Região Sul: Estados e primeiros habitantes


A região sul do Brasil é composta por três Estados e suas respectivas, conforme a lista abaixo:

– Estado do Paraná, capital Curitiba.

– Estado de Santa Catarina, capital Florianópolis.

-Estado do Rio Grande do Sul, capital Porto Alegre.

Região Sul

A distribuição populacional desta região reflete o seu processo de ocupação ao longo da história. A distribuição das atividades econômicas na região também exerce influência na demografia da região.

Primeiros habitantes da região sul

Os primeiros habitantes da região foram os índios das tribos Guaranis. Entretanto, a primeira experiência de ocupação por não nativos foi feita pelos padres jesuítas. As missões jesuíticas foram expedições lideradas pela igreja católica, com o objetivo de catequizar os índios da região.

Estas expedições estabeleceram as Missões Jesuíticas na região central do atual Estado do Rio Grande do Sul. Nestes locais, os índios eram catequizados segundo a fé jesuítica. O lugar também servia como local para diversas atividades, como a agricultura, a criação de animais e o desenvolvimento de artefatos religiosos.
As expedições jesuíticas foram arrasadas por constantes invasões de bandeirantes, que roubavam o gado e escravizavam os índios. Desta maneira, se encerrou o primeiro ciclo de ocupação estrangeira na região sul.

A disponibilidade de gado e terras tornou a região visada por espanhóis e portugueses, que passaram a disputar o domínio da região, com o estabelecimento de fazendas em grandes faixas de terras. Estas fazendas se utilizavam do sistema escravagista para manter o seu funcionamento. Por este motivo, foram levados para a região muitos negros de origem africana, como escravos.

A ocupação do litoral

O litoral da região sul foi ocupado primeiramente por imigrantes açorianos. Estes imigrantes eram enviados pela coroa portuguesa, com fins de povoamento da região e afirmação do domínio da coroa portuguesa nas terras brasileiras.

As principais regiões ocupadas por estes imigrantes foram o litoral sul de Santa Catarina, como a cidade de Laguna, a ilha de Santa Catarina, atual Florianópolis, Pelotas e Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Mais tarde, estes imigrantes foram levados para a cidade de Porto Alegre.

O litoral sulista, em especial as ilhas, também eram utilizadas pela Coroa Portuguesa como detenção para presos políticos, criminosos e outros degredados.

Os imigrantes europeus

Com a abolição da escravatura, o governo brasileiro viu a necessidade de importar mão de obra para o trabalho nas lavouras de café. Deu-se início ao processo de recebimento de imigrantes europeus e, mais tarde, asiáticos.

Na região sul, este processo foi bastante significativo. O governo brasileiro utilizou o processo de imigração para povoar a região e garantir o domínio brasileiro. Os imigrantes recebiam um lote de terra, com o compromisso de que ali iriam desenvolver atividades econômicas.

Os primeiros imigrantes eram originários das regiões onde hoje se encontram a Alemanha e a Itália. Muitos fugiam da fome e da guerra em seus países. A partir do final do século XIX e o início do século XX, o região sul passou a receber imigrantes oriundos da Polônia, Ucrânia, Lituânia e Rússia.

O processo de recebimento de imigrantes tornou a região sul do Brasil uma região de maioria étnica branca. Outro reflexo foi o estabelecimento de pequenas propriedades rurais, gerenciadas pelas próprias famílias, com uma economia agrária baseada na policultura.

Demografia da região sul

A distribuição populacional da região sul está diretamente ligada aos processos imigratórios que a região conheceu. O litoral é a região que apresenta maior densidade populacional, em parte por ser a região que conheceu um processo de ocupação contínuo, sem longos intervalos como a região dos campos gerais, no interior do Estado do Rio Grande do Sul.

Outras regiões também apresentam altas taxas, como as capitais Porto Alegre e Curitiba, além de todo o vale do Itajaí, em Santa Catarina.

Esta concentração ocorre também pelo tipo de atividade econômica destas regiões, focadas nas grandes indústrias e na prestação de serviços.

As regiões de menor densidade populacional são aquelas cujas atividades econômicas são direcionadas para a agricultura e a pecuária, principalmente a pecuária extensiva. Dentre estas, o pampa gaúcho é o que apresenta a menor densidade populacional, pois é uma região que pratica a pecuária extensiva.

Além destas regiões, há alguns focos de maior densidade populacional distribuídos no interior dos Estados. Eles ocorrem por conta das universidades públicas presentes na região. Outro fator é que algumas cidades se desenvolveram a partir de atividades agrícolas, como Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul e Londrina e Maringá, no Paraná.

Mesmo que existam diferenças de densidade populacional em toda a região, não há, como em outras regiões do Brasil, grandes vazios populacionais. A ocupação na região acabou por acontecer de uma maneira regular. Nos últimos anos, o crescimento das regiões metropolitanas está tornando a área em torno das cidades cada vez com maior densidade populacional, enquanto o campo, aos poucos, está diminuindo sua população.