Animais da Caatinga


A caatinga, do Tupi “Mata Branca”, é considerado um dos únicos ecossistemas exclusivamente brasileiro, isto é, a maioria da fauna e flora deste bioma não existe em outro lugar do mundo. Localizada no Nordeste do país a caatinga compõem quase 10% de todo território brasileiro, a seguir veremos algumas características deste bioma.

Características da Caatinga

Nos períodos de seca é composta por uma vegetação semiárida e de aspecto esbranquiçado – daí o significado do nome -; em geral grande parte das folhas e troncos ficam muito secos nos períodos de estiagem.

Sobre a vegetação pode-se dizer que a Caatinga é uma “savana estética”, mas, sua paisagem pode ser considerada extremamente diversificada, apresentando regiões com solos e relevos nada semelhantes.

Caatinga

Pode-se dividir este bioma em: sertão e agreste, campo e caatinga arbórea, e por fim, nas serra – marca registrada – apresentam brejos de altitude.

Ocupando uma área de mais de 800 mil Km2, abarca o território de diversos estados, entre os quais: Alagoas, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte, Sergipe, também a região Nordeste do país, além de parte do Norte de Minas Gerais.

Mas, apesar de toda sua grandeza e riqueza o Ministério do Meio Ambiente revelou dados alarmantes a respeito desse bioma: atualmente, 80% do território ocupado pela caatinga já passou por transformações, ou seja, pela mão do homem, por isso, já é considerado um dos ecossistemas mais degradados do mundo.

As principais causas desse índice alarmante são as queimadas, o desmatamento e também a caça. Tudo isso tem contribuído para que boa parte da flora e da fauna esteja ameaçada.

Mas, já que tocamos nesse assunto vamos falar sobre os animais da caatinga, assunto ao qual se propõe este artigo.

A fauna da caatinga

Antes de qualquer informação a respeito das características desse bioma é necessário salientar a diferença entre animais endêmicos e em extinção:

– Espécies endêmicas: pode-se definir como animal endêmico aquele espécime que existe em apenas uma região do planeta, em geral, isso ocorre por características físicas, ou mesmo climáticas que determinado local pode apresentar. Lembra quando no início do artigo falávamos sobre a caatinga ser um ecossistema exclusivamente brasileiro? Bem, era a isso que nos referíamos.

– Espécies em extinção: são aqueles espécimes que caso nenhuma atitude venha a ser tomada estarão fadados ao completo desaparecimento. Infelizmente a caatinga é repleta de animais nestas condições.

Sobre as características da fauna: até hoje, na caatinga, já foram catalogadas cerca de 45 tipos de anfíbios, 95 de répteis, 148 mamíferos, 975 aves, além de 240 espécies de peixe. Portanto, há um total de 1.225 espécies de vertebrados, em contrapartida, há poucas informações a cerca dos invertebrados que vivem na região.

Mas é bom lembrar que por ser um bioma extenso, a cada dia novos espécimes são encontrados e registrados. Vamos a alguns exemplos de animais deste bioma.

– Ararinha-azul: espécie que corre o risco de ser extinta, acredita-se que a última ariranha-azul vista na natureza foi no final dos anos 2000, ou seja, quinze anos atrás.

– Cutia: mamífero roedor de pequeno porte, acredita-se que atualmente há sete tipos de cotias vivendo em território brasileiro, a maioria na caatinga.

Além destes podemos citar: sapo-cururu, asa-branca, jacaré do papo amarelo, o famosos tatu bola (mascote da Copa do Mundo Fifa 2014), preguiça de chifres, veado e cachorro do mato.

Como você pode perceber são muitas espécimes, portanto, não há como falar detalhadamente de cada uma, mas ficam registradas aqui algumas, caso você se interesse em ir mais a fundo nas pesquisas.

A destruição do ecossistema

Como já mencionado neste artigo, a caatinga encontra-se em um estado preocupante, principalmente devido a ação do homem. Tanto a exploração extrativista quanto ocupações, algumas vezes de maneira irregular, têm preocupado ambientalistas e pesquisadores.

Dados apontam que apenas 0,28% da área deste bioma ainda encontra-se protegida, enquanto isso, cerca de 70% já foi, ou está, sendo alterada. De acordo com monitoramentos realizados por órgãos de pesquisa no Brasil, anualmente, a caatinga invalida uma região duas vezes maior que a da cidade de São Paulo.

Acredita-se que apenas 53,62% da cobertura original deste ecossistema ainda exista, o restante já foi totalmente destruído pelo homem. A parte mais afetada são aquelas que pertencem aos estados da Bahia e também do Ceará.

Concluindo

Cabe lembrar que é dever de todos proteger os ecossistemas do país, principalmente aqueles que têm características muito peculiares como é o caso da caatinga. Vale lembrar ainda que a destruição da flora também afeta a fauna, e, consequentemente, todas as cadeias e sistemas da natureza.

Mas, felizmente, atitudes já vêm sendo tomadas em relação a isso e grandes centros de pesquisa tem estado cada vez mais próximos do estudo e debates a cerca do assunto. A máxima do “prevenir enquanto é tempo” pode ser clichê, mas parece que muitas pessoas ainda não compreenderam o real sentido da frase.