Movimento das águas oceânicas


A água dos oceanos é fundamental para o bem estar do meio ambiente. O deslocamento das águas marítimas leva nutrientes, oxigênio e calor de um ponto a outro do planeta, reformando a vida embaixo d’água.

Quais os tipos de movimentos das águas oceânicas e por que acontecem?

Assim como os seres humanos, mais da metade do planeta Terra é composto por água (3/4, para ser mais preciso), que se alterna em três estados diferentes ao redor do globo, conhecidos por nós desde os tempos de escola. São eles os estados sólido, líquido e gasoso. De toda a água, 3% está dentro dos continentes, tendo partes em rios; riachos; lagoas; fontes de água mineral, etc. Os outros 97% se encontra nos oceanos, que são divididos em 5: o Oceano Atlântico; o Oceano Pacífico; o Oceano Índico; o Oceano Glacial Ártico e o Oceano Glacial Antártico. Entre os mais importantes movimentos oceânicos podemos citar quatro: o marulho, as marés, as ondas e as correntes marítimas.

Movimento das águas

Quais as diferenças entre os diferentes movimentos das águas oceânicas?

* MARULHO: Dentre os movimentos das águas oceânicas, o marulho é o mais sutil, que só não é imperceptível por se encontrar em um estado frágil e sofrer a influência de qualquer força externa, por mais fraca que seja. O marulho se descreve por um pequeno movimento em que a água oscila suavemente, causado pela simples movimentação do ar, que provoca um suave movimento de subida e descida em qualquer corpo que boie em sua superfície.

* ONDA: Na definição da física, a onda é um movimento oscilante que se repete em um determinado espaço de tempo. A onda do mar que conhecemos popularmente é um movimento que está diretamente ligado com a força e a velocidade dos ventos. Fonte de diversão para crianças, supersticiosos que as pulam na noite de ano novo e surfistas radicais, ou de terror, assustando marinheiros que navegam em mar aberto, tsunamis que provocam tragédias e outros fenômenos desagradáveis. As maiores ondas formam-se em alto mar e o recorde de maior altura registrado de uma onda é de 35 metros. Elas dobram e quebram ao passo em que se aproximam da costa. As ondas podem ser boas ou ruins, dependendo da situação, e a causa principal de suas formações é o vento, mas também podem ocorrer por conta de terremotos, erupções de vulcões e deslizamentos de terra.

* MARÉ: Em um cenário ideal de gravidade, sem corpos que interfiram na força desse campo (como corpos celestes e satélites naturais), o fenômeno da maré seria praticamente imperceptível e igualmente inofensivo, mas com a interferência desses corpos de massa e diâmetro consideráveis, são provocadas acelerações que atuam de maneira diferente na massa terrestre. Com uma intensidade dos campos gravitacionais inversamente proporcional ao quadrado da distância, essas acelerações não são idênticas em diferentes pontos do planeta. O Sol exerce atração gravitacional sobre as águas. Onde o Sol mais está presente no momento, a maré sobe; enquanto do outro lado da Terra a maré desce. O nível da água aumenta durante 6 horas e diminui durante outras 6, atingindo um pico máximo e um pico mínimo; pois a atração não é exercida apenas pelo Sol, mas também pela Lua, que provoca uma menor interferência por estar mais distante da Terra do que o Sol. O nível máximo de uma maré é denominado “preia-mar”, enquanto o nível mínimo é chamado “baixa-mar”. O período em que não ocorrem mudanças no nível da maré é conhecido como “estofo”. Uma “maré de quadratura” é aquela que ocorre em um dia de lua minguante, ao passo que a “maré de sizígia” é aquele que acontece durante a lua nova e a lua cheia.

*CORRENTES MARÍTIMAS: As correntes marítimas são um fluxo de águas oceânicas que podem ou não ser ordenadas. Seus trajetos podem ser interrompidos devido à presença de ilhas, arquipélagos e até mesmo continentes pelo caminho, e têm a chance de influenciar fortemente na vida subaquática e na vida humana também, pois pode afetar atividades cotidianas, como a pesca e no próprio clima em si. Basicamente, as correntes marítimas são rios que circulam à parte e passam pelos oceanos. São causadas pelas diferentes pressões, temperaturas e salinidades. A rotação da Terra e o formato das bacias oceânicas são responsáveis por esse fenômeno. Podem ser frias ou quentes, sendo que as frias se originam nos polos e seguem para a linha do equador, enquanto as quentes fazem o caminho inverso, nascendo na região equatorial e se encaminhando para os polos. O Brasil, por exemplo, mais precisamente na região sul do país, recebe a corrente das Malvinas, originada na região antártica e trazendo consigo águas geladas. Entre as correntes marítimas mais famosas estão a corrente do Golfo; a corrente de Humboldt; a corrente do Labrador; a corrente de Benguela; a corrente circumpolar antártica, entre outras.

Fica claro então que os movimentos das águas oceânicas são necessários para o equilíbrio e o bem estar da vida na terra (e na água).