Libélula


A libélula é um inseto, que pertence a subordem Anisoptera. Entre as principais características da libélula, podemos citar os olhos compostos, o abdômen bastante alongado, o corpo fusiforme e os dois pares de asas quase que transparentes.

As principais características desses insetos

As libélulas são animais predadores, ou seja, caçadores, já que se alimentam de outros insetos voadores, principalmente as moscas e os mosquitos. Existem ao todo, cerca de 5 mil espécies desses insetos, que em geral, optam por residir próximos de locais com água estagnada, como lagos ou poços temporários, ou perto de riachos e de ribeiros, e zonas de pântano.

Libélula

As ninfas, ou seja, as larvas desse animal são carnívoras, aquáticas e totalmente agressivas, e além de insetos, podem se alimentar de peixes e de girinos.

Por possuírem mandíbulas não estão adaptadas para o processo de mastigação, esses insetos não são capazes de picas. Dentro do ecossistema em que vivem, são extremamente importantes, porque ajudam no controle da população de suas presas, como as das moscas.

Possuem ainda um sistema muito apurado de visão, já que seus olhos possuem até 30 mil facetas, o que lhes rende um poder visual de 360 graus. As espécies mais rápidas desses insetos são capazes de atingir uma velocidade, durante o voo, de 85 km por hora, o que os caracteriza como sendo os insetos mais rápidos da atualidade. Apesar de possuírem seis pernas, as libélulas não são capazes de andar.

A expectativa de vida desses insetos é de cinco anos. O território brasileiro abriga cerca de 1.200 espécies diferentes de libélulas, de um total de 5.00 existentes espalhadas pelo mundo todo.

No Brasil, a libélula é também chama de: cigarra (sendo mais comum no estado do Rio Grande do Sul), jacinta, odonata, ziguezague, cavalinho de judeu, papa-fumo, lava-bunda, corta água, jacina, macaquinho de bambá, cabra cega, helicóptero, donzelinha e cavalinho do diabo. Já em Portugal, além de ser conhecida como libélula ou libelinha, este animal também é conhecido por: lavadeira, pita, tira olhos e cavalinho das bruxas.

Algumas das curiosidades sobre esses insetos – as libélulas

Existem algumas curiosidades sobre as libélulas, que certamente você nunca ouviu falar. A primeira delas é que este bichinho é conhecido por outros diversos nomes populares. Conheça alguns deles: canzil, pito, cavalinho do diabo, odonata, lavadeira, jacinta, donzelinha, cavalinho de judeu, ziguezigue, lava bunda, jacina, macaquinho de bambá, entre muitos outros.

O nome libélula tem origem da língua latina, e é um diminutivo da palavra liber, que em português significa livro, por causa principalmente da sua semelhança com esse objeto quando suas asas estão abertas.

No mundo todo, existem pouco mais de 5 mil espécies desse animal. Estes, se alimentam de outros insetos que voam, e em apenas um dia, podem chegar a comer cerca de 14% da média do seu peso.

Em geral, as libélulas medem de 2 a 19 centímetros. As espécies consideradas mais velozes são capazes de voar por até 80 km por hora. Por este motivo a libélula é considerada o inseto mais veloz existente atualmente. Além disso, as libélulas aguentam voar de 5 até 6 horas diariamente, batendo cerca de 50 vezes as asas por segundo.

Quando estão fora da água, esses animais têm uma expectativa de vida reduzida de apenas dois meses, o que para algumas espécies corresponde a 10% de todo o tempo de vida. Por este motivo, as libélulas acabam tendo muita pressa para se acasalar.

Quando as libélulas pocriam, acabam formando um coração. Ou seja, antes da reprodução, o macho necessita abastecer seu pênis com espermatozoides. Mas, enquanto o órgão genital está situado no abdome, em seu segundo segmento, os espermatozoides são produzidos no nono segmento. Depois que o macho está preparado, forma uma pinça ao segurar a cabeça da libélula fêmea, que tem que contorcer seu corpo para que o pênis encontre com seu órgão genital. O resultado desse processo todo é a formação de um coração.

Vale ressaltar que os ovos das libélulas são postos na água, onde este animal acaba vivendo um ciclo no total de 17 metamorfoses. Em muitas espécies, este ciclo chega a durar cerca de 5 anos, até que ela finalmente tenha a capacidade de voar. A décima sétima metamorfose dela, leva em média 40 minutos. Nesta etapa, a libélula, através do dorso, rompe o exoesqueleto, liberando assim o abdome e a cabeça. As asas por sua vez, demoram em média até 3 horas para se tornarem secas e sólidas.

As libélulas possuem uma capacidade de enxergar o ambiente em 360º, e isso só é possível porque seus olhos possuem até 30 mil facetas.

As libélulas são animais bastante exigentes, já que quando as águas estão poluídas ou possuem algum tipo de alteração química em sua composição, elas optam por mudar de habitat. Por isso, elas são consideradas ótimos bio-indicadores.