Dissacarídeo


Os dissacarídeos podem ser considerados tipos muitos simples de açúcares, os quais são compostos a partir de dois monossacarídeos que se ligam através de uma ligação glicosídica. Além disso, também podem ser considerados tipos de cadeias orgânicas.

Devido a extensa gama de monossacarídeos existentes é possível também reconhecer a existência de uma boa diversidade de dissacarídeos.

O que são monossacarídeos?

Nutricionalmente falando, quando estamos nos referindo aos dissacarídeos e aos monossacarídeos estamos falando de carboidratos. Nesse tópico tentaremos explicar, de maneira resumida o que são os monossacarídeos, então vamos lá:

Dissacarídeo

Comparados aos dissacarídeos os monossacarídeos são ainda mais simples, apresentando uma ótima capacidade de absorção, e por tal característica tendem a estimular a insulina existente no organismo. É devido ainda a esse fator que não podemos consumi-los em excesso.

Vamos a alguns exemplos de monossacarídeos:

– Glicose: Talvez um dos tipos de monossacarídeos mais conhecidos seja a glicose, também pudera, é o tipo de açúcar mais encontrado na corrente sanguínea. Entre suas funções estão: fornecer energia as células, além de ser armazenada em órgãos como os músculos e o fígado na forma de glicogênio. Pode ser encontrada em xaropes de mel e milho, além de frutas maduras.

– Frutose: Considerada o mais adocicado de todos os monossacarídeos. Comumente encontrado no mel e também em frutas.

– Galactose: Chamado de “açúcar do leite”, não pode ser encontrado em meios naturais. Se uni-lo a glicose teremos como resultado a lactose, se quiser encontrá-lo procure-o em produtos lácteos e, é claro, no leite.

A reação de formação

No processo de união entre dois monossacarídeos ocorre o que podemos chamar de “Síntese por Desidratação”, ou seja, uma molécula de água acaba sendo perdida, ou, eliminada. Contudo, o interessante é que no caso de duas moléculas de um tamanho maior unir-se em um tipo de reação de “síntese por condensação” uma molécula de água é formada, e só depois removida.

Principais tipos de dissacarídeos

Já que falamos dos principais tipos de monossacarídeos, nada mais justo do que falar sobre os mais importantes tipos de dissacarídeos, afinal, esse artigo é sobre eles:

– Sacarose: Formada pela soma entre frutose e glicose; tem um tipo de função energética. Presente nos vegetais, e também, na cana de açúcar.

– Lactose: Soma entre glicose e galactose; também tem a função de dar mais energia e pode ser facilmente encontrada no leite.

– Maltose: É glicose mais glicose; encontrada, principalmente, nos vegetais; possui função energética.

No organismo

Como já mencionado os dissacarídeos fazem parte do grupo dos carboidratos, mas, você sabe o que acontece quando eles entram em seu organismo?

Na digestão, tanto polissacarídeos quanto dissacarídeos, têm suas “ligações glicosídicas” quebradas por meio de um processo denominado “hidrólise”. O objetivo dessa ação é conseguir com que os monossacarídeos sejam liberados e então absorvidos pelo organismo humano.

O processo de hidrólise pode ser descrito como uma ação química, afinal, nele ocorre ações de bases e ácidos para que as ligações sejam quebradas.

Em outro artigo deste mesmo site já falamos sobre os carboidratos e sua importância para o bom funcionamento de nosso organismo, mas, não custa retornarmos um pouco a esse tópico.

Carboidratos para que?

Erroneamente, muitas pessoas assimilam os carboidratos, ou, glicídios a diversos tipos de enfermidades, mas é claro tal informação não procede. Como você deve ter percebido tanto os monossacarídeos quanto os dissacarídeos tem função energética, logo, eles podem ser considerados a base de nossa alimentação e nutrição.

A ingestão de carboidratos é de extrema importância para o corpo humano, afinal, eles nos garantem muita energia. É quase impossível abdicar dos carboidratos na alimentação e dizer que levamos uma “vida saudável”.

Entre os principais prejuízos que podem ocorrer em função da não ingestão de carboidrato é o mau funcionamento de nosso sistema nervoso central, o qual precisa de glicose, como resultado teremos um indivíduo nada bem humorado e sem disposição para realizar suas atividades.

Dentro de nosso processo de nutrição diária os carboidratos devem representar pouco mais de 50% do total que ingerimos. O correto é que essa ingestão aconteça de três em três horas, e é claro, de maneira tênue, caso contrário aumentaremos uns quilinhos, afinal, a cada uma grama de carboidrato ganhamos 4Kcal.

Se consumidos de maneira correta podem melhorar nosso chamado “metabolismo de proteínas”. Sem carboidratos teríamos de consumir muito mais proteína para manter o nível energético.

Como você pode perceber os carboidratos não são vilões, mas sim, fontes de energia para nosso organismo. Contudo, lembre-se, procure não exagerar, a menos que esteja disposto a lidar com uns números a mais na balança.

Mesmo que de maneira resumida, esperamos que esse artigo possa ter lançado algumas luzes sobre suas pesquisas e estudos. Obrigado por ter escolhido nosso site e não se esqueça de dar uma olhadinha em nossos outros conteúdos. Assim nos despedimos, até o próximo artigo.