Regras da Natação estilo peito provas de 100 e 200 metros


A natação é caracterizada como uma atividade física realizada na água, por meio do nado. Tudo começou na Grécia Antiga, e o esporte foi aperfeiçoado pelos ingleses que, pela primeira vez, tornaram a mesma passível de competição.

Com muitos benefícios para a saúde e diferenciais no que diz respeito ao estilo de nado, a natação conta com uma série de regras para as provas e competições.

Natação estilo peito

Por conta disso, neste artigo falaremos sobre as regras de natação estilo peito para as provas realizadas com 100 e 200 metros.

O nado peito – características gerais

O nado peito é aquele considerado como o mais antigo de toda a natação, ou seja, foi a primeira forma de se competir nessa modalidade esportiva.

A primeira regra de natação estilo peito para as provas realizadas com 100 e 200 metros certamente diz respeito ao próprio posicionamento do atleta: ele deve ficar com o seu corpo em posição horizontal, com a região do tórax voltada para baixo. Dessa forma, a movimentação dos braços deve ser simultânea e não se torna possível movimentá-los de maneira alternada.

Outra entre as principais características desse nado é o fato de que o nadador jamais pode ficar virado de costas, nem mesmo para descanso ou a cada uma das voltas realizadas. A sua posição deve ser sempre com o tórax para baixo. É dessa forma, então, que o nado peito representa o seu nome: o indivíduo deve sustentar o seu corpo por meio da região peitoral.

As mãos do atleta, por sua vez, devem ser jogadas para frente, sempre juntas, vindo a partir do peito do praticante. Os cotovelos do indivíduo ficam sempre dentro da água, com exceção da última virada em que se torna necessário retirá-los da parte submersa.

Assim como acontece com os braços, nas regras de natação estilo peito para as provas realizadas com 100 e 200 metros os indivíduos devem manter também as suas pernas em movimentação idêntica, também em plano horizontal, jogando sempre a água para a parte de trás.

Um exemplo simples que nos ajuda a entender essa regra é quando imaginamos o movimento realizado por um sapo, quando ele está dentro da água. Sendo assim, a movimentação das pernas do atleta é bem similar com as do sapo, já que as duas pernas são jogadas para trás ao mesmo tempo, o que consequentemente empurra a água da piscina para trás.

Sendo assim, considerando que tanto os braços quanto as pernas devem manter movimentos regulares e simultâneos, ficaria estranho que ambos fossem realizados ao mesmo tempo, não é mesmo? Mas não se assuste: nesse estilo de natação, a prática só é completa por meio de um ciclo em que primeiro o nadador realiza as braçadas, e depois, as pernadas. E segue assim até o final da prova, que pode ser de 100 ou de 200 metros.

Movimentos em geral

Durante a realização de um ciclo envolvendo os movimentos de braço e de perna, a cabeça do atleta deve “quebrar” a superfície da água da piscina. Isso acontece por meio de movimentos caracterizados como bruscos, porém, são os responsáveis por impulsionar a ação dos braços e pernas do indivíduo que está competindo.

Em cada uma das voltas e também na saída, o indivíduo pode completar uma braçada que chega até as pernas. Porém, para que isso seja válido nas regras de natação estilo peito para as provas realizadas com 100 e 200 metros ele deve também lançar a cabeça na água antes mesmo que as suas mãos se virem para dentro em meio a segunda braçada.

Tanto nas regras de natação estilo peito para as provas realizadas com 100 ou nas de 200 metros, devemos destacar que em cada uma das viradas que dá início a uma nova volta, como também na própria finalização do trajeto, o competidor deve realizar um toque na lateral da piscina, ou então, em um painel eletrônico (tudo dependerá da piscina e do porte do campeonato em questão). Esse toque deve ser feito com as suas mãos, de forma simultânea. Por outro lado, ele pode ser realizado tanto na parte de cima como de baixo da piscina, já que o nível da água nesse caso não importa.

E as regras são válidas até mesmo para os pés. Pois é: eles devem se virar para a parte de fora enquanto a parte propulsiva de pernada é realizada.

Além disso, ainda no que diz respeito aos movimentos adequados para a prática, não se torna possível realizar movimentações em formato de tesoura, golfinho, ou com pernadas verticais e/ou alternadas.

Portanto, não se esqueça: durante as provas de 100 metros ou de 200 metros em nado peito, todos os movimentos de perna e braço devem ser simultâneos, eximindo a possibilidade de movimentos realizados de maneira alternada. Além disso, o plano do atleta deve ser sempre horizontal.