Aterro Sanitário


Você sabia que todos os resíduos de caráter sólido, assim como os dejetos e lixos que produzimos em nossa residência, em fábricas e em indústrias, na escola ou em qualquer outro espaço físico são os principais responsáveis pela poluição do meio ambiente?

Pois é: além disso, são eles também os responsáveis por tornar a situação dos aterros sanitários brasileiros cada vez mais prejudicados – e isso quando a cidade em questão possui um, já que em países em desenvolvimento, como o Brasil, muitas são as regiões de extrema pobreza em que nem se quer existe aterro sanitário.

Em muitas cidades há apenas um grande ‘depósito’, sendo ele localizado em uma determinada distância da cidade e a céu aberto. Nele, infelizmente muitos são os indivíduos e famílias que vivem para encontrar os seus sustentos, como os restos de alimentos por exemplo.

Aterro

Certamente o principal problema desse depósito é envolvendo a contaminação das pessoas com o lixo, o que pode culminar em uma série de problemas de saúde, como doenças na pele, contaminação química e assim por diante.

Nessas cidades, por sua vez, há a necessidade de um controle ambiental muito mais rigoroso, além de cuidados básicos com a saúde pública – o que nem sempre acontece.

O que são os aterros sanitários?

De uma forma geral os aterros sanitários nada mais são do que espaços dedicados exclusivamente para a deposição total e final de todos os resíduos e lixos gerados pela atividade humana.

Dessa forma, esses lixos são oriundos das residências, de hospitais, obras de construção, fábricas e indústrias e demais complexos que geram lixos e resíduos sólidos por meio das mais variadas atividades.

Geralmente, um aterro sanitário é formado por uma série de ‘camadas’ alternativas de lixo com terra, para evitar cheiros ruins e fortes e a própria proliferação de insetos ou animais.

A necessidade de desenvolver aterros sanitários surgiu após a proliferação de resíduos provenientes das atividades humanas, que cada vez mais se acumulam e, consequentemente, poluem o meio ambiente.

Essa proliferação de resíduos sólidos e lixos acabam prejudicando os nossos recursos naturais, tornando-os mais escassos e, claro, mais caros ao mesmo tempo.

A verdade é que grande parte da população nem se quer sabe o que ocorre com o seu lixo logo após ele ser descartado. Por isso, eles também não se preocupam, utilizando cada vez mais ao invés de reciclar recursos como os metais, sacos plásticos, eletrônicos, vidros, madeira e muitos outros “descartáveis inúteis” e, na maioria dos casos, indesejáveis.

Características gerais envolvendo aterro sanitário

Os aterros sanitários devem seguir com os principais conceitos da engenharia, confinando resíduos sólidos em pequenas áreas e os reduzindo ao menor volume que for possível.

Por isso, no final das jornadas de trabalho em aterros, eles são cobertos com camadas de terra. Além disso, também são impermeabilizados e contam com um acesso muito restrito, a fim de manter as quantias de lixo controladas e conhecer quais são os resíduos que ali são depositados dia após dia.

Na grande maioria dos casos esse tipo de espaço é construído em um local mais afastado dos municípios, já que mesmo com as ações tomadas, ele possui um cheiro ruim e abre portas para a possibilidade de contaminar águas subterrâneas e o solo. Essa contaminação ocorre principalmente por conta do percolado ou chorume, que consiste em um líquido tóxico que passa por um processo de fluidez do lixo para a água e solo.

Nos dias de hoje muitas são as legislações e regras que regulamentam a implantação de aterros sanitários, como é o caso, por exemplo, da necessidade de implantar mantas impermeabilizantes, capazes de remover esse líquido por meio da alta tecnologia de sistemas de drenagem.

Além disso, os gases liberados pelos aterros sanitários podem ser reaproveitados como combustíveis, trazendo uma série de vantagens, especialmente financeiras. Outras formas viáveis de aproveitar os aterros sanitários são apostando na reciclagem, reutilização, redução e compostagem.

E o que podemos fazer para ajudar?

Muitas são as ações tomadas principalmente em nossas casas que podem auxiliar e muito no trabalho desses espaços, uma vez que os materiais reutilizados nem se quer vão para um aterro sanitário.

Conheça algumas delas:

• Em primeiro plano, a reciclagem. Quando reciclamos, a coleta do lixo é seletiva. Por isso, separar os nossos componentes antes de jogar o lixo é fundamental para facilitar esse trabalho.

• Um bom exemplo é a reciclagem das latinhas de cerveja, refrigerante e outras de alumínio, que podem ganhar uma série de novas funções por um indivíduo criativo e preocupado com o meio ambiente.

• Consumir conscientemente também é uma tarefa que deve fazer parte do nosso dia a dia, reduzindo a quantia de lixo produzido. Por isso, compre só aquilo que irá utilizar, evitando ao máximo o desperdício – seja de alimentos ou de qualquer outro tipo de material que você sabe que, posteriormente, será jogado fora.