Ciclones, Furacões e Tufões


Possuindo dimensões estratosféricas, os furacões são fenômenos naturais que só podem ser vistos de forma inteira por satélites. Uma combinação de vários fatores, tantos atmosféricos quanto geométricos, são os responsáveis pela formação de um furacão. Esse tipo de fenômeno natural é capaz de causar grandes estragos nas regiões em que passa. Seus efeitos são rapidamente percebidos com, muitas vezes, devastações de casas, áreas naturais e até mortes. Por definição, um furacão é um sistema circular de movimentação de ar. Geralmente o ar chega a uma velocidade maior que 105 km/h, e com diâmetro de centenas de quilômetros.

Os furacões formam-se em regiões oceânicas e é necessário que as águas dos oceanos estejam mais quentes. A temperatura dessas águas deve estar por volta dos 27°C, com um elevado índice de evaporação e também umidade. Essa umidade é convertida em massas de ar que depois se tornam furacões. Como águas oceânicas quentes são mais comuns em regiões tropicais, os furacões só se formam nesse tipo de área. Porém houve uma exceção chamada furacão Catarina, que ocorreu no sul do Brasil, na região do Atlântico Sul, em uma zona temperada em 2004.

Ciclones

Furacões sempre se manifestam em formato circular, girando em sentido horário no hemisfério norte e no hemisfério sul no sentido anti-horário. Isso ocorre por causa do efeito Coriolis que acontece por causa da rotação da Terra.

O que é Tufão?

Tufão é um evento meteorológico cuja principal característica é ser um ciclone tropical que acontece nos mares orientais. Os tufões geralmente ocorrem nos mares da China e no oceano Índico.

Os tufões são conhecidos por terem um grande poder de destruição, com rajadas de ventos capazes de chegar a 360 km/h. Tufões são relatados como redemoinhos que giram em torno de um núcleo de baixa pressão atmosférica.

O que pode dizer se um ciclone será classificado como tufão, furacão, tempestade tropical, entre outros fenômenos, é o local em que ele ocorre e a sua intensidade. Quando ocorrem no Oceano Pacífico Noroeste, no sul da Ásia e na parte ocidental do Oceano Índico os ciclones são considerados tufões.

Além de lugares como a China e Filipinas, o Japão também é outro lugar onde é constante o aparecimento de tufões. Entres os principais tufões que apareceram recentemente e atingiram países da região asiática e oceânicos está o Super Tufão Haiyan (com o saldo de 4 mil mortes), Tufão Nancy, Tufão Vera (causou mais de 5 mil mortes) no Japão, Tufão Tip (com diâmetro de aproximadamente 2.220 km, ganhou o título de maior tufão já registrado).

O que é um ciclone?

O ciclone é um fenômeno natural onde ocorrem ventos com velocidade maior do que 200 km/h. Além disso, ciclones também vêm acompanhados de fortes chuvas. Essa combinação acaba por causar grandes transtornos por onde passa. Ciclones podem ser definidos como redemoinhos atmosféricos que se movimentam de forma cíclica em torno de um centro de baixa pressão. Ciclones costumam atingir regiões equatoriais, principalmente áreas tropicais. Ciclones se formam habitualmente em áreas onde as águas são quentes.

O que ocorre é que o aquecimento de uma determinada superfície acaba por criar um centro de baixa pressão atmosférica, e isso gera condições para que eles se desenvolvam. Os ciclones podem receber outros nomes dependendo do lugar que se originam. Por exemplo, se esse fenômeno acontece no oceano Atlântico ele é chamado de furacão, agora se acontece no Pacífico ele recebe o nome de tufão.

Massas de nuvens juntamente com os ventos de um ciclone podem se movimentar e isso varia conforme o hemisfério onde o ciclone se origina. Os ciclones podem ser classificados em várias categorias dependendo da velocidade que seus ventos atingem:

• Categoria 1 (pouca intensidade): ventos entre 118 Km/h e 152 Km/h.
• Categoria 2 (média intensidade): ventos entre 153 Km/h e 176 Km/h.
• Categoria 3 (forte intensidade): ventos entre 177 Km/h e 208 Km/h.
• Categoria 4 (extrema intensidade): ventos entre 209 Km/h e 248 Km/h.
• Categoria 5 (catastrófica intensidade): ventos com velocidade superior a 249 Km/h.

Além disso, há outros tipos de fenômenos naturais envolvendo o ar, como o anticiclone. Em um anticiclone o ar se afunda de cima e extingue os movimentos ascendentes preciso para a formação de nuvens e precipitação. Por isso, quando vemos um tempo seco e sem nuvens, está geralmente ligado aos anticiclones.

Anticiclones podem ser percebidos em um mapa como locais onde a pressão atmosférica é mais alta do que a que está a sua volta. Conforme o ar vai fluindo dos centros de alta pressão ele vai mudando de posição, por causa do efeito Coriolis, de tal maneira que os ventos circulam em direção dos ponteiros de um relógio no Hemisfério Norte, o que é o inverso ao que acontece no Hemisfério Sul, chamando assim de direção anti-ciclônica. O movimento do ar em um anticiclone é descendente em formato de espiral e expanda-se à superfície.