Regras do Atletismo corrida de revezamento 4×100 e 4×400 metros


Assim como a maioria dos esportes olímpicos, a corrida de revezamento também remete sua origem aos gregos. Na verdade, embora este seja um esporte, no começo era muito mais uma situação de entrega de correspondências, ou seja, os primeiros atletas das corridas de revezamento eram, na verdade, os carteiros da época. Embora muito tradicional na história das olimpíadas, podemos afirmar que o atletismo de revezamento não é um esporte que atrai tantas pessoas para suas competições. E isso acontece principalmente porque as disputas não são tão acirradas, sendo que os Estados Unidos sempre tiveram uma larga vantagem quando comparados aos outros países.

Na verdade, a tendência é que sempre o segundo lugar seja mais disputado do que o primeiro, que tende a sempre pertencer ao mesmo país. Estamos falando disto fazendo referência tanto à corrida de revezamento 4 x 100 e a corrida 4 x 400. Nos dois casos, os atletas têm preparo específico, e em todas as situações, a sincronia, o trabalho em equipe e a dedicação fazem toda a diferença. Para ficarem mais claras as características deste esporte, vamos conhecer agora um pouco mais sobre a história, as regras e os detalhes especiais da corrida de revezamento.

Atletismo revezamento 4x100

A história da corrida de revezamento

Conforme já adiantamos anteriormente, a corrida de revezamento surgiu durante os jogos olímpicos da Grécia. Mas nesse período, os atletas carregavam na verdade tochas, e não bastões. O procedimento da corrida era muito semelhante ao que acontece hoje com a tocha olímpica, que é carregada por longas distâncias, alternando os atletas e, por fim, chegando ao seu ponto de destino.

Voltando à Grécia, os atletas se revezavam em distâncias definidas carregando a tocha e, então, após chegar ao destino especificado, passavam ela para outro atleta, e assim até chegar ao altar da deusa Atena, onde uma grande fogueira era feita em forma de prestar homenagens a ela. Vale lembrar que nesta época, a equipe vencedora tinha, na verdade, uma vitória simbólica, onde a honra de acender a fogueira em homenagem à deusa era o que fazia toda a diferença, não sendo necessário assim a entrega de outros tipos de prêmios, tais como as medalhas que conhecemos hoje em dia.

Porém, como as olimpíadas ocorriam apenas a cada quatro anos, os corredores passaram a ter outra função na sociedade grega: a de serem entregadores de correspondência. Obviamente, isso só surgiu depois que a escrita se popularizou, e as pessoas estavam cada vez mais interessadas em se corresponder com pessoas de outros lugares. Assim, foram criados serviços de correio, onde uma pessoa pegava uma correspondência e deixava em um ponto específico. Neste ponto, os atletas que faziam a corrida de revezamento pegavam as cartas e levavam até uma determinada distância, onde outro corredor pegaria as correspondências e as levaria mais longe e assim por diante. Por ser um treino para os atletas, o interessante era que eles percorressem longas distâncias a fim de testarem seu próprio fôlego. Desta forma, foi mantida a estrutura de quatro pessoas alternando estas grandes distâncias, independente de qual fossem elas.

Corrida de revezamento. 4 x 100 e 4 x 400

Conforme você já deve ter percebido, a corrida de revezamento é, obrigatoriamente, dividida em quatro etapas. E essas etapas podem ser de 100 metros e de 400 metros. Em cada uma das situações, há uma preparação diferente por parte dos atletas, pois o esforço exigido em cada uma das modalidades é diferente.

Na corrida de 4 x 100, o objetivo é uma explosão de velocidade. Como tal, os atletas tentam conseguir um alto desempenho por um curto período de tempo. Nesta modalidade, o foco é os tiros, que embora curtos, são capazes de proporcionar alta velocidade.

Já na corrida de 4 x 400, é preciso que o atleta poupe um pouco mais seu fôlego. Como tal, a explosão já não é tão importante quanto a capacidade de manter um ritmo fixo, garantindo assim o mínimo de variação de velocidade com o máximo de desempenho. Nestes casos, maratonistas levam mais vantagem quando comparados a corredores de raias olímpicas, que por sua vez ganham destaque nas corridas mais curtas.

As regras da corrida de revezamento

Cada equipe tem uma raia que deve ser respeitada. A única exceção que permite que eles saiam é o caso do bastão cair. Ainda assim, o caminho nunca poderá ser menor do que o especificado na competição.

No fim de cada circuito, os atletas têm um espaço de 20 metros para entregar o bastão. Esse momento é delicado, pois uma entrega incorreta pode gerar a desclassificação. O mesmo vale para o caso de o bastão não ser entregue neste raio de 20 m.

As regras da corrida de revezamento valorizam o fair play. Desta forma, o que pode desclassificar uma equipe é: perda do bastão, troca de bastão realizada de modo impróprio, duas falsas largadas, alcançar outro competidor inadequadamente, impedir que outro competidor passe e bloqueá-lo propositadamente, cruzar o percurso inadequadamente, ou de qualquer outra maneira interferir com o outro competidor.