Amebíase


Muitas são as espécies de amebas que podem se instalar no organismo humano. Entre elas estão a Entamoeba histolytica e a Entamoeba coli. Porém, só a espécie ‘histolytica’ é patogênica, ou seja, consegue sobreviver em nosso organismo em determinadas condições (especialmente no intestino grosso).

A amebíase, neste caso, nada mais é do que uma infecção causada por meio de tais parasitas. Ela afeta diretamente o intestino humano e é comum principalmente nas regiões do mapa onde o saneamento básico é precário, o que permite que água e alimentos fiquem à exposição da contaminação fecal.

amebiase

Causas da amebíase

A amebíase é uma infecção causada pela ameba que contextualizamos lá no começo: a entamoeba histolytica. Tal parasita entra em nosso organismo geralmente por meio de alimentos ou água contaminada, por mais que também possa entrar em nosso corpo pelo contato direto com fezes.

O parasita libera alguns ‘cistos’, que são como formatos inativos dele. Tais materiais conseguem viver meses e meses no ambiente em que são depositados, como na água, fezes ou alimentos. Além disso, os cistos também podem ser transmitidos após a manipulação de alimentos ou por meio de relações sexuais sem proteção.

Quando já estão em nosso organismo, tais parasitas passam pelo nosso estômago e, por lá, conseguem resistir à tentativa do suco gástrico de eliminá-los. Conseguindo chegar até o intestino delgado, eles migram até o intestino grosso por meio de um processo denominado ‘desencistamento’.

A partir do momento em que as amebas chegam ao intestino grosso, esse é o espaço onde conseguem se proliferar, ou mais especificadamente, onde se colonizam. Em geral, eles ficam à deriva junto com a mucosa do intestino e sua alimentação é possibilitada por meio de bactérias e demais detritos que também vivem por lá.

Em casos mais graves, a amebíase pode se proliferar a ponto de atingir também outros órgãos, motivo pelo qual qualquer sintoma já deve ser levado a um possível diagnóstico.

Além das causas existem também alguns fatores de risco, ou seja, algumas razões pelas quais a infecção por amebíase pode ser facilitada. Vamos conferir:

• Ingestão exagerada do álcool;

• Câncer;

• Desnutrição alimentar;

• Gestação;

• Uso de drogas ilícitas;

• Crianças ou idosos;

• Uso de corticoide como tentativa de inibir a imunidade;

• Relações sexuais frequentemente desprotegidas.

Além disso, se você fez recentemente alguma viagem (nacional ou internacional) para um local que não tenha boas condições sanitárias ou até mesmo de higiene pessoal, esse é um grande fator de risco.

Sintomas, cuidados e diagnóstico da amebíase

A amebíase é uma infecção perigosa uma vez que poucos são os indivíduos que notam os sintomas que ela provoca no organismo. Porém, quando os sintomas aparecem, isso significa que o parasita já está no organismo há pelo menos 7 dias.

Os sintomas mais leves da amebíase, que geralmente são os primeiros a serem sentidos são:

• Cólicas na região do abdômen;

• Fadiga constante (e sem motivo);

• Evacuação de fezes com sangue ou muco. Além disso, geralmente as fezes são mais ‘pastosas’;

• Frequência excessiva de gases;

• Dor retal durante o momento de evacuação;

• Perda de peso (sem outro motivo aparente).

Já os sintomas mais graves da infecção são:

• Evacuação exagerada de fezes – de 10 a até 20 vezes por dia;

• Por vezes as fezes podem ser líquidas ou até mesmo com sangue;

• Sensibilidade na região do abdômen;

• Febre;

• Vômitos constantes.

Como tomar cuidados para prevenir a transmissão da amebíase?

Por mais que prevenir doenças com bactérias, vírus, amebas e demais parasitas não seja uma tarefa simples, alguns cuidados básicos no dia a dia podem evitar e muito a contaminação por amebíase.

Alguns desses cuidados são:

1. Só ingira alimentos que você tenha a certeza de que estão limpos. Após ir ao mercado, lave bem todos os alimentos (frutas, verduras e legumes principalmente). Além disso, prefira consumir alimentos cozidos;

2. Lave bem as mãos depois de deixar o banheiro e principalmente antes das refeições;

3. Além disso, atente para as normas de higiene e saneamento básico da sua cidade e região, cobrando do governo local medidas mais eficazes para cuidado e tratamento do esgoto caso seja necessário.

Além disso, vale destacar que a responsabilidade por prevenção, muitas vezes, tem relação direta com os profissionais manipuladores de alimentos e responsáveis pela higiene e saneamento básico de sua cidade.

E o diagnóstico?

O mais comum diagnóstico da amebíase se dá quando é comprovada a presença de cistos ou trozóitos parasitas nas fezes do humano. Porém, é também possível detectar a infecção por meio da realização de proctoscopia ou endoscopia e pela análise de cortes de tecido ou abscessos no organismo.

Por isso, se você estiver sentindo com frequência os sintomas destacados anteriormente (desde os mais leves aos mais graves), não hesite e procure um médio especialista o quanto antes. Isso porque, quando não tratada, a infecção pode durar anos e anos.