Aspectos econômicos da Argentina


A Argentina é um país, com aproximadamente 40 milhões de habitantes, localizado na América do Sul. Possui um dos melhores indicadores sociais e é a segunda maior economia da América do Sul ficando atrás apenas do Brasil.

O país apresenta grande quantidade de recursos naturais, excelente infraestrutura, cidadãos alfabetizados, trabalhadores preparados e uma base industrial variada. Uma das regiões mais industrializada fica em Buenos Aires, capital do país, com empresas de produtos alimentícios, tecidos e automóveis.

Aspectos econômicos da Argentina

A Argentina é um dos países mais importantes do MERCOSUL. Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela são os demais países que forma essa organização.

A economia argentina é baseada, principalmente, pela agricultura, direcionada para o mercado externo, e a pecuária focada na produção de carne. A Argentina se encontra entre os maiores produtores de carne do mundo.

A agricultura do país está voltada para a produção e exportação de cereais, principalmente o trigo, e azeites. Outro ponto importante para a economia do país é a exportação de carne bovina, devido ao processo de refrigeração que é referencia do setor, e lã.

A indústria pesqueira apesar de apresentar um grande potencial não é muito conhecida, entretanto, esse setor se sobressai na produção de merluza e lulas.

Outra atividade relacionada à agricultura que vem se destacando, é a produção de vinho. Alguns fatores locais que favorecem esse tipo de atividade são o clima, o tipo de solo e um mercado consumidor interno gigante. Atualmente, o país preenche o quinto luar na produção mundial de vinho.

Os minerais ainda não são tão explorados, considerando que há importantes jazidas de petróleo, carvão, gás natural e metais localizados no subsolo argentino.

A expansão industrial começou nos anos 90 com o fortalecimento do MERCOSUL. Ainda que a economia argentina seja baseada na produção agropecuária, atualmente a indústria é encarregada de, aproximadamente, 35% do Produto Interno Bruto (PIB). As fábricas alimentícias, têxtil, química, petroquímica, de veículos, metalúrgicas e de aço são as mais importantes do país.

No fim dos anos 90 ocorreu uma queda na produção industrial, devido a crise do inicio da década. O novo modelo econômico eleito a partir de 2002 facilitou a volta do crescimento industrial de forma constante.

Com relação às fontes de energia, a Argentina dispõe de 30 hidrelétricas, duas centrais nucleares e 62 termoelétricas que unidas compõe o Sistema Interconectado Nacional (SIN).

A taxa de desemprego alcançou 21,3% em 2001 durante a crise. A partir de 2007 a taxa de desempregou foi caindo chegando a 9,8%.

A moeda oficial da Argentina é o peso ($), tendo como tipo de câmbio a flutuação suja, isso é, o Banco Central analisa as variações externas e atua caso necessário. O valor do peso teve uma alteração nos últimos tempos, sendo em média, $ 9,05 (pesos) igual a U$ 1 (dólar).

Atualmente o desafio econômico do país é encarar a saída de capitais e a redução da inflação, que está em alta nos últimos anos. A Argentina está no G20, grupo composto pelas vinte maiores economias do mundo. O país é apontado pelo Banco Mundial um país emergente secundário.

Dados econômicos da Argentina

– Setores Econômicos: indústria, agricultura, finanças e pecuária.

– Moeda: peso ($)

– PIB: US$ 611,7 bilhões, na ultima análise feita em 2013.

– PIB per capita: US$ 5.090, na ultima análise feita em 2013.

– Composição do PIB: serviços (60,1%), indústria (29,5%) e agricultura (10,4%), na ultima estimativa feita para 2014.

– Trabalhadores: 17,3 milhões, na ultima estimativa feita para 2014.

– Taxa de desemprego: 7,7 %, na ultima estimativa feita para 2014.

– Investimentos: 19,4% do PIB, na ultima estimativa feita para 2014.

População de baixa renda: 29%, na ultima análise feita em 2013.

– Dívida Pública: 37,9% do PIB, na ultima estimativa feita para 2014.

– Taxa de Inflação: 36,4%, na ultima estimativa feita para 2014.

– Produtos agropecuários: sementes de girassol, soja, limão, uva, milho, tabaco, trigo, amendoim e chá.

– Produtos industrializados: automóveis, bens de consumo, alimentos processados, metalúrgica, química e têxtil.

– Produtos exportados: soja e derivados, petróleo, gás, automóveis, trigo e milho.

– Produtos importados: máquina, veículos, produtos químicos, plásticos e derivados de petróleo.

– Parceiros de exportação: Brasil, China, Chile e Estados Unidos.

– Parceiros de importação: Brasil, Estados Unidos, China e Alemanha.

– Número de exportações no ano de 2013: US$ 81,66 bilhões.

– Número de importações no ano de 2013: US$ 73,65 bilhões.

– Balança comercial: aumento de US$ 8,01 bilhões.

– Bloco econômico que faz parte: MERCOSUL.

– IDH: 0, 811, na ultima análise feita em 2012.

Painel político atual

O governo da Argentina uma forma de democracia representativa, republicana e federal. Por causa do seu caráter federal, o país apresenta duas estruturas de governo: o Governo Nacional e 23 governos regionais, cada um considerados anteriores à nação, realizando todos os poderes não conferidos ao governo federal.

A cidade de Buenos Aires é administrada por um sistema autônomo, enquanto os demais municípios têm subdivisões próprias. Atualmente, Cristina Fernández de Kirchner é a presidente da Argentina.