Resumo sobre Hemicordados


Os hemicordados são seres vivos invertebrados pertencentes ao filo Hemichordata. Esses animais têm uma vida exclusivamente marinha. Possuem o corpo mole, em formato cilíndrico, com muito pouca mobilidade. O “hemi” do seu nome significa “metade”, enquanto “chorda” significa “corda”. Esse artigo é um resumo sobre Hemicordados, suas formas de sobrevivência e características.

Resumo sobre Hemicordados

À fase larval dá-se o nome de tornaria, e seu desenvolvimento é muito parecido com o de espécies de vermes marinhos que vivem sozinhos. Os adultos possuem o corpo dividido em três partes:

• Probóscide (ou probóscida): É a parte superior do seu corpo, que é sustentada pela região chamada estomocorda (ou simplesmente corda). Essa parte é muito semelhante à notocorda dos cordados.

• Corda: A menor região dos hemicordados fica entre a probóscide e o tronco. Possui um conjunto de células nervosas na sua composição.

• Tronco: É a maior região do seu corpo e apresenta, nas suas laterais, poros branquiais cuja função é se comunicar com as fendas branquiais, que, por sua vez, são essenciais ao processo respiratório dos hemicordados.

As espécies se reproduzem de maneira assexuada e com fecundação externa. Não será possível abordar cada espécie no nosso resumo sobre Hemicordados, já que foram registradas 106 espécies até o momento no mundo. No Brasil foram encontradas até agora sete delas. Todas as espécies encontradas nos estados brasileiros pertencem ao gênero Balanoglossus.

Mesmo com tantos exemplares, elas receberam pouca atenção dos estudos ecológicos realizados do mundo até o momento. No Brasil a exploração nas regiões norte e nordeste ainda não foi realizada com profundidade, e espera-se que isso venha a acontecer nos próximos anos.

O grupo dos hemicordados já foi classificado como um subfilo dos cordados. Isso por causa das fendas branquiais, uma característica comum aos animais desse grupo. Existem duas classes de hemicordados: os Enteropneusta e os Pterobranchia. A maioria das espécies de hemicordados faz parte do grupo Enteropneusta. Os exemplares do segundo grupo costumam viver em regiões de difícil acesso, e por isso raramente são encontrados. Continue lendo agora no resumo sobre Hemicordados as características de cada classe.

Enteropneusta

As espécies dessa classe costumam habitar as águas rasas. Algumas vivem em conchas e rochas, enquanto outras preferem cavar o lodo na areia. Elas costumam fazer escavações em forma de U, incluindo duas aberturas na superfície da obra, que são revestidas de muco em areia e lodo.

O comprimento dos exemplares dessa classe normalmente está entre 9 e 45 cm. No entanto, algumas espécies podem exceder esse tamanho. Pertencentes ao grupo dos Balanoglossus, por exemplo, chegam a medir 1,5 m. Eles podem criar galerias que chegam a 3 metros de comprimento. Seu tronco ocupa grande parte do seu corpo, e na maioria das espécies ele pode ser regenerado.

A ação desses animais é percebida em algumas regiões onde há cordões enrolados em superfícies expostas pela maré. Esses resíduos são resultado das fezes dos membros da enteropneusta. Entre as características que as diferem de outras espécies estão à lentidão, o corpo cilíndrico e a flacidez dos seus tecidos. O sistema vascular sanguíneo é aberto, e o sensorial possui células neurocensoriais em toda a região do epitélio superficial.

Os membros da enteropneusta são todos dióicos, ou seja, com os sexos existindo separadamente. Eles consomem lodo e areia para retirar o material orgânico que necessitam. Possuem fendas branquiais faríngeas, que funcionam como órgãos de trocas gasosas. Eles se localizam na região anterior do tronco, e existem em variado número, podendo chegar a mais de 100 pares. Os poros branquiais se dispõem em uma fileira longitudinal que existem em cada lado de uma crista mediana dorsal.

Todos os ovos são envoltos por um muco, e sua fertilização é feita por espermatozoides que os machos próximos emitem. Eles são expelidos quando os enteropneustas estão realizando a escavação. O embrião após virar larva passa a viver de plâncton, até ser circundado por uma constrição. Agora no resumo sobre Hemicordados abordaremos um pouco as características da segunda classe.

Pterobranchia

Como afirmado anteriormente, há um pequeno número de espécies que se enquadram na classe dos pterobranchia. A grande maioria dos exemplares habitam águas profundas, o que torna a busca por eles muito difícil. São organizados em colônias e agregados através de tubos secretados.

As espécies possuem uma forma similar a um escudo, e na grande maioria não há fendas branquiais. A pequena parcela das espécies que a têm possui apenas um par. Os membros do grupo possuem tentáculos e braços que se localizam no lado dorsal do colarinho. Esses tentáculos são muito ciliados e pequenos.

Especialistas da área, sobretudo os zoólogos, acreditam que as espécies de pterobrânquios têm um ancestral comum com os equinodermos e os hemicordados. No entanto, o sistema embolacrário dos equinodermos pode ter surgido dos braços e tentáculos dessas espécies. A hipótese mais provável é que eles sejam um mecanismo utilizado originalmente para a captura de alimentos.