Resumo do Catolicismo


De acordo com informações do Vaticano, no mundo todo já há cerca de 1,23 bilhão de católicos (dado divulgado em 2014), sendo que a maior parte deles se concentra no continente americano, onde estão mais de 60% das pessoas que seguem essa religião. Já na Ásia, por outro lado, essa mesma contagem apontava que viviam menos de 3,5% de todos os católicos. O Brasil e o México são os países com maior número de indivíduos que se declaram católicos.

Observe a seguir um resumo do catolicismo, que é uma das ramificações mais consistentes e representativas do cristianismo no mundo todo.

Catolicismo

Resumo do catolicismo – história da Igreja Católica

Vamos começar compreendendo o significado do termo “catolicismo”: ele vem do grego arcaico e pode ser traduzido como “universal”. A primeira pessoa a usar essa palavra, de acordo com a história, foi o bispo de Antioquia, Santo Inácio, no ano de 105 d.C. No entanto, a Igreja Católica mesma diz que foi instituída no ano 33 d.C., pelo próprio Jesus Cristo.

O início da trajetória da Igreja Católica foi marcado pela perseguição em Roma por parte dos imperadores, que de certo modo, temiam a reunião de uma grande quantidade de pessoas compartilhando dos mesmos ideais e dogmas. Nos anos 60 do século I, Nero deu início a essa perseguição mais intensa, que continuou até o ano 313, quando o culto a Deus foi aceito pelo então imperador, Constantino.

Nesses primeiros 300 anos, o catolicismo ganhou um grande número de mártires, ou seja, pessoas que preferiram morrer a negar a sua religião e a crença em seu Deus. Estevão foi um dos exemplos mais representativos.

Em 476, quando ocorre a passagem da Idade Antiga para a Idade Média, o catolicismo já estava fortalecido, afinal, tinha sido permitido a mais de 100 anos. Durante esse tempo, os fiéis puderam começar a celebrar seus cultos publicamente inclusive aproveitando “restos” de palácios doados por Constantino.

Durante a Idade Média, a igreja católica ganhou a adesão de boa parte da burguesia e assim se tornou a instituição mais poderosa, inclusive, impondo-se sobre o próprio poder real, muitas vezes. Aquelas pessoas que eram consideradas hereges (iam contra os dogmas pregados pela igreja) eram perseguidas e muitas foram jogadas em fogueiras. Livros também eram destruídos.

No ano de 1054, um episódio marcante para o catolicismo: foi o chamado Cisma, ou seja, uma separação entre o Papa e o Bispo de Constantinopla (ambos representavam a Igreja Católica). Dessa divisão resultaram a Igreja Católica Apostólica Romana e a Igreja Ortodoxa Grega.

No século XVI, a corrupção dentro da Igreja Católica atingiu o seu auge. Uma prática muito comum era a venda de indulgências aos fiéis, inclusive aos menos favorecidos financeiramente. Era uma espécie de comercialização de lugares no céu. Havia também a venda de relíquias apócrifas, ou seja, relíquias falsas que eram oferecidas como se fossem verdadeiras.

Muitos cientistas também foram perseguidos, um deles foi Galileu Galilei por ter defendido a teoria heliocêntrica, que afirmava que o Sol era o centro do sistema solar e que a Terra não podia ser o centro do universo. Como esse pensamento contrariava a igreja, ele foi condenado pelos tribunais do Santo Ofício.

A Igreja Católica só começou a perder o seu poder por volta do século XVIII, quando os regimes absolutistas entraram em vigor e colocavam o poder do monarca como superior a todas as outras instituições, inclusive à Igreja.

Resumo do catolicismo – estrutura da Igreja

A Igreja Católica é uma instituição bem organizada e hierarquizada, subdividida em três unidades diferentes: as arquidioceses, as dioceses e as paróquias, é como se fossem os três pilares que sustentam o catolicismo e estão submetidos ao Vaticano.

O Vaticano (menor país do mundo) é onde todo o poder do catolicismo hoje é centralizado. O Papa é o pontífice máximo, a maior autoridade católica na Terra, de modo que as suas ordens e as suas recomendações são seguidas pela Igreja no mundo todo. Abaixo do Papa estão os cardeais, os arcebispos, bispos e padres.

Entre as principais crenças pregadas pelo catolicismo estão a existência de um único Deus que faz parte da Santíssima Trindade, formada por Pai (Deus), Filho e Espírito Santo. Também acredita-se que existe vida após a morte e que postumamente a pessoa pode se encontrar no céu, no inferno ou no purgatório, sendo que isso vai depender das suas atitudes durante a vida. No dia do Juízo Final, é decidido para onde se vai.

Os Sete Sacramentos que fazem parte do catolicismo representam a comunhão do cristão com Deus.

A Bíblia do catolicismo é dividida no Antigo e no Novo Testamento, sendo que o que separa um do outro é o nascimento de Jesus Cristo, o filho de Deus, que foi enviado para salvar a humanidade libertando-a dos seus pecados.

A Missa é o principal culto celebrado pelos católicos.