Resumo sobre Oriente Médio


O Oriente Médio é uma das regiões mais importantes do planeta em vários sentidos. Por estar localizado na junção entre três continentes, a Península Arábia (onde fica a maior parte do Oriente Médio) é uma rota comercial importante, um centro religioso referencial e um ponto militar estratégico.

Mais de 270 milhões de pessoas vivem no Oriente Médio, uma região que abrange mais de sete milhões de quilômetros quadrados, mais de 15 países e territórios e nove idiomas. Uma grande miscigenação de povos, culturas, religiões: este é o resumo do que é o Oriente Médio desde sempre.

Oriente Médio

Oriente Médio: o berço de várias religiões mundiais

O primeiro ponto a ser analisado na região do Oriente Médio é a religião. A Península Arábia e o restante do Oriente Médio foram palco de vários episódios marcantes para diversas religiões modernas. O cristianismo nasceu ali, o judaísmo, o islamismo e mais algumas religiões e doutrinas tomaram forma a partir dos acontecimentos que iniciaram no mundo árabe e conquistaram o resto do mundo.

Esta diversidade de religiões e doutrinas faz com que a região esteja constantemente envolvida em conflitos. Isso acontece desde os tempos antigos e perdura até hoje. A guerra atual na Síria é um reflexo de disputas étnicas, territoriais e religiosas. No meio destes conflitos está o povo, que não quer a guerra, mas que é obrigado a vivenciá-la.

A economia do Oriente Médio e o petróleo

A geografia do Oriente Médio foi favorável a esta região do globo terrestre. Além de servir de ligação entre a Europa, a África e a Ásia, esta parte do planeta possui grandes reservas do ouro negro, ou seja, o petróleo. Países que possuem as maiores reservas do planeta, como os Emirados Árabes Unidos, o Qatar, o Kuwait, entre outros, se desenvolveram rapidamente por conta da alta lucratividade que o petróleo traz.

As jazidas são disputadas e desejadas por outros países também, o que acarreta mais disputas e mais conflitos. No entanto, nem só de petróleo vive o Oriente Médio. A região possui grandes jazidas de outros minerais e metais importantes, como o ferro.
No quesito rota comercial, o Oriente Médio leva vantagem sobre qualquer outra região no mundo. É ali que está localizado o Canal de Suez, talvez o mais importante do mundo. Navios cargueiros que vão do extremo oriente asiático para a Europa ou para a América do Norte economizam um bom tempo – e aqui leia-se dinheiro – atravessando o canal de Suez, localizado no Egito. Caso não houvesse este canal, tais navios teriam de contornar todo o continente africano, o que atrasaria a vida de muita gente.

Um setor que vem se desenvolvendo no mundo árabe, principalmente nos últimos anos é o turismo. Com os lucros da exportação do petróleo, vários países ergueram metrópoles inteiras totalmente voltadas para a atividade turísticas. É o caso dos Emirados Árabes Unidos, do Qatar, do Kuwait, do Bahrein e da Arábia Saudita. Fora deste eixo petroleiro, há a Turquia, que recebe turistas por conta de suas belezas histórias e naturais e Israel, que é um centro religioso mundial e recebe pessoas do mundo inteiro por conta disso.

Turquia, Egito e Paquistão

Estes três países são especiais para o Oriente Médio porque, na verdade, não estão totalmente inseridos na região. É fato que há várias denominações oficiais para a região do Oriente Médio. Uns afirmam que esta região do globo abrange todo o norte do continente africano além de países que formaram a URSS. No entanto, a formação oficial do Oriente Médio abrange – da África – apenas o Egito e da Ásia Oriental, apenas o Paquistão. A Turquia é um caso a parte, pois possui uma região localizada na Europa – a Trácia – o que torna o país privilegiado em relação aos demais formadores do Oriente Médio.

Estes três países são incluídos no Oriente Médio porque suas características culturais, suas religiões e as determinações geográficas os aproximam muito mais dos demais países árabes do que das outras regiões nas quais estão localizados. O próprio Paquistão, por exemplo, possui mais elos com o mundo árabe do que com o hinduísmo praticado na Índia.

Perspectivas de futuro

Não é difícil falar sobre um provável futuro para a região do Oriente Médio. Os conflitos tendem a perdurar por muitos anos, já que as diferenças étnicas ainda são muito fortes na região. No que diz respeito à economia do lugar, é preciso que os governos destes países tenham cautela e precaução em relação ao dinheiro que gastam. Hoje, o petróleo está abundante (a região concentra mais de 60% das reservas mundiais de petróleo). Mas, no futuro, o petróleo tende a acabar. Por isso, enquanto a situação é boa, os governos precisam desenvolver novas fontes de renda para evitar o colapso de suas economias no futuro. Até lá, cidades inteiras continuarão sendo erguidas para o bem do turismo.