Energia solar: energia limpa


Conhecida por ser uma das mais famosas entre as chamadas “energias alternativas”, a energia solar vem ganhando cada vez mais espaço e isso se deve a dois motivos: além de ser uma energia limpa, a energia solar, também pode ser obtida de forma indireta, ou mesmo, direta.

Vem com a gente aprender um pouco mais sobre energia solar.

Obtendo energia solar

Como já mencionado, a energia solar pode ser obtida de maneira direta, e também, indireta. Vamos a cada uma:

– Maneira Direta: essa á forma que, usualmente, conhecemos para captação da luz solar, nesse tipo de procedimento é utilizada uma placa chamada de célula fotovoltaica fabricada em silício – um tipo de elemento químico -. Ao ser absorvida a luz solar é transformada em eletricidade, em virtude, do chamado “efeito fotovoltaico” que age sobre os átomos fazendo com que aconteça a emissão de elétrons que vai resultar na eletricidade.

Energia solar

– Maneira Indireta: No processo denominado indireto é necessário que se construa usinas onde devem ser espalhados alguns coletores solares que terão como função absorver, ou, captar a luz do sol que posteriormente é transformada em eletricidade.

Em ambos os casos, o principal ponto negativo é o alto custo em investimentos que devem ser realizados para a captação da energia solar.

Energia limpa: como assim?

Já que faz parte do título deste artigo nada mais justo do que explicar o que é energia limpa, e porque, a energia solar o é considerada.

Pode-se definir a energia limpa como aquela oriunda de fontes renováveis, que não liberam poluentes na atmosfera e, por esse motivo, não interfere em diversos fenômenos climáticos como o “Aquecimento Global” e o “Efeito Estufa” (para mais informações sobre esses fenômenos leia outros artigos em nosso site).

Mas é bom ficar atento, afinal, não significa que a energia solar, e mesmo todos os outros tipos de energia “considerada” limpa sejam 100% ecológicas e sustentáveis, pois, apesar do pequeno impacto que causam ao meio ambiente, ainda sim, afetam, minimamente, a região onde tais usinas, ou, estações de beneficiamento são instaladas. Entretanto, de qualquer maneira o índice de poluição apresentado pela energia solar é quase inexistente.

Mais informações: benefícios e desvantagens

Existem diversas maneiras de se obter energia solar, a fotovoltaica – obtida por meio das células que vimos no primeiro tópico -, também, o aquecimento solar, a chamada energia heliotérmica, há ainda a fotossíntese artificial, e por fim, a arquitetura solar. Cada tecnologia é caracterizada levando-se em consideração a maneira como captura, distribui e converte a energia solar em elétrica.

De acordo com a Agência Internacional de Energia à medida que novos instrumentos e técnicas para captação de energia forem sendo desenvolvidas, mais chances para o planeta serão criadas em longo prazo.

Segundo a mesma Instituição, à medida que a energia solar ganhar mais espaço fatores como segurança energética, sustentabilidade, diminuição da poluição e equilíbrio ambiental tornar-se-ão realidades. Como é de se imaginar tais fatores irão gerar grandes benefícios para o mundo todo que já não terá de depender dos chamados “combustíveis fósseis” e seus altos custos (financeiros e poluentes).

Há dados que comprovam que dos 19% da luz solar que são absorvidos pela nossa atmosfera, apenas, uma pequeníssima parte é realmente aproveitada em tecnologias que irão gerar energia elétrica.

E já que todo moeda tem seus dois lados, com a energia solar não poderia ser diferente. De fato há algumas desvantagens nesse processo, vamos a elas: o primeiro e mais chocante de todos é que os painéis, ou, células, que capturam e convertem a energia solar em elétrica são caros e exigem muita energia para serem construídos, talvez até mais do que serão capazes de gerar em sua vida útil. A tecnologia é cara, sem mencionar o fato de que tal energia só pode ser produzida durante o dia quando há luz solar, por isso são necessários sistemas de armazenamento eficientes, o que, é claro, custa mais caro.

O cenário

Atualmente Japão, Alemanha e Estados Unidos, respectivamente, lideram o ranking de países com maior produção e utilização de energia solar. Em uma comparação bem simples, pode-se dizer que hoje a capacidade de produção mundial gira em torno de 19% do total de energia produzido pela Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Entretanto, passos começam a ser dados em direção a uma nova fase, um bom exemplo é a construção do maior centro fotovoltaico do mundo. Localizado nos Emirados Árabes já consegue produzir energia suficiente para “abastecer” pouco mais de 20 mil residências.

No Brasil a principal forma de utilização da energia solar é voltada ao aquecimento de água, seja em casas, ou mesmo, pontos comerciais. Atualmente o grande desafio é conseguir atender aos brasileiros que vivem em regiões longes demais das redes de energia convencional, por isso o Governo Federal criou em 1994 o Prodeem (Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios) que tem o objetivo de levar luz elétrica a tais regiões a partir de fontes de energia renováveis.