Resumo da Origem do Universo


O universo é, provavelmente, uma das grandezas mais complexas que existem, afinal, absolutamente tudo o que podemos imaginar está inserido nele. Mas como algo de magnitude tão grande pode ter simplesmente surgido? O que havia em seu lugar antes dele? Há quanto tempo se formou e como foi esse processo?

Muitos estudiosos dedicaram suas vidas para responder a essas e outras questões e hoje há vários conhecimentos acumulados sobre o assunto. Antes de ir a eles, vale lembrar que é perfeitamente possível que, no futuro, outros cientistas descubram aspectos sobre o surgimento do universo diferentes dos que nós conhecemos agora e essa é a grande mágica desse conteúdo!

Veja agora um resumo da origem do universo e saiba onde tudo o que vemos hoje começou.

Origem do Universo

Resumo da origem do universo – Teoria do Big Bang

Chamamos de universo o espaço com toda a matéria e toda a energia existentes nele. Já cosmologia é o termo que designa os estudos a respeito da origem, estrutura, evolução e das partes que compõem esse universo.

A teoria mais aceita atualmente para explicar como o universo se formou é a do Big Bang, uma expressão em inglês que pode ser traduzida como “Grande Explosão”. Esse pensamento é baseado na Teoria da Relatividade de Albert Einstein e de estudos na área de astronomia conduzidos por Edwin Hubble e Milton Humason. De acordo com esses cientistas, as galáxias estão se afastando umas das outras, ou seja, o universo está em uma expansão constante. Por isso, o mais provável é que no passado, estivesse concentrado em um ponto.

No ano de 1948, a Teoria do Big Bang foi divulgada oficialmente, por George Gamow, um cientista da Rússia, e por Georges Lemaître, um astrônomo da Bélgica que também, pasme, era padre! De acordo com eles, o que hoje chamamos de universo teria surgido há muito tempo, entre 10 e 20 bilhões de anos (o número mais preciso é 13,7 bilhões de anos), a partir de uma grande explosão que consistiu, basicamente, em uma liberação imensa de energia.

Até aquele momento, o que haveria no lugar do universo seria uma grande quantidade de partículas subatômicas que se moviam quase na mesma velocidade que a luz. Então, algumas partículas de massa maior, como os prótons e nêutrons, começaram a se unir para formar os núcleos dos primeiros átomos, ainda leves, como o hidrogênio, por exemplo.

Depois da explosão, quando o universo se expandiu, ele entrou em um processo de resfriamento (curiosidade: logo após a explosão, a temperatura era de cerca de um trilhão de graus Celsius!) e aproximadamente um milhão de anos após o Big Bang, a matéria e a energia puderam se separar. E estima-se que um bilhão de anos depois dessa explosão que deu origem ao universo, os elementos químicos começaram a se combinar uns com os outros, o que teria começado a formar as galáxias.

É muito curioso o fato de que os cientistas ainda não conseguiram encontrar uma explicação para o que havia antes dessa explosão. Para que esse fenômeno tenha ocorrido, é porque havia elementos que estavam concentrados em um único ponto e puderam se separar, mas de onde surgiram esses elementos? Esse realmente ainda é um mistério.

Mesmo assim, como já foi dito anteriormente, a Teoria do Big Bang é a mais aceita, porque de todas é a que consegue trazer uma explicação mais satisfatória para o que teria acontecido. Provavelmente, vai permanecer assim até que outros estudiosos consigam descobrir algo diferente, mas ninguém sabe se isso vai de fato acontecer ou não. A verdade é que se pensarmos na imensidão do universo, esse é apenas um resumo da origem do universo, muito modesto.

Resumo da origem do universo – origem da vida

Agora que sabemos, de maneira bem básica, qual é a forma mais provável por meio da qual o universo surgiu, vamos saber um pouco mais sobre a origem das primeiras formas de vida, afinal, isso só foi possível porque o universo em si já existia!

Existem várias teorias que explicam o surgimento da vida, mas vamos analisar sob a perspectiva do Evolucionismo. Vários cientistas, como Pasteur, descobriram que um ser vivo só poderia surgir de outro preexistente (biogênese), uma teoria que rompeu com o pensamento vigente até então, de que a vida poderia surgir da matéria bruta.

A hipótese mais aceita diz que a vida teria surgido na água, a partir da união de moléculas extremamente simples que, combinadas umas às outras e com o ambiente em que estavam inseridas, puderam originar moléculas cada vez mais complexas, chegando a estruturas com metabolismo e capacidade de autoduplicação.

Também acredita-se que os primeiros seres vivos eram autotróficos, ou seja, produziam o seu próprio alimento e que as primeiras células eram procarióticas: o núcleo ficava espalhado no citoplasma, sem ser delimitado e organizado pela chamada membrana nuclear.