Localização geográfica do Brasil: Uma terra de contrastes


O Brasil é considerado por muitas pessoas como um país de contrastes, guardando diversas diferenças em seu território. Essa visão deriva, principalmente, de duas características de nosso país: a diversidade das paisagens naturais e a convivência entre a riqueza e a pobreza. Sobre a paisagem natural, é bem clara a diversidade que encontramos no nosso país.

A diferença entre a Floresta Amazônica, a caatinga e a mata de araucária está ligada à variação climática e de solo que está presente em cada uma dessas áreas. São portanto, diferenças naturais, isto é, independentes da ação humana.

Localização do Brasil

Por sua vez, as desigualdades sociais estão por toda parte, sendo muito marcantes entre as regiões. Temos, por exemplo, pólos industrias na região Sudeste e áreas de agricultura de subsistência do sertão do Nordeste. Mas essas diferenças não ocorres somente entre regiões.

Podemos encontrar condomínios fechados de alto padrão que estão cercados por favelas na cidade de São Paulo. Da mesma forma, não é difícil toparmos com hotéis de luxo ou grandes shoppings center nas cidades da região Nordeste. As disparidades sociais são também uma marca do nosso país, porém, ao contrário da diversidade natural, elas foram produzidas pelo processo histórico que deu origem ao Brasil que conhecemos atualmente. São consequências das relações sociais que se deram aqui e não de características naturais.

O determinismo geográfico

Não devemos confundir a pobreza do Nordeste com o problema da seca. A ligação entre o desenvolvimento econômico e as condições naturais, sejam elas o clima, a população ou a vegetação, acaba constituindo-se um ideal determinista, ou seja, uma crença de que as relações humanas são determinadas pelas características naturais da população ou do lugar. Esse tipo de argumentação só teve maior aceitação durante o século XIX, sendo desconsiderada nos dias de hoje.

A existência desses contrastes sociais e naturais no Brasil, levou diversos estudiosos brasileiros e também estrangeiros, assim como grande parte de nossa população, a verem este país como um lugar no qual convivem populações completamente diferentes entre si, distribuídos em regiões desenvolvidas ou subdesenvolvidas, modernas ou atrasadas.

Depois de constatar a desigualdade existente no país, demos procurar as causas dessa situação. Esta busca acabou desembocando em teorias completamente diversas. Muitos diversos acabaram relacionando as desigualdades sociais à diversidade natural do Brasil, caindo em explicações de cunho determinista. Alguns estudiosos relacionam as desigualdades sociais com a diversidade natural do Brasil, caindo em explicações de cunho determinista. Daí parte a ideia de que o Nordeste é menos desenvolvido, já que é uma região muito quente, ao contrário da região sul, que é fria, tendo melhores condições para o desenvolvimento.

Outras explicações se basearam nas diferentes origens da população de cada região. Sendo assim, o Sul seria mais desenvolvido porque a população de origem europeia tem cultura mais voltada ao trabalho, enquanto a mistura entre índios, negros e portugueses do Nordeste teria formado um povo sem predisposição ao trabalho. Mesmo não sendo citado a questão do clima na determinação do desenvolvimento social, esse tipo de pensamento contínua vinculado ao determinismo, nas questões culturais e raciais.

Nos últimos anos, o Brasil vem oscilando do terceiro ao primeiro lugar entre os países de maior desigualdade social do mundo. Isto é uma consequência de nosso desenvolvimento histórico, ou seja, a raiz dessa situação só pode ser encontrada na história na formação do Brasil contemporâneo.

Quando falamos em riqueza e pobreza, em desenvolvimento e subdesenvolvimento, em agricultura e indústria, não nos referimos nas características exclusivas do país. Mesmo nos países desenvolvidos, encontramos pessoas com más condições de vida, assim como podemos observar a riqueza nos países africanos.

O espaço geográfico é o espaço produzido pelo homem, organizado em sociedade. Cada sociedade produz, domina e ainda utiliza o seu espaço geográfico. Desde a modernidade os homens vêm se organizando em sociedade por meio da forma Estado-nação. Portanto, atualmente, o território é, nada mais, nada menos do que o espaço geográfico produzido e dominado por um país. O que define o Brasil como um país em separado do restante da humanidade é o fato de a nação que aqui habita ter produzido todas estas modificações no espaço natural e criado, assim, um espaço geográfico, o qual é limitado por fronteiras com os países vizinhos, constituindo assim, um território.

O espaço brasileiro produzido pela sociedade brasileira inclui, por exemplo, as áreas agrícolas que levaram ao fim de grande parte de nossa cobertura vegetal original, a rede de cidades que se constituiu, as áreas industriais, os meios de transporte que ligam os extremos do país, os sistemas de produção e distribuição de energia elétrica, as redes de comunicação e mesmo as reservas florestais.

É preciso destacar que o espaço ocupado pelo Brasil, os seus limites e as suas características materiais, não são naturais, mesmo que se tenha um papel importante da natureza em alguns momentos e lugares.