Melanócito


Os melanócitos são as células responsáveis pela produção de melanina. A melanina, por sua vez, é a que confere a pigmentação da pele, dos cabelos e dos olhos de animais mamíferos.

A ausência de melanina, por exemplo, resulta no que a ciência conhece por albinismo.
Os melanócitos, que são as células que produzem a melanina, estão localizados nas seguintes estruturas:

– Camada inferior da epiderme

– Ouvido interno

Meninges

– Estrutura óssea

– Coração

melanocito

Características dos melanócitos

Os melanócitos, também conhecidos como melanoblastos, são células dentríticas que executam a produção de melanina, por isso, possuem grande importância na proteção da pele contra os raios do sol. Além disso, os melanócitos são considerados uma célula neuro-cutânea e surgem já na fase embrionária, mais precisamente a partir de células conhecidas como crista neural.

É importante lembrar que os melanócitos produzem diferentes quantidades de melanina dependendo das condições fenotípicas do indivíduo.

No entanto, vale salientar que alguns transtornos de pele são provenientes devido a problemas na melanina, entre eles estão:

– Vitiligo: Problema que não apresenta características contagiosas em que acontece a perda da pigmentação natural da pele.

Melasma: É uma consequência do excesso de melanina na pele. Esse transtorno é caracterizado por manchas escuras na face e em outras regiões do corpo. Ocorre com frequência nas mulheres e, quando ocorre no período de gestação, recebe o nome de cloasma.

– Melanoma: Consiste em um tipo de câncer de pele originado por meio das células produtoras de melanina.

Melanina – O produto dos melanócitos

A melanina, de uma forma geral, consiste em uma classe de compostos oriundos da tirosina em que a principal função é a da pigmentação. A melanina é uma proteína produzida pelos melanócitos, que são células que exercem contato com os queratinócitos, células do tecido epitelial e que exercem a função de sintetizar a queratina.

Na pele humana é possível aferir que cada melanócito se relaciona com aproximadamente 36 queratinócitos. A partir desse contato, os melanócitos e os queratinócitos originam a melanina epidérmica. A coloração da pele dos seres humanos, dessa forma, é dividida em dois tipos:

– Cor básica: Consiste na quantidade de pigmento de melanina sem a intervenção dos raios de sol.

– Cor induzida: Corresponde a coloração de caráter não permanente, que aparece depois de uma maior exposição aos raios de sol mais intensos. Ela é também caracterizada por causa de mudanças de ordem hormonal e também devido ao período de gestação.

É também importante destacar a síntese de melanina possui relação com a tirosinase, que é uma enzima composta por cobre. O pigmento da pele é originado de acordo com a polimerização da tirosina.
A tirosina que sofre o processo de polimerização é depositada em vesículas que são chamadas de melanossoma. Após isso são conduzidas para os queratinócitos por meio de um procedimento de secreção. Esse processo é chamado de secreção citócrina (realizados de célula para célula).

Visualmente falando, a melanina produzida pelos melanócitos consiste em um pigmento de coloração acastanhada. Porém, em alguns casos, ela é dotada de tons mais avermelhados.

A melanina que está presente na pele humana tem como função primordial efetuar o processo de proteção, principalmente contra os nocivos raios solares, que se tornam mais intensos durante o verão. Entre os problemas referentes ao excesso de exposição ao raios de sol estão:

– Queimaduras: Elas podem ser muito dolorosas e a melhor forma de evitar tanta exposição ao sol, principalmente no verão, é fazer uso do filtro solar. Além disso, vale verificar os horários onde os raios se apresentam menos intensos.

– Transtornos da visão: A exposição excessiva aos raios de sol também pode acarretar em catarata, em câncer na pele das pálpebras e também pterígeo. Para evitar tais transtornos é pertinente o uso de óculos de sol e bonés com abas para a proteção dos olhos.

– Acne: Ficar muito tempo exposto aos raios solares faz com que as glândulas sebáceas da pele trabalhem mais produzindo assim mais sebo. É importante também destacar que o suor excessivo possibilita a proliferação de fungos responsáveis pelos surgimentos da acne.

– Melasmas: Consistem em manchas que apresentam coloração em tons amarronzados. Eles surgem especialmente em mãos e braços, que ficam muito tempo expostos principalmente no período do verão.

– Câncer de pele: Consiste em uma neoplasia que atinge a derme. Ele pode ser dividido em melanoma, carcinoma epidermoide e carcinoma basocelular.
Ainda a respeito de algumas considerações acerca das características da melanina, é possível classificar essas substâncias em duas classes distintas:

– Eumelanina: Dotada de cor acastanhada ou mais escura.

– Feomelanina: Apresenta coloração em tons mais avermelhados ou amarelos.

A eumelanina demonstra ter uma maior capacidade de proteção que a feomelanina. Por causa dessa característica a incidência de câncer de pele em indivíduos de pele clara é bem mais comum que em indivíduos que possuem pele escura.