Mitose: Prófase, Metáfase, Anáfase e Telófase


A mitose é caracterizada como um processo presente em quase todos os tipos de células em meio ao ciclo celular das mesmas, sendo este um processo de reprodução.

De forma resumida, a mitose consiste em um processo em que uma célula diploide origina outras duas do mesmo tipo, que são idênticas a essa “célula-mãe” e também entre si. Sendo assim, isso significa que a cada célula que conta com um determinado número de cromossomos para a reprodução consegue originar outras duas células totalmente idênticas. No caso dos humanos, o número de cromossomos seria 46. Mas, para as células em geral, isso varia bastante.

Mitose

Sendo assim, o processo é caracterizado como um de divisão celular, em que a célula eucarionte se torna responsável pela origem ordenada de outras “células-filhas”, geneticamente e cromossômicas idênticas.

Para eu esse processo realmente aconteça, a célula que irá se reproduzir precisa passar por uma sequência ordenada de vários passos, sendo que dois momentos dele são considerados essenciais: o primeiro, que é diretamente relacionado coma formação de núcleos filhos, e o segundo, que nada mais é do que o processo de divisão do citoplasma.

Mas na hora do vestibular esse processo é cobrado em quatro diferenciadas etapas: a prófase, metáfase, anáfase e telófase. Por conta disso, confira neste artigo um pouco mais sobre cada uma dessas fases do processo de mitose.

Prófase

A prófase é caracterizada como a primeira do processo de mitose, sendo esta uma etapa basicamente preparatória para a célula, antes que ela dê início a sua divisão. Assim, alguns eventos devem acontecer durante esse processo de interfase, sendo eles extremamente essenciais para o próprio ciclo celular.

É durante essa fase que o DNA da célula, ou melhor, a cromatina, começa a se autocondensar, lembrando que anteriormente ela estava descondensada.

O nucléolo, por sua vez, também desaparece. E isso é característico da própria paralisação que ocorre na sintetização da célula.
Depois disso, ocorre também uma duplicação e migração do centríolo para o outro extremo da célula, o que é capaz de formar fibras de fuso e microtúbulos. A membrana nuclear, por sua vez, também some assim como os nucléolos.

Metáfase

Certamente, uma das fases mais importantes da metáfase é o fato de que durante essa etapa do processo ocorre uma maior disposição dos cromossomos, que se torna bem central, ou seja, no meio da célula. É assim que a “placa equatorial” é formada.

Para que essa disposição seja possível, os cromossomos são os responsáveis pela condensação total e união com as fibras de fuso. Esse processo será possível por meio dos centrômeros, que nada mais são do que a parte do meio dos cromossomos.

Anáfase

Já a anáfase, por sua vez, é caracterizada como uma etapa de separação. Essa fase de divisão é onde todos os cromossomos que estão duplicados são separados, sendo que cada um irá migrar para a sua cromátide irmã. Os microtúbulos são encurtados e, por isso, eles vão em direção a polos opostos. Cada um desses processos de separação irá gerar um cromossomo independente.

Vale ainda lembrar que no processo de mitose cada célula de caráter diploide conta com seis cromossomos e, por isso, é capaz de originar duas células com seis cromossomos cada.

E é aqui então que o segredo é “desvendado”: é durante a etapa da anáfase que uma célula de apenas seis cromossomos se divide em dois, que ao seguirem seus caminhos para polos opostos, acabam originando 12 diferentes cromossomos, metade para cada célula.

Telófase

A etapa do telófase, por sua vez, é aquela em que tudo está quase estabelecimento por completo. Todos os cromossomos já estão localizados juntamente aos centríolos, e a cromatina, por sua vez, começa a passar por um processo de descondensação.

Assim, tanto os nucléolos quanto a membrana nuclear voltam a fazer parte do processo, e a célula finalmente se divide por completo.

Essa divisão que acontece durante o processo é caracterizada como citocinese, que pode ainda acontecer de duas diferentes formas, o que depende se a célula é animal ou centrífuga.

É então por meio do agrupamento e da própria descompactação dos cromossomos em cada uma das “paredes” extremas que o processo é finalizado por meio da individualização do citoplasma em cada uma das células-filhas.

Resumo

Para os que estão estudando para o vestibular, sabemos que a mitose é realmente um processo confuso e que exige dedicação para o entendimento.

Por isso, é possível chegar à conclusão de que esse processo nada mais é do que uma divisão de uma célula mãe com o intuito de gerar duas células filhas, que, por sua vez, serão idênticas no formato e no próprio número de cromossomos.

O tempo de realização desse processo, por sua vez, pode depender e variar de um organismo para o outro, o que irá depender desde a temperatura do local como também do tipo de célula que passa por essa mudança.