Filo Echinodermata


Do grego “echinos” = espinho + “derma” = pele + “ata” – os Echinodermatas são uma classe que engloba todo e qualquer animal marinho invertebrado que seja coberto por espinhos, ou ainda, endoesqueleto calcário.

Também podem ser chamados de equinodermos, equinordermes, ou ainda, equinodermas.

Filo Echinodermata

Principais características

Os animais desta classe, ou filo, são extremamente simples, afinal, possuem um sistema nervoso restringido, além de não possuírem nenhum tipo de órgão sensorial especializado, exceto uma minoria que tem células olfativas e táteis.

A maioria dos echinodermatas possui o corpo dividido em partes iguais que, posteriormente unem-se em um eixo central. Acompanhando essa mesma lógica existem os pentarradiais – aqueles que possuem o corpo dividido em cinco partes iguais.

Outra característica deste filo é que são animais exclusivamente marinhos e bentônicos (que tem relação íntima com o substrato). Também pode-se dizer que a grande maioria tem vida livre, com exceção de alguns crinóides que vivem fixos a sésseis (substratos rochosos).

Especialistas em biologia afirmam que esta classe teria surgido no período “Cambriano”, e até os dias atuais cerca de sete mil espécies viventes, e 13 mil extintas, já foram catalogadas. Como representantes deste filo temos: estrela-do-mar, ouriços–do-mar e pepinos-do-mar.

Esqueleto e simetria

Algumas outras informações a cerca dos representantes deste filo é que são triblásticos, celomados e com características semelhantes aos cordados, possuindo esqueleto interno de origem mesodérmica, formado por pequenas placas de calcário e espinho. Os espinhos têm como função proteger o animal, por isso, são recobertos por substâncias tóxicas.

Na fase de larva os equinodermos têm simetria bilateral, e somente quando adultos vão adquirir a simetria radial. Quando estão na transição de larvas para adultos o lado esquerdo de seu corpo tende a se desenvolver mais rapidamente do que o direito que, posteriormente, acaba sendo absorvido o que faz com que se organizem em uma simetria denominada radial, já mencionada neste artigo.

Locomoção e sistema nervoso

A locomoção dos animais dessa classe é realizada por meio de um sistema hidrovascular, ou, aquífero – conhecido por sistema ambulacral. Tudo isso só funciona porque existem canais hidráulicos, onde a diferença de pressão é capaz de gerar movimentos físicos. Além disso, outra parte importante deste sistema são as ventosas, localizadas nas extremidades dos canais hidráulicos, estas por sua vez, permitem que as espécies fixem-se a substratos.

Como já mencionado os echinodermatas têm um sistema nervoso bem simples, o qual é, basicamente, composto por neurônios conectados entre si sem nenhum órgão central responsável, além disso, possuem nervos radiais ao redor da boca, os quais se estendem por cada braço, são os ramos desses nervos que coordenam o movimento dos animais.

Ainda sobre o sistema nervoso, cabe dizer que as espécies deste filo não possuem cérebro, apenas apresentam tipos de gânglios.

Sobre regeneração e reprodução

Uma importante característica dos echinodermatas é sua capacidade de regeneração, tomemos como exemplo uma estrela-do-mar que perdeu um de seus braços, é quase certo que em poucos meses a encontraremos como se nada tivesse acontecido, afinal, sua capacidade de se regenerar é alta e age rapidamente.

A cerca da reprodução cabe dizer que neste filo os sexos, geralmente, são separados. O processo de reprodução dos echinodermatas consiste em liberação de óvulos e espermas na água, portanto, a fecundação ocorre de maneira externa. O que acontece é o seguinte: o espermatozóide vai fecundar o óvulo dando origem a um ovo, na sequência os ovos transformam-se em larvas, posteriormente as mesmas larvas irão se deslocar até o fundo do mar – por meio dos cílios – aonde irão se transformar em equinodermos adultos.

Classificação

De acordo com literaturas especializadas o filo echinodermata pode ser subdividido em cinco classes, as quais se caracterizam tendo como bases a estrutura externa do corpo. Vamos a cada uma delas:

Classe Asteroidea: os animais desta classe possuem forma de estrela, além disso, apresentam cinco braços que partem de um disco central, também não apresentam separação visível entre tais estruturas. Locomovem-se por meio de pés ambulacrais. Exemplo: estrela-do-mar (acredita-se que cerca de 1.500 espécies que pertencem a esta classe vivem nos oceanos).

Classe Echinoidea: com corpo em formato circular e achatado não possuem braços. Na boca apresentam cinco dentes calcários, sistema denominado Lanterna de Aristóteles. Possuem pedicelárias (estruturas que assemelham-se a uma pinça capaz de injetar veneno). Exemplo: bolacha-do-mar e ouriço-do-mar.

Classe Ophiuroidea: tem forma achatada e cinco braços bem flexíveis e finos. Locomovem-se através de movimentos ondulantes dos braços, não possuem ânus. Exemplo: serpentes-do-mar.

Classe Crinoidea: Possuem cinco braços com um aspecto que nos remetem a plumas e seu corpo tem forma de taça. Alguns conseguem nadar, mas, a grande maioria vive de forma fixa ao fundo do mar. Exemplo: lírio-do-mar.

Classe Holoturoidea: Possui corpo alongado e poucos espinhos, não apresenta braços e sua locomoção ocorre através de pés ambulacrais que se localizam ao longo do corpo. Exemplo: pepino-do-mar.