Resumo da Caatinga


O Brasil é um país de dimensões continentais. Isso significa que seu território é muito variado no que diz respeito a fauna e flora. Com mais de oito milhões de quilômetros quadrados de território, o Brasil possui uma infinidade de espécies de animais e vegetais, muitos exclusivos do nosso país. E é exatamente por isso e por outros motivos (coincidências importantes, relevos e características distintas) que o país foi dividido em biomas, ou seja, regiões únicas e distintas entre si e extremamente ricas em biodiversidade.

O Brasil possui sete biomas: Floresta Amazônica, Mata Atlântica, Cerrado, Pantanal, Pampa, Manguezal e Caatinga. Este último é o assunto deste resumo. A Caatinga é um bioma muito atrelado a uma ideia de pobreza. As terras secas e muito quentes, com falta de chuvas na maior parte do bioma fazem com que a Caatinga seja um bioma complicado do ponto de vista fertilidade. Não é qualquer planta que pode ser criada e cultivada nos solos da Caatinga. Mas é importante entender melhor para saber que a diversidade e as características da Caatinga tornam este pedaço do Brasil um local especial.

Caatinga

Variações da Caatinga

A Caatinga não é um bioma com apenas uma característica comum e só. É possível sair de montanhas e entrar em depressões, depois passar por um solo extremamente seco e sem chuvas. Por último é possível andar em dunas de areias formadas por quartzo. Assim é a realidade da Caatinga. Ela é dividida em algumas regiões com características mais parecidas entre si. Veja agora estas regiões:

• Depressão Sertaneja Setentrional: o clima semiárido está muito bem representado nesta região, afinal, ela é a mais seca da caatinga. Praticamente não há rios ou chuva nesta região;
• Planalto da Borborema: uma região com relevo bem diferenciado e vasto, com muitos acidentes geográficos. Não rivaliza com a Chapada Diamantina, mas possui algumas similaridades;
• Chapada Diamantina: um dos grandes tesouros da Caatinga e também uma das paisagens mais belas do país, a Chapada Diamantina corresponde a região mais alta deste bioma. Há uma boa quantidade de vegetação arbórea nos “pés” das montanhas e morros da região, o que faz com que a biodiversidade seja grande neste local;
• Dunas do São Francisco: uma região com clima semiárido não poderia ficar sem uma paisagem de deserto clássico, daquelas com dunas de areia e tudo mais. A região das dunas do São Francisco é responsável por dar esta paisagem a Caatinga;
• Depressão Sertaneja Meridional: contrastando com a depressão sertaneja setentrional, esta é uma região que possui um clima ligeiramente mais úmido. Há muito mais rios perenes do que nas outras regiões mais secas. Isso ocorre devido a presença de chuvas mais regulares;

Há outras regiões menores com características ainda mais distintas, mas estas são as principais regiões da Caatinga. É importante destacar que, apesar da distinção das regiões, o clima, a vegetação e o relevo da Caatinga como um todo é muito parecido e na sua maioria, desértico. Essas características têm uma explicação: quando a terra firme no planeta Terra estava toda unida em apenas um bloco continental, chamado Pangea, há milhões de anos atrás, a parte do território brasileiro onde hoje está a Caatinga se unia ao continente africano, onde hoje começa o deserto do Saara. As condições climáticas da região também influenciam já que esta região do Brasil está muito próxima da linha do Equador, onde há mais incidência de Sol, mas as condições de relevo e até as correntes de ar que passam por ali impedem a formação de nuvens mais carregadas, fazendo com que o clima seja seco e árido.

A fauna da Caatinga

Como qualquer outro bioma brasileiro, a Caatinga possui várias espécies endêmicas, ou seja, que existem somente nesta região do mundo. Este é um privilégio, mas também um perigo, já que há muitas espécies ameaçadas de extinção por conta da caça predatória e da dificuldade que os animais têm de se reproduzir em segurança. Existem centenas de espécies de peixes, e mais de 140 espécies de mamíferos. Quase 1000 espécies de aves e uma infinidade de insetos e outros invertebrados dos quais muitos ainda não estão catalogados, ou seja, oficialmente não são conhecidos pelo homem.

No entanto, um agravante está fazendo com que a vida dos animais e até das pessoas na Caatinga seja drasticamente modificada: o desmatamento e o uso irregular do solo. Para fins de comparação, o ritmo de desmatamento e desflorestamento da Caatinga é igual ao da Floresta Amazônica. Só que a Amazônia é cinco vezes maior do que a Caatinga, ou seja, este bioma está seriamente ameaçado e atualmente menos de um por cento de toda a sua área está protegida por unidades de conservação ambiental. Para quem mora na região e para os ambientalistas, a luta é para tentar manter o bioma intacto e garantir que este tesouro nacional seja perpetuado para manter a biodiversidade do país.