Resumo sobre Megalópoles


Para compreender o conceito de megalópole, antes é necessário conhecer os significados de metrópole.

Uma metrópole consiste na principal cidade de uma determinada província, podendo ser a capital de um país ou então algum município que exerça grande influência social, política, cultural ou econômica naquele espaço. Uma metrópole também pode ser, oficialmente, a principal cidade de um ambiente com várias cidades geograficamente unidas.

Nesse processo em que as cidades se juntam, dado o crescimento horizontal de cada uma delas, ganha-se um nome para resignar tal efeito: a conurbação. O espaço em que o fenômeno acontece fica conhecido como região metropolitana.

Megalópoles

Conceito de megalópole

A megalópole, por sua vez, consiste nesse processo de conurbação, ou seja, a junção de cidades já influentes (metrópoles) com suas regiões metropolitanas.

Dessa forma, toda vez que há um grande conjunto de regiões metropolitanas, em que o crescimento nelas faz com que elas se juntem umas às outras, esse processo é designado como megalópole. Ela é sempre formada por um conjunto de cidades bem populosas e com grande concentração populacional.

É dessa forma que um espaço urbano aglomerado surge: pela junção de, pelo menos, duas metrópoles. Um simples exemplo é considerando a faixa de terra que se estende por toda a costa dos Estados Unidos, que vai de Boston até Washington. A região compreende as áreas da Filadélfia, Nova York e Baltimore, fazendo com que essa seja a maior megalópole de todo o mundo.

Tais modelos de aglomerações urbanas são extremamente comuns desde a Revolução Industrial. Mas, antes disso, alguns núcleos já eram compostos por milhares de indivíduos em vários espaços do mundo, como é o caso de um exemplo na América Central, na metrópole Tikal, dos maias.

Além disso, alguns estados são voltados para a megalópole de Angkor, em Camboja, que foi descoberta recentemente. A estimativa é que a região tivesse mais de mil quilômetros quadrados e, então, essa viria a ser o maior aglomerado urbano populacional antes do período da Revolução Industrial.

Características das megalópoles

As megalópoles também contam com algumas características que as tornam únicas, sendo algumas delas:

• Integração socioeconômica bem significativa entre as cidades, já que uma depende da outra para a realização de uma série de atividades;

• Grande concentração populacional, com muitos habitantes por m²;

• Um grande fluxo dos habitantes, principalmente nas ruas da megalópole – tanto no que se refere aos cidadãos que moram nessa região, como também aqueles que simplesmente a habitam no dia a dia;

• Alta circulação de produtos, serviços e mercadorias entre cada uma das cidades que a compõem;

• Geralmente, as megalópoles também contam com um sistema de integração de ônibus, metrô ou outro tipo de transporte público que leve de uma região para outra da cidade;

• Grande oferta de serviços e produtos;

• Desenvolvimento de grandes polos, sejam eles comerciais, industriais ou até mesmo residenciais. Eles são responsáveis por atrair tanto os investidores privados como também a própria população, que depende disso para o consumo.

É certo de que a formação das megalópoles é resultado de uma série de transformações que vem tomando conta do nosso espaço social. Elas são provocadas, principalmente, por conta dos avanços tecnológicos, técnicos e científicos em âmbito mundial.

Além disso, tal formação também cria as bases estruturais para o processo de globalização, já que é exatamente nesses ambientes que estão concentradas as mais importantes atividades socioeconômicas, além das sedes das principais corporações e multinacionais de todo o planeta.

Principais megalópoles do mundo

A região de São Paulo é caracterizada como a terceira maior megalópole de todo o mundo, com cerca de 105 milhões de habitantes em 1530 quilômetros quadrados. Além disso, é também considerada como o espaço com maior realização de eventos de toda América Latina, com um evento iniciado a cada 6 segundos e a dona do maior terminal rodoviário dessa mesma região.

Já a segunda maior megalópole é em Tóquio, no Japão. Com pouco mais de 12 milhões de habitantes, a aglomeração urbana reúne 10% de toda a população japonesa.

E no primeiro lugar está a megalópole formada na região de Nova York, em território norte-americano. Com quase 19 milhões de indivíduos, a região é tão grande que ganhou até mesmo um nome específico: Big Apple.

Além disso, outras megalópoles presentes no globo são:

• Nova Delhi, na Índia;

• Xangai, na China;

• Paris, na França;

• Londres, na Inglaterra;

Cidade do México, no México;

• Daca, em Bangladesh;

• Karachi, no Paquistão.

Uma curiosidade interessante é que, no século XXI, o nosso globo era formado por pelo menos 16 cidades que se juntaram com outras, formando megalópoles com números pelo menos iguais ou acima de 10 milhões de indivíduos.

Porém, espera-se que em menos de 10 anos, ou seja, em 2025, pelo menos 25 cidades estejam nestas mesmas condições. O motivo para isso será a formação cada vez mais constante de parcerias, além da expansão das cidades para as ‘laterais’.