Resumo da Nova Ordem Mundial: O meio técnico-científico-informacional


A atividade humana no planeta vem criando algumas modificações no meio natural e criando ainda o que chamamos comumente de espaço geográfico. A construção de um meio artificial em substituição ao natural é essencial ao desenvolvimento das sociedades humanas no planeta. Este meio artificial vem sendo construído a partir da implantação de objetos técnicos sobre o meio natural. Os objetos técnicos são aqueles criados pelo homem para facilitar seu intercâmbio com a natureza. As rodovias, ferrovias ou cidades inteiras são objetos técnicos que, ao serem interligados, formam o meio artificial no qual vivemos. Este meio recebe o nome de meio técnico.

Durante o século XX, o meio técnico vem sendo transformado. Aos objetos técnicos tradicionais foram se agregando outros mais novos e de qualidade diferenciada. A importância da ciência aplicada na criação de novos objetos intensificou-se altamente. A produção de estações receptoras ou transmissoras de ondas eletromagnéticas, funcionando como estações de rádio, sistema de radares ou mesmo de monitoramento do planeta via satélite, acabou produzindo um tipo de meio técnico, a qual denominados meio técnico-científico-informacional.

O meio técnico-científico-informacional

A construção do sistema de telecomunicações por satélite, os cabos de fibra ótica e as centrais de processamento criaram grande eficácia no transporte de informações, o que é cada vez mais rápido e de melhor qualidade. Mas, para que possa ser transmitida, a informação tem que primeiramente ser criada e para isso se multiplicam os centros de produção de informação. As pesquisas feitas em centros públicos ou privados fornecem informações diversas, desde a qualidade do solo até o tipo de mercadoria que mais faz sucesso numa cidade, passando pela previsão do tempo ou dos fluxos de turistas. Este sistema de produção e de transmissão de informações é fundamental para a existência dos fluxos de capitais entre os países do mundo e dentro de cada um deles.

Outra novidade que o meio técnico-científico-informacional traz é a da possibilidade de se penetrar mais a fundo na vida cotidiana das pessoas. Através da internet as pessoas podem ir às compras, pagar contas, ver o saldo de sua conta bancária, tudo sem sair de casa, o que faz surgir uma nova forma de interação com o mundo. Fora de casa o mundo também se transforma e as possibilidades de controle da ordem nos espaços públicos e privados aumentam com o uso de aparelhos como os que detectam as infrações de trânsito.

A tecnologia e a informação

Desde a década de 70, o crescimento das empresas e das economias nacionais vem se baseando no desenvolvimento tecnológico de seus produtos e de seu sistema produtivo. A necessidade de competição entre as empresas no mercado mundial vem aumentando por causa da abertura dos mercados e do barateamento dos meios de transporte. Para não perder a sua posição nas vendas, cada empresa tem que se modernizar, criando produtos melhores e mais baratos.

O barateamento dos produtos industriais está baseado no aumento da produtividade, ou seja, produzir mais em menos tempo e com menos mão de obra. Dessa maneira, essa corrida tecnológica à diminuição do número de funcionários das empresas, criando um desemprego estrutural e a queda nas taxas de lucros das empresas.

O desemprego estrutural é recorrente em quase todos os países do mundo. As empresas automobilísticas, por exemplo, passaram a investir na automação, ou seja, passaram a utilizar robôs, em suas linhas de montagem, dispensando assim milhares de trabalhadores. Os operários que permanecem nas empresas são obrigados a se adaptar às novas condições de trabalho, aprendendo a manipular as novas máquinas e fazendo um trabalho mais especializado sem necessariamente ter aumentos salariais.

Mas a substituição de funcionários por robôs acaba criando dois problemas. O primeiro deles é a baixa do consumo e a o segundo é a queda das taxas de lucro. Se o desemprego cresce, diminui a quantidade de consumidores para os produtos industrializados, o que impossibilita a realização dos lucros empresariais. Outro problema também é que as máquinas não dão lucros, ou seja, elas são apenas uma condição necessárias para a competição no mercado. Mas, os lucros das empresas vêm do salário do trabalhador e não do investimento nos meios de produção. Por isso, a crise pela qual a economia mundial vem passando nas últimas décadas está diretamente relacionada com a corrida tecnológica, mas se ela terá algum dia fim, nunca saberemos.

No contexto da globalização da economia, vem ganhando destaque um grupo de novos setores da economia que formaria o que se vem chamando de nova economia. Estas atividades estão ligadas ao setor de alta tecnologia ou de serviços de ponta. A informática, a biotecnologia, os bancos e os serviços de seguros tomaram o lugar das indústrias automobilísticas, químicas e siderúrgicas como centro da economia. As mudanças que levaram esses setores a se tornarem tão importantes foram os setores de serviços em geral.