Deslizamento de Terra


O deslizamento de terra, na realidade, é somente um tipo dos conhecidos “movimentos de massa”: procedimento de declive que compreende o transporte e desprendimento do solo ou material rochoso ladeira abaixo.

Os deslizamentos, da mesma forma que os outros movimentos de massa, estão incluídos na atividade natural de formação e transformação da crosta terrestre e estão ligados também a acontecimentos naturais como mudanças climáticas e gravidade.

Ocorre que, quando esses movimentos sucedem em lugares onde acontece a ocupação humana as consequências podem ser catastróficas. Em uma circunstância de deslizamento, rodovias, casas inteiras e tudo que se encontrar no caminho podem ser arrastadas ladeira abaixou ou ser soterrado. O grande problema é que na maioria dos casos a situação poderia ser impedida.

Deslizamento

Apesar dos deslizamentos e os demais movimentos de massa ser acontecimentos naturais, certas razões externas ligadas a ocupação humana prejudicam consideravelmente o agravamento ou a ocorrência desses movimentos. A principal razão é a apropriação exagerada de morros e encostas que acrescentam peso extra ao volume de massa sedimentada que já existe ali e a resultante eliminação da vegetação natural que vai deixar o solo ainda mais sujeito a atividade do intemperismo físico.

O solo desprotegido sofre condensação por causa do choque das gotas de chuva e acabam aparecendo regiões de escoamento com o resultante principio de fendas e rachaduras que beneficiam os deslizamentos. A implantação de estradas em lugares inapropriados também favorece os episódios de deslizamentos devido às vibrações geradas pelo trafego excessivo que acaba ocasionando desequilíbrio nas encostas.

Quanto mais aclive for a encosta, maior a probabilidade de que acontecessem deslizamentos, porém outros aspectos também são relevantes. Em climas tropicais, como é o caso do Brasil, a taxa de pluviosidade é normalmente alta o que faz com que a terra fique ensopada beneficiando os movimentos de massa. Nessa situação, a existência de vegetação é essencial, uma vez que ela diminui a colisão da chuva em cima do solo impedindo a condensação e certas espécies de plantas ainda apresentam sistemas radiculares que beneficiam a associação do solo.

Outro aspecto que auxilia os movimentos de massa é o intemperismo químico que gera mudanças na constituição dos materiais das rochas ou solo por causa das reações profundas com o oxigênio, a própria água e demais substâncias.

Na maior parte, os deslizamentos de terra acontecem quando a terra que está em cima de uma camada de rochas sofre fragmentação por causa de alguns dos aspectos mencionados anteriormente e escorrega totalmente por cima dessa camada. O que faz com que o solo continue unido, entre outras ações, é o atrito que existe entre as partículas que o constituem e o apoio de rocha. O deslizamento acontecerá quando a ação da gravidade agindo em cima da encosta for superior ao atrito que existe entre essas partículas.

Se o deslizamento acontecer na existência de chuva, em lugares íngremes com deslocamento de pedaços de solo e rocha reconhecíveis, se diz que aconteceu um “escorregamento” de terra. Por outro lado, se o deslizamento acontecer com presença excessiva de água onde não dá para diferenciar a parte sólida da líquida, diz que aconteceu uma “corrida de massa” ou somente “corrida” ou “fluxo”.

As corridas de massa são frequentes em lugares onde acontece o descongelamento de geleiras. A massa de resíduo escoa por muitos quilômetros com velocidade alterável de acordo com a inclinação, quantidade de água e altitude do local, porém se a velocidade for muito grande e abranger um grande número de resíduos, se diz que aconteceu uma “avalanche”.

O escorregamento de terra, por outro lado, transita por um caminho menor e os resíduos normalmente ficam recolhidos no pé da montanha ou morro onde ocorre o deslizamento.

Quando acontecem deslizamentos de materiais de natureza vulcânica eles são denominados de “lahars”. Esses deslizamentos próprios de lugares com ação vulcânica podem atingir 150 km/h.

Também pode acontecer deslizamento no fundo do mar. Certos estudiosos afirmam que os tsunamis que aconteceram em 1998 foram provocados por um desses movimentos de massa no fundo do mar.

Como identificar um risco de deslizamento

Se for detectado fendas e rachaduras em alguma encosta, o aparecimento de minas d’água, o declive anormal de árvores ou postes, é preciso ficar atento. Esses são indícios de que a qualquer instante podem acontecer deslizamentos de terra. Informe rapidamente a defesa civil e o corpo de bombeiros e os habitantes próximos da região acometida para que saiam de cada em ocorrência de chuva.

Não construa em áreas de risco e solicite sempre autorização da prefeitura da cidade para perfurar em encostas. Outra maneira de prevenir o deslizamento é não reflorestando ou desmatando as regiões de encosta, porém isso deve ser realizado com o auxilio de um profissional que poderá informar quais espécies de plantas podem ser usadas no lugar.

Normalmente árvores ou plantas de raízes curtas como, por exemplo, a bananeira, ou que armazenas água perto da raiz como os coqueiros, tendem a agravar a situação. Já o capim, gramíneas e certos tipos de leguminosas ou outras plantas de raízes profundas tendem a conservar a aderência do solo e protegê-lo impedindo deslizamentos.