Propriedades Organolépticas


As propriedades organolépticas determinam as particularidades dos materiais que podem ser identificadas pelos cinco sentidos humanos: tato, olfato, paladar, visão e audição.

Na totalidade, as substâncias puras possuem características próprias que servem para a sua identificação. Algumas dessas substâncias só podem ser conferidas por meio de equipamentos refinados ou, de uma maneira mais fácil, através das percepções humanas. O tempo todo, essas propriedades estão sendo usadas no dia a dia das pessoas.

Essas especialidades ajudam no marketing e na conservação de produtos como, os alimentos.

Organolépticas

Existe um tipo de química que estuda essas propriedades, conhecida como química analítica. A química analítica abrange métodos direcionados a definição da formação da matéria. Esses métodos estabelecem informações sobre a origem das condições atômicas ou moleculares da porção.

Considerando o perigo de consumir uma substância desconhecida, o emprego das propriedades organolépticas para reconhecimento de elementos não é indicada. Essas características só podem ser usadas como contribuição para o diagnóstico de compostos químicos.

Dentre as propriedades organolépticas, destacam-se: cor, brilho, odor, sabor e textura.

Cor

A cor é uma particularidade constatada pela visão e prescrita pelos comprimentos de ondas da visão eletromagnética. Os olhos, órgãos responsáveis por receber informações visuais, são frágeis a radiação eletromagnética diante de uma faixa específica, chamada de espectro visível.

Essa propriedade é utilizada na análise física de um pequeno número de alimentos como, por exemplo, as carnes e os vegetais. Esses produtos, quando danificados, exibem uma cor diferente da normal, proibindo a ingestão desse alimento pelo consumidor.

A percepção humana consegue decifrar a cor que está contida em uma amostra entre os tons vermelho e violeta, entre 350 e 700 nm.

Brilho

O brilho é identificado em uma substância, quando ela tem a capacidade de refletir luz. Essa especialidade, como a cor, também é captada pela visão e retrata uma das três perspectivas da cor.

Os metais têm como uma de suas características mais importantes, produzirem brilho. Já a madeira não consegue produzir nenhum tipo de brilho devido a sua composição orgânica.

Odor

O odor, mais comumente conhecido como cheiro, é decretado como tudo aquilo que pode ser sentido pelo olfato. Substâncias que estimulam a compreensão do olfato ganham o nome de odorantes, e aquela que não possuem cheiro são conhecidas como inodoras.

A sensação de odor acontece por meio de uma função biológica, e é por ela que os animais, principalmente os carnívoros, conseguem detectar a presença de presas, predadores e da fêmea.

As flores que apresentam um cheiro característico aproximam os insetos polinizadores e os morcegos que auxiliam na sua reprodução. Assim como as flores, os alimentos também apresentam cheiros próprios que aguça ou impedi o desejo de ingeri-los.

Sabor

O sabor é a harmonia das percepções de gosto e aroma, identificada pelo paladar. A percepção do saber acontece por causa das papilas gustativas existentes na língua, que são eficazes na identificação do doce, do azedo, do salgado e do âmago.

Existem algumas substancias como a água que não apresentam sabor e, por isso, recebem o nome de insípidas.

Textura

Essa propriedade é reconhecida pelo tato e reproduz a aparência da superfície, que pode ser áspera, macia, rugosa, ondulada ou lisa.

Propriedade físicas da matéria

As propriedades organolépticas fazem parte das propriedades físicas da matéria. Essa última pode ser pesquisada sem a mudança da composição química da substância, ou seja, ocasionando um fenômeno físico.

Dentre as propriedades físicas da matéria estão: ponto de ebulição, volume, densidade, estado físico, ponto de fusão, cor, dureza e temperatura.

As propriedades físicas ainda podem se dividir em gerais ou específicas e intensivas e extensivas.

– Propriedades gerais e específicas

As propriedades gerais podem ser encontradas em outras substâncias diferentes, que não são próprias de um material particular. Por outro lado, as propriedades específicas são inteiramente próprias de um único material, que podem ser utilizadas para fazer a sua identificação.

Ex:

Geral: cor, cheiro, estado físico, massa, volume e temperatura.

Específico: ponto de ebulição, ponto de fusão, densidade e calor específico.

Propriedades intensivas e extensivas

As propriedades intensivas podem ser identificadas sem a composição da amostra. Já as propriedades extensivas dependem da composição da amostra para identificação.

Ex:

Intensiva: temperatura, ponto de fusão, ponto de ebulição e densidade.

Extensiva: volume e massa.

A densidade é classificada como uma propriedade intensiva, pois não sofre alteração quando há diminuição do volume e da massa da substância, ou seja, a densidade permanece constante independente do elemento.