Resumo sobre o Peru


A República do Peru é conhecida por ser uma rica culturalmente, além disso, uma das mais antigas civilizações do mundo faz parte da sua história: os Incas. A civilização pré-colombiana chamada Inca viveu há quase 15.000 anos e possuía uma grande riqueza, principalmente em prata e ouro. Porém, o império Inca foi devastado por volta do século XVI, com a chegada dos espanhóis que já haviam dominado a América Central.

O conquistador espanhol Francisco Pizarro, junto com mais de 180 homens, iniciou uma guerra civil, transformando o império Inca em uma posse espanhola. Em 1534 era fundada, nas margens do rio Rimac, a Cidade dos Reis, atualmente conhecida como Lima. O Peru só conseguiria sua independência 300 anos depois, em 1821 com as batalhas de Junin e Ayacucho, todas lideradas por Simón Bolivar.

Peru

Entre os anos de 1879 e 1883 o país esteve em guerra com o Chile, na intenção de conquistar a província de Tarapacá. O que acabou não acontecendo, já que o país perdeu e ficou sem uma parte de seu território. Quase um século depois, um partido de tendência marxista se formava com a junção de intelectuais peruanos, chamada Aliança Popular Revolucionária Americana (APRA).

Durante parte da década de 1930, o partido sofreu bastante repressão, chegando a ter sua candidatura invalidada após ter vencido as eleições. Durante os outros anos, os governos do Peru variaram entre governos democráticos e militares.

Após uma grande crise social e econômica nos anos 80, causada pelo aumento da inflação e da dívida externa, entre outros problemas, surgem no país dois grupos de guerrilha conhecidos como Sendero Luminoso e o Movimento Revolucionário Tupac Amaru (MRTA), que tinham a intenção de tomar o poder e criar um governo.

Em 1990, com a inflação alta, o Peru elege Alberto Fujimori que, assim que toma posse, fecha o congresso e convoca uma assembleia constituinte para criar uma nova constituição. Após dez anos e uma melhora econômica e social o presidente Alberto Fujimori sai do poder sem conseguir livrar o Peru da recessão.

Após seis anos, Alan Garcia Pérez se torna o presidente do país, com esse governo o número de exportação aumenta significativamente e a inflação diminui o que acaba por aumentar consideravelmente o PIB.

Cultura da Arte e do Artesanato peruano

Com a característica de possuir um estilo de artesanato muito diversificado, com um grande uso de colorido e com peças criativas e que contém várias funcionalidades, o artesanato é uma atividade com bases culturais que fazem parte da identidade do povo peruano e também ajudam como complemento e, às vezes, até como a própria renda de muitas famílias ou povoações. O artesanato peruano faz muito sucesso no mercado europeu, asiático e americano.

Os desenhos criados no artesanato peruano são bastante harmônicos e usam de muitos elementos geométricos, sempre procurando mostrar a rotina da vida campestre com presépios bem coloridos. Podemos ver todos esses elementos em peças como a escultura das pedras de Huamanga, ou nas talhas feitas de madeira que possuem uma característica bem barroca. A arte é uma das formas que o povo peruano encontrou para se comunicar e para mostrar suas crenças no futuro.

Cultura das Festas, música e

O país tem o total de 3000 festas por ano, todas populares e organizadas, em sua maioria, para homenagear algum santo padroeiro. Apesar de o país ter uma grande influência do calendário cristão desde a época colonial, boa parte de suas crenças cristãs estão fundidas com suas crenças pagãs. Com isso, suas festas religiosas são uma soma de crenças pagãs com mitos ancestrais do povo nativo e festas tipicamente cristãs. Além disso, no ramo musical o país tem uma cultura muito rica, especialmente nas músicas folclóricas e suas danças. Vamos conhecer algumas típicas danças peruanas:

• O Festejo: considerada uma das danças que mais representa o povo peruano, sua origem é africana, ganhando suas características no começo do século 20. Nesta dança, são formados pares, onde os dançarinos não se encostam e dançam acompanhados do som de guitarras e percussão.

• A Dança da Tesoura: é uma dança costumeira das zonas das serras, especificamente em Ayacucho, Apurimac e Huancavelica. Nesta dança, os dançarinos utilizam vários movimentos munidos de uma tesoura disputando uma espécie de duelo, onde o que for derrotado é considerado humilhado. A música que acompanha essa dança é feita por um violinista e um harpista.

• A Diablada: conhecida também como Sicuris, essa dança é executada com o som do Huayno e a flauta de pã, tambor, bombo, e outros instrumentos de percussão. Os dançarinos interpretam diabos, esqueletos, morcegos e velhos endiabrados.

• Huaylarsh: sua principal característica é o fato de ser uma das danças mais alegres da Serra Central. Seus movimentos são bastante animados com a junção de sapateados e acrobacias. Nesta dança, são formados grupos de pares, que vão se revezando para executar os movimentos. Essa dança representa as colheitas e a agricultura, comemorando a riqueza de uma boa colheita.