Resumo sobre a Reprodução Assexuada


A reprodução é o processo em que os seres vivos perpetuam suas espécies, por meio do tempo e espaço, gerando seres iguais. Existem duas formas de reprodução, que variam de acordo com o organismo, sendo elas: sexuada e assexuada.

Nesse texto, abordaremos as características da Reprodução Assexuada, que é a forma mais simples de um organismo dar origem a outro. Os indivíduos que nascem por esse tipo de reprodução são geneticamente idênticos entre si, uma vez que recebem cópias iguais de DNA. É como se fossem clones, pois não há o encontro de gametas e a fecundação, ou seja, não há troca de material genético. O que ocorre é a mitose, que consiste na divisão de uma célula em duas.

Reprodução Assexuada

Este tipo de reprodução possui vantagens adaptativas, como a rapidez em aumentar a população, pois em um curto espaço de tempo ocorre uma acentuada proliferação. A simplicidade também é uma das vantagens, pois o indivíduo não precisa gastar tempo e energia para procurar um parceiro, já que faz a reprodução sozinho, dividindo sua própria célula.

Apesar da facilidade e rapidez da reprodução assexuada, os organismos possuem pouca variabilidade genética, pois não sofrem alterações no DNA. Devido a isso, as populações podem ser afetadas por alguma praga ou doença, podendo ser extintas naquele local, pois sua capacidade adaptativa, nesses casos, é fraca. É o que acontece com as bactérias, que são facilmente combatidas por antibióticos.

Quais organismos são assexuados?

A reprodução assexuada existe nos seres mais simples, como em bactérias, eucariotas unicelulares e em vários filos de invertebrados, mas não está presente nos vertebrados. Entre animais, a estrela-do-mar é um dos exemplos mais conhecidos, ao perder um dos braços, ela pode regenerar os restantes, formando uma nova estrela.

Nas plantas, a reprodução assexuada também é frequente, o que para nós é vantajoso, pois podemos usar essa capacidade reprodutiva na agricultura. A laranjeira sem semente, por exemplo, segue esse caso. Uma laranja gera seres geneticamente idênticos, provenientes do mesmo ser vivo.

Para que haja alterações no DNA de indivíduos que fazem reprodução assexuada é necessário que haja mutação genética.

Quais os tipos de reprodução?

1) Divisão binária
– Também conhecida como cissiparidade ou bipartição.
– Organismo que realiza esse tipo de reprodução: bactéria.
– Como funciona: As bactérias são procarióticas, ou seja, não têm envoltório nuclear, por isso o material genético, que é constituído por um único filamento cromossômico circular, fica disperso pela célula.
A divisão das bactérias consiste na replicação de seu cromossomo, dessa forma a bactéria fica com dois filamentos cromossômicos circulares idênticos, quando ocorre a divisão do citoplasma, formam-se duas bactérias menores, cada qual com um filamento cromossômico.
– Observação: doenças bacterianas são combatidas com certa facilidade, pois um organismo gera outro igual, sendo que nenhum deles é resistente ao medicamento, no caso o antibiótico. O remédio só para de fazer efeito caso a bactéria sofra mutação genética.

2) Esporulação:
– Reprodução por meio de esporos.
– Organismo que realiza esse tipo de reprodução: briófitas e fungos.
– O cromossomo da célula-mãe duplica-se e uma das cópias se isola por meio de uma membrana. Uma parede espessa forma-se, constituindo, nessa membrana, um esporo. No momento em que a célula degenera-se, ela libera o endósporo. Para isso acontecer, as condições ambientais devem ser favoráveis.

3) Brotamento ou gemiparidade:
– Organismo que realiza esse tipo de reprodução: hidra e violeta.
– Processo no qual o corpo do indivíduo desenvolve brotos, próximo à borda da célula, após a divisão do núcleo. O citoplasma acaba envolvendo essa parte, formando uma célula menor que a original que, ao se separar, assume uma vida independente e se desenvolve.

4) Fragmentação:

– Organismo que realiza esse tipo de reprodução: esponjas (poríferos) e cnidários.

– Fragmentos que se separam do corpo do indivíduo, regeneram-se e dão origem a novos seres idênticos.

5) Partenogênese:

– Organismo que realiza esse tipo de reprodução: zangões.

– Desenvolvimento do gameta feminino sem que este tenha sido fecundado.

– Curiosidade: Nas colmeias, existem dois tipos diferentes de reprodução – tanto óvulos fecundados como os não fecundados podem acarretar novos seres. As rainhas e as operárias são frutos do desenvolvimento de óvulos fecundados, sendo, portanto, diploides. Já os zangões são haploides, pois resultam do desenvolvimento de óvulos não fecundados, herdando assim todos os genes que possuem da “mãe” (Rainha), já que não têm “pai”.

Qual a diferença entre a reprodução assexuada para a sexuada?

Na reprodução sexuada, há a ocorrência de células especializadas (gametas) que ao se unirem formam um novo ser. Diferente da assexuada, esse tipo de reprodução permite a variabilidade das espécies, através da recombinação genética. Fato que permite a seleção natural.

O novo ser vai receber uma parte dos genes da mãe e a outra parte dos genes do pai, havendo a recombinação: o gameta masculino tem a metade dos cromossomos da célula somática (do corpo) e o feminino a outra metade. No momento da fecundação, há a troca de material genético, originando um novo ser.

A principal diferença entre os dois tipos de reprodução é que uma gera seres iguais e a outra seres diferentes.