Migração Internacional


Migrar condiz com o ato de mudar de país, estado, região ou domicilio. Uma das mais antigas características do ser humano é o seu poder de locomoção. Quando esse deslocamento envolve dois países diferentes dar-se o nome de migração internacional ou migração externa.

A migração internacional baseia-se na mudança com destino a outro país, e vem ganhando força no cenário mundial devido às transformações econômicas, sócias, políticas, culturais e ideológicas sentidas desde o fim dos anos 80. Algumas ocorrências como as desigualdades sociais, os conflitos bélicos e a queda do bloco soviético formam o cenário desses deslocamentos populacionais.

Migração Internacional

A tensão demográfica juntamente com a miséria torna decisiva a emigração em alguns dos países subdesenvolvidos do mundo. Os emigrantes reconhecem o risco de sair do seu país de origem por não terem nada a perder.

O Brasil começou a participar do contexto de migração internacional nas ultimas décadas do século anterior, tanto com o movimento de saída de brasileiros para o exterior como a entrada de estrangeiros no país.

A migração internacional desencadeia uma série de problemas socioeconômicos devido as suas culturas e tradições, uma vez que o país acaba sofrendo com os impactos culturais e os imigrantes com a dificuldade de adaptação em um novo país.

Muitos países desenvolvidos estão tomando medidas para restringir a entrada de imigrantes que vem aumentando ao longo dos anos. Contudo, esses mesmos países estão escolhendo ações seletivas, autorizando a entrada de profissionais qualificados e pessoas com aptidões técnicas e dotadas de conhecimento.

O incentivo que representa o mundo desenvolvido é um estímulo para a iniciativa da emigração, independente das dificuldades que esse processo apresenta como, instalação e adaptação mesmo que haja alguma semelhança de cultura e língua entre os povos.

Os principais países procurados para migração são os países industrializados, como: Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália e a Europa. Os Estados Unidos é o país que mais possui imigrantes internacionais, cerca de 39 milhões de pessoas.

Os problemas causados pelas migrações internacionais

Os problemas gerados pelos fluxos migratórios são importantes e, muitas vezes, graves. As causas desses problemas estão em um debate existente nos países receptores sobre se os imigrantes vão conseguir se ingressar nas comunidades ou afastados construindo suas próprias regras.

Por um lado, os imigrantes são tratados diferentes em razão das questões religiosas, étnicas e culturais. Por outro, são eles próprios que resolvem tomar a decisão de não se misturar.

Como resultados dessas dificuldades de adaptação, os imigrantes correm certos riscos e enfrentam dificuldades que, muitas vezes, os fazem voltar par ao seu país de origem.

A diferença de idioma é o primeiro problema encontrado para começar uma relação social e para conseguir uma atividade profissional. Alguns trabalhos como a construção civil agricultura e alguns outros serviços menos apreciados, não apresentam características que chamem a atenção, devido serem temporários, pouco remunerados e excluídos socialmente pela população, o que leva o imigrante a repensar se sua permanência no país é valida.

Na maioria dos caos os imigrantes alimentam um desejo de voltar para o seu país de origem, principalmente se o sucesso financeiro foi alcançado, porém a absorção cultural acalma essa expectativa fazendo com que a maioria dos imigrantes permaneça no novo país.

Xenofobia

A xenofobia, repulsa ao imigrante, se torna cada vez mais presente nos países desenvolvidos. Isso acontece devido às diferenças sócio-culturais apresentada entre pessoas de diferentes países e, especialmente, a relação entre trabalhadores dos países ricos e os estrangeiros que chagam vindos de países mais pobres, que querem o mesmo cargo de trabalho.

Os nativos dos países desenvolvidos acreditam que os imigrantes são os culpados pelo desemprego, criminalidade e os demais problemas sociais do país. Os xenófobos são conhecidos por nomes diferentes em diversos países do mundo. Na Inglaterra eles são chamados de Skinheads, Na Alemanha Neonazistas, Bloc identitaire na França, CasaPound na Itália e English Defence League no Reino Unido.

A partir disso, os países desenvolvidos começaram a adotar medidas legais e barreiras físicas, como a fronteira entre os Estados Unidos e o México, e o muro na cidade de Celta na Espanha, com o objetivo de bloquear a entrada de imigrantes.

Estas medidas invés de ajudar estão intensificando a migração ilegal nos países. Acredita-se que cerca de quatro milhões de migrantes entram ilegalmente nos países ricos a procura de uma condição melhor e vida. Nos Estados Unidos existem, em média, 10 milhões de migrantes ilegais, número maior do que a Europa que apresenta seis milhões.

A grande dificuldade encontrada pelos países ricos e pobres, não é apenas a construção de barreiras que impedem a entrada dos imigrantes, mas sim a construção de um mundo mais igualitário no século XXI. O geógrafo Milton Santos falou sobre isso: “Apenas o acontecer próprio a um lugar não é indiferente ao acontecer próprio a um outro lugar, exatamente pelo fato de que qualquer que seja o acontecer é um produto do movimento da sociedade total”.