Espectro Biológico


Chama-se de espectro biológico o entendimento de que existem diferentes organizações de vida. Para entender melhor esse conceito, é importante saber que o carbono, identificado quimicamente pelo símbolo C, é um elemento que compõe todos os seres vivos. Quando ligado a outras substâncias inorgânicas como, por exemplo, o oxigênio (O), o hidrogênio (H) e o nitrogênio (N), ele dá origem a moléculas orgânicas que não ainda não têm vida, tipo os aminoácidos.

Espectro Biológico

Múltiplos aminoácidos unidos por meio de ligações peptídicas compõem as proteínas, que são substâncias orgânicas fundamentais para a estrutura celular. No caso do ácido desoxirribonucleico (ADN ou DNA, na sigla inglesa) ordenam-se ainda outras substâncias de caráter orgânico que são responsáveis por começar a vida que se organiza em modos variados. Sendo assim, os níveis são dependentes do balanço de todas as etapas encontradas no espectro biológico para permanecerem estáveis.

  • O espectro biológico define os diversos níveis de organização da vida;
  • Esse processo tem início com a organização das moléculas orgânicas em organelas vivas;
  • O responsável por organizar as demais substâncias orgânicas e dar início à vida é o DNA;

Veja a seguir como se forma cada nível de organização da vida a partir das moléculas.

Os níveis de ordenação da vida

No primeiro nível de organização da vida tem-se as chamadas moléculas orgânicas complexas, que juntas estabelecem as organelas vivas. Nesse fenômeno, elas podem se transformar em distintas organelas citoplasmáticas como os lisossomos, ribossomos, as mitocôndrias e os cloroplastos. Cada organela apresenta uma função indispensável para a vida celular. Em seguida, da organização dessas organelas surgem vários tipos de células vivas, entre as quais é possível citar as hemácias, os neurônios e as células epiteliais. Quando tais células vivas se ordenam, tem-se a formação dos tecidos vivos. O resultado da combinação das células irá variar conforme as características das células originais. Ou seja, as hemácias e os leucócitos fazem parte do tecido sanguíneo, enquanto os neurônios juntam-se para formar o tecido nervoso e assim por diante. Por sua vez, os tecidos vivos são responsáveis por se estruturarem em órgãos vivos como, por exemplo, os pulmões, o fígado e o coração.

Já os órgãos vivos pertencem a um conjunto maior, conhecido como sistemas vivos. São eles: cardiovascular, respiratório, digestório, nervoso, sensorial, endócrino, excretor, urinário, reprodutor, esquelético, muscular, imunológico, linfático, e tegumentar. Os sistemas vivos formam os diversos organismos vivos que encontramos na natureza como o ser humano e todas as espécies animais. Esses organismos vivos criam as populações vivas, que são os coletivos de cada tipo de ser vivo. Em sequência, as populações se ordenam para formar os ecossistemas vivos. Os vários ecossistemas são classificados como bioma vivo. Quando os biomas vivos se organizam, eles constituem os biociclos. Sendo assim, quando os biociclos se sistematizam, surge a biosfera viva. Por fim, as biosferas organizadas dão origem a um cosmos vivo. O cosmo é considerado o último estágio do espectro biológico.

• Quando as moléculas orgânicas se juntam, têm-se as organelas vivas;
• As organelas dão origem às diferentes células vivas;
• Ordenadas, as células formam tecidos vivos;
• Os tecidos vivos reúnem-se para criar os órgãos vivos;
• Os órgãos, de acordo com sua finalidade, compõem os sistemas vivos;
• Os sistemas vivos geram organismos vivos;
• O coletivo de organismos vivos da mesma espécie é uma população viva;
• As população vivas constituem ecossistemas vivos;
• Vários ecossistemas vivos são um bioma vivo;
• Os biomas vivos formam os biociclos;
• Dos biociclos vivos sistematizados surge a biosfera viva;
• Finalmente, as biosferas vivas geram o cosmos.

As relações no espectro biológico

Outro aspecto que merece ser destacado em se tratando dos níveis de organização da vida é a maneira que os seres vivos interagem. Essas relações ficam mais complexas a partir da formação dos organismos vivos, quando o organismo, isto é, o indivíduo, o “Eu” começa a ser organizar em populações vivas: a população humana, a população de cachorros, a população de formigas, entre outras… Toda a espécie viva tem a sua população conta com a sua população na Terra e nós integramos a população humana. Essas populações estão ligadas por meio das relações ecológicas como:

• Predatismo: é uma relação ecológica desarmônica em que uma espécie alocada em um nível trófico superior em uma cadeia ou teia alimentar caça e mata as presas. Essa tipo de situação acontece entre os animais carnívoros, mas também com herbívoros (formigas, gafanhotos, etc) quando eles destroem com rapidez alguma cultura;

• Parasitismo: define a relação entre dois tipos de animais na qual o denominado parasita beneficia-se do hospedeiro, causando a ele danos de diferentes graus de importância;

• Comensalismo: interação entre dois indivíduos de espécies diferentes na qual um deles se beneficia, mas não há prejuízo para o outro;

• Esclavagismo: é a relação ecológica entre seres vivos na qual um deles faz uso das atividades, produtos ou trabalho realizados por outros indivíduos.

Conclui-se, então, que essas relação ecológicas são encontradas nas teias e cadeias alimentares nas quais as populações de seres vivos estejam inseridas.