Músculo estriado esquelético


Também denominado por tecido muscular estriado esquelético, o músculo estriado esquelético é constituído por uma espécie de pacote de fibras bastante longas, multinucleadas e em formato cilíndrico, chamadas de fibras musculares estriadas esqueléticas. Cada fibra, que é submergida por um conjunto fino de fibras reticulares e que origina o endomísio, possui vários núcleos conhecidos como miócitos multinucleados. Os feixes que formam o músculo estriado esquelético são envolvidos por uma membrana de nome epimísio, localizada na parte de fora do tecido conjuntivo denso. Este, por sua vez, é composto por fibras colágenas.

Por meio das membranas os perimísios, caracterizados como partes de tecido conjuntivo extremamente delgado, vão em direção aos vasos sanguíneos, local em que eles entram nos músculos. Músculos, estes, responsáveis pelos movimentos voluntários. O músculo estriado esquelético forma a grande parte da carne constituída no corpo dos vertebrados. Já essa musculatura, além de ficar devidamente presa aos ossos, cobre por completo o esqueleto. Podemos dizer que esse tipo específico de tecido proporciona o que chamamos de contração voluntária, ou seja, é aquele movimento que ocorre a partir da vontade da pessoa.

estriado esquelético

O que tem por dentro do músculo estriado esquelético

Como vimos anteriormente, o músculo estriado esquelético é um conjunto de fibras muito longas. Cada fibra chega a ter até 50 mm de espessura e medir múltiplos centímetros de comprimento. Agora, se formos analisar a célula que constitui esse pacote de fibras, veremos que ela tem, dentro do citoplasma, fibras contráteis extremamente finas chamadas de miofibrilas, montadas de maneira longitudinal.

Cada uma delas representa um grupo de duas proteínas principais e essenciais: as actinas, caracterizadas como finas e as miosinas, assinaladas como espessas. Tais proteínas são estabelecidas a fim de originarem o que denominamos de bandas transversais. Elas, na maioria das vezes, possuem tonalidades escuras e claras, independentemente se forem as células cardíacas ou as esqueléticas.

É por meio do tecido conjuntivo (capaz de estabelecer e manter da forma do corpo humano, promovendo a união dos vários tipos de células e órgãos e oferecendo todo o suporte mecânico necessário) que a junção das fibras musculares acontece. Através dele, é possível que haja a ação da força de concentração motivada por cada fibra em particular que age sobre o músculo inteiro e, a partir daí, parte para outras composições como os ossos, as aponeuroses, os tendões e os ligamentos.

Todos os tipos de fibras musculares são determinados pelo sarcolema, que nada mais é do que uma membrana celular (membrana plasmática) e um recobrimento de uma camada muito delgada de material polissacarídeo, constituídas por fibrilas colágenas finas. Já o sarcoplasma é constituído pelas fibrilas paralelas rotuladas como miofibrilas. Estas são formadas por quatro diferentes proteínas:

* Actina: encontrada no formato de fibrosas e alongadas composições (actina F), é constituída por duas correntes de monômeros globulares (actina G) envolvidas em uma espécie de espiral duplo;

* Tropomiosina: partículas bastante finas e alongadas atreladas por meio das suas extremidades, que formam filamentos alongados que se encontram na actina;

* Troponina: grudada a uma partícula de tropomiosin, é caracterizada como um grupo de três subunidades:
* TnT: profundamente unida à tropomiosina;
* TnC: tem analogia considerável com relação aos íons cálcio;
* TnI: dificulta o intercâmbio da miosina com a actina.

* Miosina: representada pelo seu formato de bastão, é extensa, complexa e com elevada importância molecular. Em uma das suas pontas, tem uma proeminência globular, com zonas exclusivas para o ajuste com ATP. Ainda, possui duas subunidades:
* Meromiosina leve: representa a parte maior do bastão;
* Meromiosina pesada: juntamente com a proeminência globular, é concebida pela porção inferior do bastão.

Qual o conceito e a função dos músculos

Da mesma forma que o músculo estriado esquelético, o corpo humano é formado por vários outros tipos de músculos. Mas, afinal, o que eles são? São composições distintas que, através da sua estrutura, são responsáveis por cortar uma ou mais juntas e, por meio da sua compressão, são eficazes na hora de produzir o movimento. Movimento, este, feito por células específicas chamadas de fibras musculares que, por sua vez, possuem uma energia latente que é ou pode ser dominada através do sistema nervoso.

Por representarem aproximadamente 40% a 50% do nosso peso corpóreo total, os músculos são indispensáveis para o nosso movimento. Sem eles, o simples ato de modificar a energia química para a energia mecânica seria impossível. Confirma abaixo as suas principais funções:

* Produzir os movimentos corporais: situações corriqueiras como andar e correr;
* Manter o equilíbrio corporal: a compressão dos músculos representa a estabilidade das articulações, além de ser responsável por conseguirmos permanecer em pé ou sentados;
* Circulação de conteúdos no corpo: as compressões dos músculos dos vasos sanguíneos são responsáveis por regular a sua intensidade de fluxo. Logo, eles ainda têm o poder de movimentar urina, gametas e alimento do sistema reprodutivo, bem como promover o caminho de linfa e o fluxo de sangue até o coração;
* Produzir calor: no momento em que os músculos são contraídos, automaticamente produzem calor e, na grande maioria, todo o calor liberado por eles é aproveitado para manter a temperatura do corpo.