As características da Agropecuária


Nem todo mundo costuma parar e pensar a respeito das características da agropecuária, que é uma das atividades mais importantes e mais antigas que existem entre a humanidade. Por exemplo: ao almoçar hoje, você olhou para os seus alimentos e imaginou por alguns segundos o caminho que eles percorreram para chegar até você? Ou então, de uma forma mais abrangente, já sabe de todas as transformações que estão acontecendo na Zona Rural e como as plantações e criações já não são mais os únicos fatores que movimentam a economia?

A seguir, você verá várias informações a respeito das características da agropecuária, o seu conceito e as suas diferentes modalidades. Acompanhe!

Agropecuária

Conceito e características da agropecuária

O termo agropecuária, na realidade, é a junção de outras duas palavras: agricultura e pecuária. Portanto, ele é utilizado para designar o conjunto de todas as atividades primárias que tenham relação com o cultivo de plantas (agricultura) e com a criação de animais (pecuária).

A agropecuária tem o objetivo não apenas de produzir e fornecer alimentos para os seres humanos, mas também é responsável pelas matérias-primas utilizadas posteriormente na fabricação de roupas (o caso das plantações de algodão e da criação de animais para uso da pele, por exemplo), medicamentos, cosméticos, biocombustíveis e outros.

Começamos esse texto relacionando essa atividade com a nossa alimentação cotidiana, mas você acaba de perceber que, na realidade, vai muito além disso.

Se formos pensar no surgimento da agropecuária, podemos dizer que ela é quase tão antiga quanto a própria civilização humana. A partir do momento em que o homem descobriu que poderia se alimentar com determinadas plantas e que poderia abater animais com essa mesma finalidade, ele já se lançava nessa atividade. É claro que no decorrer de milhares de anos, as técnicas foram se aprimorando, a Revolução Industrial permitiu a mecanização do campo, até chegar no estágio moderno que conhecemos hoje.

Nas grandes propriedades rurais, o trabalho braçal praticamente não é mais utilizado, quando muito em alguns dos processos relacionados com os animais. No entanto, os agropecuaristas menores, principalmente de países subdesenvolvidos, continuam tendo que usar técnicas tradicionais para cultivar as plantas e criar os animais.

É possível dividir os sistemas agropecuários em três:

• Sistema extensivo: são os de baixa produtividade e que praticamente não utilizam os aparatos tecnológicos. Nesses casos, para a agricultura ainda se usa a técnica de queimar o solo para prepará-lo. Já na pecuária, os rebanhos costumam ficar soltos em pastos extensos, procurando o próprio alimento, sem muito controle. É a típica agropecuária familiar.

• Sistema intensivo de mão de obra: apresenta praticamente as mesmas características do sistema extensivo, ou seja, com baixa produtividade e sem uso de tecnologia. A diferença é que aqui há o emprego de mão de obra de uma grande quantidade de trabalhadores, não apenas de pessoas ligadas à família do produtor.

• Sistema intensivo: esse é o sistema que se aplica principalmente em regiões desenvolvidas, que têm acesso a recursos como maquinário, uso de fertilizantes, técnicas de preparação do solo de acordo com o que será plantado, confinamento do rebanho, beneficiamento das sementes, entre outras características que garantem uma alta produtividade.

Assim, podemos dizer que entre as principais características da agropecuária estão a sua importância na manutenção do estilo de vida adotado por uma sociedade; a classificação de acordo com as técnicas empregadas e o fato de ser uma atividade extremamente antiga.

Obviamente, estudando elementos de forma isolada, como só a agricultura, só a pecuária, um tipo de cultura, um tipo de criação ou até um desses três sistemas, será possível levantar inúmeras outras características.

Agropecuária no Brasil

Aqui no Brasil, essa atividade tem uma grande importância. Só para começar, devemos nos lembrar de que a ocupação de todo o nosso território começou a se intensificar com o cultivo da cana-de-açúcar (ainda no período colonial) e depois do café. Posteriormente, a pecuária permitiu que o interior também fosse ocupado. Ou seja: foi essa atividade econômica, ainda que de maneira separada, o pontapé inicial para a consolidação de uma sociedade distribuída pelas
várias regiões.

A agropecuária realmente foi uma das primeiras atividades econômicas que se desenvolveu no Brasil. Inclusive, enquanto os Estados Unidos e países europeus já estavam com uma industrialização avançada, o nosso país continuava a ser predominantemente agrário, já no século XX.

Alguns dados comprovam a relevância dessa atividade: cerca de 8% do nosso PIB (Produto Interno Bruto) advém da agropecuária e ela também gera empregos para aproximadamente 10% da nossa população economicamente ativa.

Entre os produtos cuja produção brasileira merece destaque, podemos citar os grãos de maneira geral, carnes, ovos e muitos outros, que são usados tanto para abastecer a própria população quanto para exportar.

Vários fatores contribuem para a nossa agropecuária, como o solo que é fértil na maior parte do país, população grande que gera demanda e a configuração climática quente e úmida, que favorece o cultivo de plantas tropicais e a criação de animais.