Projetos sociais


Considerados exercícios de cidadania, os projetos sociais levam as pessoas a viverem muito além daquilo que podemos denominar de “campo de convivência”, possibilitando que estas saiam de suas zonas de conforto deixando para trás pré-conceitos e ideologias estabelecidas, a fim de beneficiar o “outro”.

Os projetos sociais são formas de fazer crescer nos indivíduos conscientização perante o papel que cada um tem na sociedade, além disso, despertam dentro de cada um a solidariedade.

È válido dizer que os projetos sociais, por vezes, são considerados trabalhos de cunho voluntário, portanto, atitudes de um ou mais indivíduos que desejam proporcionar melhor qualidade de vida a uma dada comunidade. E, é claro tudo isso, sem visar o lucro financeiro.

Projetos

Como nasce um projeto social?

De acordo com algumas definições da Organização das Nações Unidas (ONU), grosso modo, um projeto social nasce de um planejamento que tem como objetivo solucionar determinados problemas, ou mesmo, atender a algum tipo de carência de uma região ou grupo de pessoas. Portanto, o projeto social só existe se realmente houver alguma necessidade ou demanda – concreta – que não esteja sendo atendida pelo Estado.

Talvez você já tenha visto na própria comunidade onde vive algum tipo de carência de recursos, ou mesmo, já tenha tido ótimas ideias para programas de inclusão social, contudo, ainda não sabe como começar seu próprio projeto, por isso, vamos tentar demonstrar passo a passo como fazer um.

Elaborando meu projeto social

1ª Etapa – Convocação: O primeiro passo a ser dado é “convocar” toda e qualquer pessoa que apresente interesse, ou mesmo apoie sua causa. Podem ser líderes comunitários, a imprensa local, ou mesmo, participantes de associações de moradores. Assim você já conta com um bom grupo para lhe apoiar na tomada de decisões e novas ideias.

Essa convocação pode ser realizada por meio de cartazes, carros de som, anúncios em rádios, TVs e jornais.

2ª Etapa – Diagnóstico: Com um bom grupo de apoio formado o segundo passo é diagnosticar os problemas e necessidades da região, ou, comunidade. Além de reconhecer as necessidades, cabe aqui identificar o perfil de cada uma das pessoas que poderão ser atingidas com essa ação voluntária. Essa segunda etapa é de extrema importância porque é a partir dela que você poderá identificar que ações irá realizar dentro de seu projeto, também os recursos de que precisará, o número de voluntários necessários, enfim, um plano de ação.

Para conseguir tais dados você pode realizar entrevistas, distribuir questionários, ou mesmo, conversar com os moradores da comunidade.

3ª Etapa – Colocar no papel: Na terceira fase seu objetivo será compilar todos os dados coletados na etapa anterior e então “botar tudo no papel”. Para tanto você deverá seguir alguns tópicos norteadores, sendo eles: Justificativa (por que vou fazer esse projeto?); Objetivo (qual meta meu projeto deve alcançar?); Grupo de trabalho (definição de quem vai fazer o que); Público Alvo (para quem estou fazendo isso?); Plano de Trabalho (iniciativas e fases do projeto); Cronograma (quanto tempo preciso para cada fase e ação?); e por fim, recursos (quanto vou precisar financeiramente? Quais recursos humanos serão envolvidos?).

4ª Etapa – Ações: esta é a fase de colocar tudo o que está no papel em prática.

5ª Etapa – Refletir: Uma dos momentos mais importantes de um projeto social é a reflexão a cerca do que já foi feito e do que ainda é necessário fazer. Sempre que for preciso todo o grupo de voluntários deve se reunir para discutir novas ideias e trocar impressões sobre o trabalho já realizado.

6ª Etapa – Registro e reconhecimento: É essencial que as ações feitas durante o projeto sejam registradas por meio de fotos, vídeos e pautas das reuniões. Tudo isso é posteriormente utilizado para reconhecer o trabalho de cada um e o sucesso da equipe.

Exemplo de projeto social

Um dos projetos sociais mais bem estruturados no Brasil é o “Um teto para o meu país”. O projeto faz parte de uma organização latino-americana e nasceu no Chile no ano de 1997, atualmente 19 países já receberam o projeto.

“Um teto para meu país” tem como objetivo a construção de moradias para famílias que não tem condição de fazer isso por conta própria, geralmente, são atendidas pessoas que vivem em situação de risco. A maior parte do voluntariado do projeto é formada por universitários.

Concluindo

É claro que um projeto social não tem força, para sozinho, resolver todos os problemas ou carências de certa região ou comunidade, contudo, muitas vezes um trabalho como esse consegue chegar onde o Estado não chega.

Atualmente diversas empresas têm buscado um “viés social” em muitas ações, sempre com o objetivo de devolver a determinado local ou grupo de pessoas, recursos que ela mesma possa ter tirado, sejam eles naturais ou financeiros.

Muitas vezes o projeto social é o impulso necessário para se iniciar uma grande mudança, portanto, eles podem sim, transformar a realidade de muitas pessoas.