestina, Egito e Armênia e fez sua primeira Exposição Individual em Paris, com uma crítica positiva. Dois anos depois, a pintora fez uma de suas mais conhecidas obras, “Abaporu”, para presentear o esposo, Oswald de Andrade. Este quadro deu início a fase Antropofágica, na qual os artistas que se uniram a pintora queriam transformar a cultura europeia vigente na época em algo brasileiro.

Em 1929, foi realizada a sua primeira Exposição Individual no Brasil, na qual a crítica ficou dividida por não compreender a arte apresentada. Neste mesmo ano, com a crise de Nova Iorque e a crise de café no Brasil, a família de Tarsila perdeu muito dinheiro e a pintora teve que trabalhar. Além disso, Tarsila se separou de Oswald, que a traiu com uma estudante.

Em 1931, Tarsila fez uma exposição em Moscou, acompanhada do novo namorado, o médico comunista Osório Cesar. Foi na Rússia que a pintora ficou sensibilizada com a causa operária. Depois de voltar ao Brasil, a artista foi presa por um mês por participar de reuniões do Partido Comunista Brasileiro e terminou seu relacionamento com o médico.

Em 1933, Tarsila fez a pintura “Operários” e por causa desta obra é considerada pioneira no uso de temas sociais no Brasil. Foi nesta década que a pintora passou a se relacionar com o escritor Luís Martins, pelo menos 20 anos mais novo que ela. O romance teve duração de 18 anos.

De 1936 até meados de 1950, Tarsila trabalhou no jornal Diários Associados, de Assis Chateaubriand. Na década de 50, a artista voltou a fazer obras sobre o tema Pau Brasil. Tarsila participou da I Bienal de São Paulo, em 1951, da VII Bienal de São Paulo e da Bienal de Veneza, em 1964. Em 1969, foi realizada a exposição “Tarsila 50 anos de pintura”, pela curadora Aracy Amaral. A artista faleceu em janeiro de 1973.

Resumo sobre Tarsila do Amaral – Fases da pintora

Tarsila do Amaral pintou mais de 270 quadros, entre obras finalizadas e inacabadas.

– Primeiros anos: De 1904 a 1922. As principais obras são “Sagrado Coração de Jesus”, o autorretrato “Manteau Rouge”, o retrato “Oswald Andrade” e “As Margaridas de Mário de Andrade”.

– Cubismo: Em 1923. Os destaques são “A Negra” e “Caipirinha”.

– Pau Brasil: De 1924 a 1928. Destacam-se os quadros “Carnaval em Madureira”, “Morro da Favela”, “O Mamoeiro”, “São Paulo”, “EFCB” e “O Pescador”.

– Antropofágica: De 1928 a 1930. O quadro mais famoso desta fase é “Abaporu”, assegurada atualmente em mais de 40 milhões de dólares e exposta no Museu de Arte Latino Americano de Buenos Aires (Malba). Outras obras importantes foram “A Lua”, “Sol Poente”, “O Lago”, “Cartão Postal” e “Antropofagia”.

– Social: Em 1933. A tela mais famosa desta época é “Operários”. “Costureiras” e “Orfanato” foram outros quadros pintados nesta fase.

– Dos anos 30 aos 50: As obras mais famosas desta época são “Primavera”, “Retrato de Beatriz”, “Bandeira do Divino”, “Maternidade I” e o retrato de “Luís Martins I”.

– Neo Pau Brasil: Em 1950. As principais telas são “Fazenda”, “Vilarejo com ponte e mamoeiro”, “Porto I” e “Povoação I”.