Rio Nilo


O Rio Nilo é um dos maiores rios do mundo em extensão. Um dos maiores porque não se sabe ao certo seu comprimento. Alguns especialistas afirmam que ele possui aproximadamente 7088 quilômetros de extensão, sendo assim, o maior do mundo. Outros afirmam que ele possui aproximadamente 6.853 quilômetros. Desta forma ele seria alguns quilômetros menor do que o rio Amazonas, que possui 6.932 quilômetros. Mas, nem mesmo esta extensão do rio Amazonas não é precisa. Portanto, a discussão a respeito da extensão dos dois rios é muito aberta e sujeita a novos estudos geográficos.

A nascente do rio Nilo é o rio Kagera, que desemboca no Lago Vitória, o maior lago de água doce da África. Achava-se que o Nilo nascia no lago Vitória, mas após estudos feitos na região, concluiu-se que as águas do Kagera seriam um suprimento para o Nilo. O que importa é que a bacia hidrográfica deste importante rio abrange quase 3.400.000 quilômetros quadrados e dez países africanos, sendo os principais o Egito, o Sudão e a Uganda.

Nilo

A importância histórica do rio Nilo

É fator comum para a grande maioria das principais cidades do mundo que haja um rio próximo. É assim com São Paulo (Tietê), Paris (Sena), Londres (Tamisa), Nova Iorque (Hudson) e Cairo (Nilo). O rio Nilo foi importante não só para a capital do Egito, mas para tantas outras cidades e povoados que se localizam às suas margens férteis. Desde a Antiguidade, o rio Nilo sempre exerceu um papel importante para o desenvolvimento da civilização egípcia. E hoje, mesmo com grandes mudanças na sua geografia e com a ação do homem moderno, o rio Nilo ainda é importante para povos de vários países. Saiba por que o Nilo é e já foi tão importante para algumas das principais nações africanas:

• Desenvolvimento da agricultura e pecuária: a equação é simples, é impossível criar gado ou plantar alguma coisa no deserto. E sabe-se que a região norte do continente africano é dominada por dunas e por um ambiente hostil, que é o deserto do Saara. No entanto, a presença de um rio tão especial e importante como o Nilo foi fundamental para que a civilização egípcia – e posteriormente outras nações – se desenvolvesse. O Nilo tinha épocas de cheia durante o ano e isso fazia com que áreas férteis fossem criadas até 15 quilômetros de cada borda do rio. Assim, era possível desenvolver agricultura com campos irrigados por vários meses antes que o período de seca chegasse. É importante lembrar que, mesmo nos períodos de seca, o rio Nilo não secava. O que diminuía era sua área de alcance e fertilidade;

• Desenvolvimento da aritmética, engenharia e geometria: num período antigo, onde muitas das ciências davam seus primeiros passos, a presença do Nilo na civilização egípcia foi fundamental para que o povo egípcio desenvolvesse algumas técnicas importantes para canalizar a água do rio, para criar muros e diques de contenção de água no período das cheias e um sistema de armazenamento para irrigação no período de secas;

• Exploração e transporte: até hoje o rio Nilo é um importante canal de transporte de pessoas e cargas na África. No passado, as expedições de exploração do território mais ao sul eram comuns e vários aventureiros e estudiosos se lançaram nestas expedições, inclusive europeus, o que ajudou a entender melhor como a bacia do Nilo “funcionava” e exercia tanta influência sobre os lugares por onde o rio passava.

• Construção de barragens para captação de água e geração de energia elétrica: este é um assunto complicado, mas envolve algo muito importante para os seres humanos. A construção de hidrelétricas e barragens não é muito antiga no rio Nilo, mas já é de suma importância para o abastecimento de cidades e povoados de vários países. O assunto é polêmico, pois afeta a geografia do rio, alaga áreas importantes de florestas e obriga muitas pessoas a saírem de suas casas. Mas, é o desenvolvimento humano se fazendo necessário que exige estas ações no rio mais importante da África.

O futuro do rio Nilo

Para os antigos egípcios o rio Nilo era sagrado. Ele provia fertilidade, desenvolvimento e retorno econômico. Hoje, o rio é considerado um aliado importante para todo o Egito e para os outros países por onde passa. Se no passado a civilização egípcia era considerada a “dádiva do Nilo” por Heródoto, hoje é o Nilo que é uma dádiva da África, uma vez que são necessários esforços constantes para evitar que o rio seja totalmente poluído e prejudicado.

O futuro do rio depende dos esforços do poder público no Egito, no Sudão, na Etiópia, na Uganda e em todos os outros países para que ele continue exercendo sua função fundamental para que a vida seja possível numa região onde o deserto é o principal cenário e o principal agente geográfico.