Monopólio: Características do monopólio


Vamos imaginar que, em uma determinada cidade de pequeno porte, no interior de algum estado do Brasil, um pequeno proprietário rural descubra que, em suas terras, existe uma profusão natural de um determinado composto orgânico que torna as terras especialmente adequadas para o plantio de cacau. Esse produtor começa a plantar cacau e, um ano depois, a primeira safra já lhe possibilita ter o suficiente para vender para um comprador de alguma capital próxima. Nesse meio tempo, sua esposa resolve produzir chocolates artesanais com o cacau que eles produziram e passa a vender tais chocolates na feira da cidade.

Monopólio

Aos poucos, outros pequenos produtores rurais também se dão conta de que produzir cacau pode ser um bom negócio, uma vez que as terras que possuem também são adequadas para esse tipo de plantio. E, na medida em que produzem cacau, também vão investindo na consequente produção de chocolates artesanais. Em menos de cinco anos, a cidade passa a ser reconhecida na região como uma autêntica produtora de cacau e ganha fama até mesmo fora do estado como a “cidade brasileira dos chocolates”.

Quem visita essa cidade encontra de tudo: chocolates com menos açúcar, chocolates produzidos com frutas secas, com castanhas, chocolate em pó, bolos, brownies e afins. E, em cada pequeno comércio, você pode desfrutar da possibilidade de comprar chocolates por preços diferentes, com qualidades e texturas diferentes e, acima de tudo, produzidos de maneiras diferentes. Essa relação entre todas as pequenas lojas que vendem chocolates na cidade é a grande responsável por fazer com que nunca os preços de uma fiquem muito diferentes das de outra, afinal, com uma variedade de possibilidades de lugares onde chocolates podem ser comprados, se uma das lojas encarece muito o seu preço, os compradores migrarão automaticamente para as outras. O que dita, portanto, e regula, a produção e o comércio desses chocolates, é a sua qualidade e o gosto dos clientes.

Tudo caminha na mais perfeita harmonia, até que aquele produtor inicial de cacau, cuja esposa produzia chocolates artesanalmente, recebe uma visita: é o executivo de uma grande fabricante de chocolates da capital, que quer negociar com ele a compra de sua produção de cacau. O pequeno produtor inicialmente hesita, mas sabe que é um bom negócio e que iria lhe render muito dinheiro, muito mais que a produção e venda de chocolates, se ele vendesse a sua matéria prima para uma empresa que tem porte e estrutura para produzir chocolates em escala bem maior. Ele pensa por alguns dias e finalmente decide fechar negócio com esse empresário.

O que ele não sabe é que, ao longo dos próximos meses, o mesmo executivo ira fazer uma visita para todos os outros produtores da cidade, realizando novamente a mesma oferta: comprar a produção de cacau de cada um deles por um preço maior do que todos recebiam com a venda de chocolates artesanais.

Em menos de um ano, a cidade inteira passa a produzir cacau para essa mesma empresa, e deixa de vender chocolates artesanais. Logo, a empresa percebe que o incentivo fiscal para a instalação de negócios naquela cidade é atraente, e resolve montar ali a sua nova fábrica. A notícia é recebida com animação pela prefeitura e por todos os moradores, que vem na possibilidade a oportunidade de geração de empregos e movimentação da economia local. Já no ano seguinte, quem realiza a anual e tradicional feira de chocolates, marca reconhecida da cidade, é a empresa responsável pela fabricação.

Os visitantes e turistas que entram na cidade, logo a sua chegada estranham a instalação de um pôster gigante anunciando o logotipo da empresa, agora conhecida como a patrocinadora oficial da festa anual dos chocolates. E, alguns dias depois, eles vão embora da cidade reclamando que não acharam a menor graça na festa anual dos chocolates porque, em todas as barracas e lojinhas, só encontravam a mesma marca de chocolates, embalada, industrializada e, ainda por cima, cobrando um preço altíssimo. Como não haviam outras opções, tiveram que ceder ao preço em comum para que pudessem sair da cidade com alguma lembrança nas mãos para o familiares.

Características essenciais do monopólio

Essa pequena fábula serviu para ilustrar de um modo bastante didático o que é e como funciona o monopólio. Esse fenômeno típico da economia de países de desenvolvimento atrasado é caracterizado pela geografia econômica como uma situação particular em que a concorrência entre as diversas instituições que comercializam um determinado tipo de produto em comum é imperfeita e desequilibrada, ofertando a uma única empresa a possibilidade deter o comércio desse produto em todos os seus aspectos. Essa característica do monopólio acaba fazendo com que essa empresa seja a responsável por ditar não só o modo de produção e comercialização desse produto como também o seu preço no mercado, uma vez que, sem a concorrência que foi previamente eliminada, não existem outras possibilidades ao mercado consumidor de encontrar o mesmo produto.