Resumo do Efeito Estufa: A atmosfera terrestre


Quando procuramos diferenciar os climas do mundo, analisando as suas características, como por exemplo a temperatura ou a pluviosidade, o que estamos fazendo é um estudo dos fenômenos que ocorrem na atmosfera terrestre. Todos os fenômenos climáticos estão diretamente ligados a esta camada de gases que envolve o planeta. Sendo assim, o primeiro passo para entendermos as variações espaciais dos climas é fazer uma análise breve da atmosfera e de seu funcionamento.

A atmosfera terrestre é formada por moléculas de diversos gases. Estas moléculas ficam presas ao planeta graças à força da gravidade. Alguns gases que compõem a atmosfera terrestre merecem destaque, não necessariamente pela sua quantidade mas por sua importância para alguns fenômenos climáticos.

A atmosfera terrestre

O primeiro desses gases é o dióxido de carbono (CO2). Até por volta do século XVIII, este gás era produzido, quase integralmente, pelos seres vivos, através da respiração. Em contrapartida, a fotossíntese realizada pelas plantas cumpria o papel de reabsorver cerca de 3% deste gás da atmosfera anualmente, o que mantinha um certo equilíbrio. Porém, com o aumento da queima de combustíveis fósseis, ou seja, petróleo, gás natural e carvão, a liberação acabou se intensificando. Ao mesmo tempo, a diminuição das áreas florestadas vem colaborando para a diminuição da absorção. Estes dois fatores casados estão causando um aumento da quantidade de dióxido de carbono, o que pode favorecer a intensificação do efeito estufa.

Outro gás importante é o ozônio. Cada molécula desse gás é constituída por três átomos de oxigênio, resultando no O3. Esta combinação incomum de átomos que formam o ozônio se dá pela interferência dos raios ultravioletas, que entre 30 e 60 km de altitude, conseguem dividir as moléculas de oxigênio. Depois de formado nesta altitude, o ozônio migra para a camada entre 15 e 35 km de altitude, onde tem papel importante de absorção dos raios ultravioletas, antes que estes atinjam a superfície terrestre.

O vapor de água é também muito importante na atmosfera terrestre. Sua presença é bastante variada, indo do zero, em regiões desérticas até 4% em áreas de clima muito úmido, como o Equatorial. O vapor de água está diretamente ligado à absorção de energia solar pela atmosfera, assim como pela sua conservação, e também à ocorrência de chuvas.

De acordo com a divisão dos gases, com a temperaturas e algumas outras características, podemos dividir a atmosfera terrestre em quatro camadas:

Troposfera: é a região que se localiza mais próxima à superfície, atingindo até 18 km. Nela se concentram 75% da massa gasosa da atmosfera, devido à força da gravidade. Os fenômenos climáticos se localizam, principalmente nesta camada.

Estratosfera: é a segunda camada em direção ao exterior da atmosfera. Tem pouca concentração de gases. O destaque é o ozônio que se concentra nesta camada.

Mesosfera e ionosfera: encontram-se a mais de 80 km de altitude em relação ao solo. Têm poucos gases e pouca relação com os fenômenos climáticos.

Elementos do clima

Os elementos do clima são as características principais dos tipos de tempo que temos que considerar para poder diferenciar um clima de outros. O primeiro elemento importante é a temperatura, que pode ser definida, de maneira simplificada, como o grau de calor medido por um termômetro. Ela é um importante fator climático porque permite diferenciar climas mais quentes e de climas mais frios.

O grau de calor medido pelos termômetros se origina do seguinte processo: os raios solares penetram na atmosfera terrestre com certa facilidade, a não ser em algumas frequências como no caso do ultravioleta, então são refletidos pela superfície terrestre. Estes raios refletidos possuem uma grande proporção de luz infravermelha, que é facilmente absorvida por alguns gases, principalmente o CO2 e o vapor de água, a esta possibilidade de absorção, ao que damos o nome de efeito estufa.

Tal processo, não é prejudicial à vida na Terra, mas sim essencial, já que possibilita o armazenamento da energia recebida durante o dia. O problema que conhecemos atualmente é a intensificação deste efeito.

Cada lugar, de acordo com algumas características, pode apresentar temperaturas médias anuais mais elevadas ou mais baixas. Também é fundamental que consideremos, além da média de temperatura, a amplitude térmica. Esta é a variação de temperatura entre os extremos medidos em um termômetro para cada lugar. Pode-se falar de amplitude térmica anual, para a variação entre a temperatura mais alta do ano e a mais baixa. Mas também, é possível identificar a amplitude térmica diária, como a variação entre os extremos de temperatura de um dia.

A amplitude térmica é importante para entendermos as características de um determinado clima porque ela permite a verificação da variação dos tipos de tempo ao longo do ano ou ao longo do dia.

O segundo elemento fundamental é a precipitação. Esta se caracteriza como a deposição de água em forma líquida ou sólida, vinda da atmosfera. Isto é, são as chuvas e a neve. Usa-se o termo pluviosidade que é a quantidade de chuva que cai em um determinado lugar durante o ano.