Resumo da Poluição Atmosférica


A poluição atmosférica pode ser definida como o resultado de ações humanas, diretas ou indiretas, que introduzem substâncias ou energias no ar. A poluição atmosférica pode provocar danos a todos os seres vivos, inclusive os homens, aos ecossistemas e a natureza em geral. Seus efeitos prejudiciais podem alterar os valores estéticos do meio ambiente e até modificar o uso de um lugar.

A composição química das substâncias poluentes irá determinar o grau de poluição que afetará o ar. A concentração da massa de ar e as condições climáticas influenciam a dissipação destes componentes contaminantes. Além disso, existem mecanismos que provocam reações com estas substâncias e dão origem a novos agentes de poluição.

Poluição Atmosférica

Entre os efeitos visíveis da poluição estão a redução da visibilidade, diminuição da intensidade da luz e a presença de cheiros desagradáveis. A poluição causa alterações atmosféricas que podem provocar impactos ambientais e na saúde humana. As partículas sólidas, gases, líquidos suspensos, energia ou conteúdo biológico que contaminam o ar são responsáveis por estes impactos. O aquecimento global, por exemplo, é resultado da poluição atmosférica e tem como consequência a degradação da natureza e a potencialização das chuvas ácidas.

A preocupação com as consequências da poluição atmosféricas teve como resultado a criação de leis e protocolos internacionais, como o protocolo de Montreal e o protocolo de Quioto, nos quais os países se comprometem a reduzir a emissão de poluentes e a tomar atitudes que contribuem para a saúde do planeta.

Resumo da poluição atmosférica: fatores climáticos

Os fatores climáticos interferem na ação da poluição, já que podem alterar a concentração dos elementos poluentes na atmosfera por meio dos sistemas de alta e baixa pressão, velocidade do vento e temperatura. As condições climáticas ainda interagem com a topografia da região, como vales e montanhas.

Quando ocorre uma inversão térmica, fenômeno no qual a camada de ar frio fica sob uma camada de ar quente, a disseminação dos contaminantes é lenta e eles acabam se acumulando perto do chão. A dispersão dos agentes poluentes pode ser analisada através de modelos computadorizados de dispersão atmosférica, capazes de simular as condutas físicas e químicas destas substâncias. A simulação permite que estes comportamentos sejam previstos antes do acontecimento propriamente dito.

Resumo da poluição atmosférica: Classificação dos poluentes

Os agentes poluentes do ar são provenientes de diferentes fontes, como atividades humanas e fatores naturais. Pode-se destacar entre as fontes antropogênicas as indústrias, automóveis, produção de energia, emissão de poeiras e dissipação de químicos voláteis. Entre as fontes naturais estão os vulcões, gases emitidos pelos animais, incêndios florestais e compostos liberados por rochas.

Estas substâncias que poluem o ar são classificadas em primárias e secundárias. As primárias são emitidas diretamente no ambiente e as secundárias são resultado da reação dos agentes primários com a atmosfera.

Resumo da poluição atmosférica: Poluentes primários

– Óxidos de enxofre: São provenientes de erupções vulcânicas, motores de veículos e processos industriais. O enxofre é uma substância encontrada em grande quantidade no carvão e no petróleo, utilizados na produção de energia, combustíveis e na indústria. Os óxidos de enxofre se dissolvem no vapor de água e se transformam em um ácido que reage com outros gases ou partículas, dando origem a sulfatos e outras substâncias poluentes secundárias. A chuva ácida tem como este poluente como base. Causa irritação nos olhos, prejudica o sistema respiratório e agrava doenças cardiovasculares.

– Óxidos de Azoto: Proveniente da combustão em alta temperatura de indústrias e automóveis. Também contribuem para a formação da chuva ácida, além de danificar polímeros naturais e sintéticos, provocar a redução no crescimento das plantas e provocar ou intensificar problemas respiratórios.

Monóxido de carbono: Tem origem nos processos incompletos de combustão fóssil, como carvão, madeira e gás natural. Os veículo motorizados são os principais responsáveis por este tipo de contaminação nas zonas urbanas. Incêndios florestais, fábricas, fogões a gás e fumo de cigarro também são fontes de monóxido de carbono. O agente é responsável por dificuldades respiratórias e pode causar a morte por asfixia, prejudica a visão e a coordenação motora.

Compostos orgânicos voláteis: São produtos químicos orgânicos que podem sofrer reações fotoquímicas. Provocam dores de cabeça, irritação nos olhos, nariz e garganta e prejudica o sistema respiratório. Estes poluentes também podem causar danos em materiais e destruir vegetações mais sensíveis.

– Partículas: As partículas são formadas por substâncias orgânicas e inorgânicas e podem ser provenientes de fontes naturais, como vulcões, incêndios florestais e ação do vento sobre o solo, ou de fontes antropogênicas, como automóveis, fábricas e queima de combustíveis fósseis. Provoca graves danos ao sistema respiratório, inclusive com sequelas permanentes.

Resumo da poluição atmosférica: Poluentes secundários

– Partículas finas: São resultado de reações químicas entre componentes da atmosfera (que formam aerossóis) ou do choque entre os próprios compostos presentes na atmosfera. As partículas finas são formadas a partir dos gases poluentes primários.

– Ozono: É proveniente de reações fotoquímicas que incluem os compostos orgânicos voláteis, oxigênio, radiação solar e óxidos de azoto. Causa diversos problemas de saúde, como dores no tórax, tosse e irritação na garganta.