Regras da Luta Greco-Romana categorias de: 55kg a 120kg


A luta greco-romana é conhecida também como luta Olímpica. Ela é uma das modalidades mais antigas da humanidade, principalmente entre as olímpicas, e perde apenas para o atletismo.

A primeira vez em que a modalidade foi disputada em uma olimpíada foi no ano de 708 a. C, pouco tempo depois que os jogos olímpicos eram disputados na Grécia, isso aconteceu no ano de 776 a.C. Os historiadores afirmam essas datas de acordo com estudos arqueológicos de pintura de Sumero Akkadinan e também de desenhos egípcios que tem mais de 2.400 anos.

Luta Greco-Romana

A luta greco-romana é praticada apenas por homens e dividida em 18 categorias diferentes, todas por pesos. São elas 55 quilos, 60 quilos, 66 quilos, 74 quilos, 84 quilos, 96 quilos e 120 quilos.

A luta greco-romana é regulada pela Federação Internacional de Lutas Associadas, o FILA, e está com seus dias contados nos Jogos Olímpicos, isso porque a federação já afirmou que a modalidade será excluída da competição mais importante do mundo dos esportes em 2020. Isso está acontecendo porque nos últimos anos a luta greco-romana vem sendo modificada a fim de atrair a popularidade conquistada pelo MMA, ou o mixed martial arts.

Regras da luta greco-romana

A luta greco-romana é disputada em um ginásio e, assim como as outras artes marciais de competição, dentro de um tablado. O objetivo é imobilizar e derrubar o adversário a fim de somar pontos e vencer a competição. No entanto, o que a diferencia das outras lutas é que não é possível usar as pernas na hora de derrubar o adversário.

Por esse motivo, o atleta só pode usar os braços e o tronco para derrubar seu adversário, deslocar o adversário ou até mesmo para poder lhe golpear. Além disso, se um dos competidores tiver seus ombros fixados no chão, ou seja, for derrubado, o seu oponente é declarado vencedor.

A luta acontece em dois rounds que tem o tempo de 3 minutos cada um, totalizando seis minutos de luta. Mesmo parecendo pouco, o desgaste físico dos atletas é intenso já que é preciso ter equilíbrio e força para se manter em pé.

Se nenhum dos competidores tiver seu ombro tocado no solo, o vencedor é dado por contagem de pontos, que são dados a cada golpe bem-sucedido em seu adversário. Essa pontuação depende do grau de dificuldade de cada golpe e pode valer até 5 pontos.

Se no final dos dois rounds os atletas estiverem com pontuação igual, ou seja, empatados, a luta continuará por mais um round de mais três minutos. Se mesmo assim não acontecer o desempate, caberá aos juízes declararem o campeão. Isso também acontece se no final da luta nenhum dos competidores tiver alcançado o total de 3 pontos.

A área de combate no qual os atletas lutam é um quadrado vermelho que tem 8 metros de cada lado e que possui 10 centímetros de espessura. Esse tablado deve estar fixado no centro de outra plataforma que deve ter 12 metros de largura por 12 metros de comprimento e espessura entre 0,90 centímetros e 1,10 metros.

A contagem dos golpes acontece da seguinte maneira: toda a vez que um lutador derrubar seu adversário e ficar por cima dele, ele receberá um ponto. Se o adversário fica de costas para o chão é contado mais um ponto, que pode ser dobrado caso o lutador fique na posição por pelo menos 5 segundos. Se com apenas um golpe o atleta adversário deitar as costas no tablado, 3 pontos são somados a quem deferiu o golpe. Já a pontuação máxima, de 5 pontos, é dada se o lutador conseguir erguer e arremessar o seu adversário.

Ainda é possível ganhar um ponto se o adversário fugir do combate, ou como é conhecido “evitar” o combate direto com seu adversário. Além disso, puxões de cabelo e estrangulamento são punições graves e acarretam em desclassificação.

As curiosidades da luta greco-romana

A luta não pode ser começada se um dos atletas estiver suado, isso porque o suor pode dificultar o encaixe dos golpes do adversário, já que a pele do atleta estará escorregadia. Além disso, os atletas devem ter as unhas cortadas, a barba deve estar feita e o cabelo amarrado na parte traseira ou cortado de forma curta.

A maior luta greco-romana já registrada teve mais de 11 horas de duração e aconteceu durante as Olimpíadas de Estocolmo, disputadas em 1912. No episódio o russo Martin Klein venceu o finlandês Alfred Aslkainen, mas não conseguiu disputar a final já que estava fisicamente esgotado.

Os primeiros brasileiros a disputarem uma olimpíada na categoria foram, Floriano Spiess e Roberto Leitão, no ano de 1988 em Seul. Isso acontece porque no Brasil a modalidade não é muito difundida e existem poucos atletas profissionais. Isso fez, inclusive, com que o Brasil não tenha nenhum representante nas olimpíadas do Rio de Janeiro.