Escorpiões peçonhentos


Caracterizados pelo seu par de pinças na parte anterior, por seu corpo comprido e alongado, pelos quatro pares de patas e por um ferrão poderoso que possui, na ponta de sua cauda articulada (denominada télson), glândulas de veneno, os escorpiões peçonhentos são considerados um dos principais animais venenosos a causarem acidentes nas pessoas. De acordo com o Ministério da Saúde, no período entre 2004 até 2010, o crescimento desse tipo de acontecimento ficou em torno de 32,7% em todo o Brasil. E tem mais! Dados apontam que há um registro de aproximadamente 9000 acidentes com escorpiões peçonhentos por ano pelo país a fora.

Esse tipo de animal tem o hábito de procurar por comida no período da noite e, na maioria das vezes, entra nas casas e aloja-se sem ser percebido. Já durante o dia, eles praticamente somem uma vez que ficam escondidos em lugares bastante úmidos e escuros. O ferrão do escorpião é liberado no momento em que ele captura o seu alimento ou para defender-se de alguma situação de perigo. Quando se sentem incomodados, a picada ocorre com grande facilidade. Além de muita dor, a ferroada pode levar uma pessoa que esteja debilitada à morte.

Escorpiões

Segundo o Instituto Butantã, a época mais comum para acidente com animais peçonhentos é no verão, mais especificamente entre os meses de novembro a março. Em função a uma maior quantidade de chuva que é registrada nesse período, os seus esconderijos podem alagar, obrigando-os a saírem e, consequentemente, entrar em contato com as pessoas.

Espécies, sintomas e danos causados à saúde

Dentre as várias espécies de escorpiões peçonhentos encontrados no Brasil, todas as que possuem grande importância para a medicina são as representantes do gênero Tityus. No entanto, podemos destacar as principais: Tityus stigmurus (escorpião-amarelo-do-nordeste), Tityus serrulatus (escorpião-amarelo), Tityus obscurus (escorpião-preto-da-amazônia) e Tityus bahiensis (escorpião-marrom). Confira abaixo as principais características de cada uma.

• Escorpião-amarelo-do-nordeste (Tityus stigmurus): exibe coloração amarelo-claro e apresenta uma mancha na forma de um triângulo na cabeça, considerada mais escura. As regiões mais fáceis para encontra-lo são as mais secas e quentes;
• Escorpião-amarelo (Tityus serrulatus): possui uma coloração amarelo-claro e certas manchas um pouco mais carregadas na parte da cauda e do tronco. Considerado como o tipo mais perigoso e venenoso de toda a América do Sul, essa espécie é encontrada em locais secos e quentes;
• Escorpião-marrom (Tityus bahiensis): caracterizado por possuir patas manchadas e mais claras que o resto do corpo, que tem coloração marrom-avermelhado. Encontra-se com maior facilidade em áreas mais úmidas;
• Escorpião-preto-da-amazônia (Tityus obscurus): apresenta coloração marrom-avermelhado, possui patas com manchas escuras e não é constituído da serrilha na cauda.

Dependendo da espécie do escorpião peçonhento, a ferroada pode causar muita dor, enjoo, aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos, produção excessiva de suor, vômitos, agitação, dificuldade para respirar, salivação, tremores e, em casos mais graves, pode levar à morte. Por isso, em caso de acidente, é importante lavar bem o local com água e sabão ou com compressas de água morna e, se possível, capturar o animal e levá-lo junto até um posto de saúde ou hospital mais próximo.

Da mesma forma que o da picada de cobra venenosa, o tratamento das ferroadas dos escorpiões peçonhentos é realizado por meio de anestésicos e, em determinadas situações, é utilizado o soro antiescorpiônico.

Locais em que eles se proliferam e como evitar o contato

Os escorpiões peçonhentos se criam principalmente em locais úmidos e quentes como em aberturas ou embaixo de pedras, em ribanceiras, sob as cascas das árvores, materiais de construção, forros, caixas de gordura, madeira empilhada, em muros e paredes mal rebocados, ralos e por aí vai. Esses lugares possuem pouca luz, mas muitos insetos, em especial baratas. Logo, para que eles não invadam a sua casa, limpe bem a residência tanto na parte interna quanto na externa, principalmente o quintal e evite o acúmulo de lixo e entulhos. Aí vão mais algumas ações que você deve evitar para que a sua proliferação não ocorra.

• Acúmulo de folhas secas;
• Secar as suas roupas em cercas, muros ou no chão;
• Fuja das plantas densas como arbusto, bananeiras, plantas ornamentais, trepadeiras entre outras;
• Limpe constantemente os terrenos baldios que estejam a uma distância de aproximadamente um a dois metros da sua casa;
• Combata a criação de outros tipos de insetos, para que os escorpiões peçonhentos não apareçam para se alimentar;
• Verifique se há a presença desses animais em produtos como verduras, frutas e legumes;
• Vede aberturas e buracos em assoalhos, ralos, paredes e fendas entre as paredes e o forro para que não haja a circulação de escorpiões pela casa.

Em alguns casos, todavia, dependendo da região que você mora, não tem como evitar a presença desses animais. Nesse sentido, é preciso ter atenção redobrada na hora de vestir-se ou arrumar a cama. Sempre se lembrar de sacudir calçados, roupas e lençóis antes de usá-los, uma vez que os escorpiões podem ficar escondidos e, quando comprimidos ao corpo, podem picar.