Solstícios e Equinócios


Solstício

O solstício, na astrologia, é o instante em que o Sol, no decorrer do seu deslocamento visível no globo celeste, alcança a máxima inclinação em latitude, mensuração feita a partir da linha do equador. Esse fenômeno indica o começo do verão ou do inverno. É nesse período que o Sol atinge com maior proporção um dos dois hemisférios.

Os solstícios acontecem duas vezes ao ano, uma no dezembro e outra em junho. O dia e o horário certo alteram de um ano para outro. Quando esse fenômeno acontece no verão à duração do dia é a mais extensa do ano. Já quando isso acontece no inverno, à noite é o período de maior extensão.

O Polo Norte, no solstício de verão, possui uma inclinação de 23,5° no sentido do sol, e no solstício de inverno a inclinação é a mesa, porém esse declínio afasta a região do Sol.

Solstícios

O solstício de verão no hemisfério norte acontece perto do dia 21 de junho e o solstício de inverno em torno de 21 de dezembro. Essas datas indicam o inicio das estações do ano nesse hemisfério. No hemisfério sul ocorre o inverso, o solstício de verão acontece em dezembro e o de inverno em junho, estes também sinalizam as mudanças de estação. O dia e o horário exato que acontecem os solstícios do hemisfério sul, são adquiridos através de cálculos de astronomia.

Por causa da trajetória oval da Terra, as datas que acontecem os solstícios diferenciam os anos em número de dias. Isso acontece porque quando o planeta Terra está mais perto do Sol ele transita mais rapidamente do que quando está afastado, em comparação com a segunda lei de Kepler.

Outro ponto decisivo dos solstícios são os trópicos de Câncer e de Capricórnio. No solstício de verão do hemisfério norte, a radiação solar atinge verticalmente a superfície terrestre sobre o Trópico de Capricórnio. No solstício de inverno do hemisfério sul, acontece à mesma coisa só que sobre o Trópico de Câncer.

Na linha do Equador os dias têm tempo fixo, ou seja, 12 horas de sol e 12 horas de noite. Dessa maneira, o solstício dessa região não pode ser identificado pelo dia ou noite mais longo apenas pode ser notado durante o dia em que o Sol alcança a menor ascensão no meio-dia local, podendo o ápice dessa ascensão estar voltado para o norte ou para o sul. No Equador não tem como identificar se o solstício é de verão ou de inverno, porque essa região separa o hemisfério norte e sul do planeta.

No traçado dos círculos polares Antártico e Ártico, os solstícios determinam o único momento do ano que o dia ou à noite duram 24 horas constantes conforme a estação do ano: inverno ou verão.

Em diversas culturas antigas em torno do mundo, o solstício de inverno era comemorado com festa que atualmente são ligadas a festa de Natal das religiões cristãs. O solstício de inverno que representa o menor dia do ano simboliza o triunfo da luz sobre a escuridão, quando a duração do dia começa a aumentar. Algumas festas da mitologia persa e hindu e do Império Romano que reverenciava o “Sol Vencedor”, passaram a ligar-se com o Natal, com o objetivo de unir as festividades de diversas comunidades que se converteram ao cristianismo.

Equinócio

O equinócio, na astronomia, é o momento em que o Sol, em sua trajetória como vista da Terra, atravessa o nível do equador celeste. Esse fenômeno indica o começo da primavera ou do outono. É nesse período que o Sol atinge com maior proporção os lugares que estão posicionados perto da linha do equador.

A palavra equinócio tem origem no latim, e significa “noites iguais”, ou seja, é nesse período que o dia e a noite possuem a mesma duração. A duração do dia é calculada, estimando-se que o nascer do Sol é o momento em que metade do seu arco solar está sob o horizonte, e o pôr do Sol o momento em que metade do arco solar está abaixo do horizonte. A partir disso, conclui-se que o dia e a noite tem de modo igual 12 horas de duração, durante os equinócios.

Esse fenômeno acontece nos meses de março e setembro marcando a mudança de estação. No mês de março, o equinócio indica o começo da primavera no hemisfério norte e do outono no sul. Já no mês de setembro acontece o oposto, o equinócio indica o começo do outono no norte e da primavera no hemisfério sul.

As datas em que ocorre esse fenômeno podem mudar de um ano para outro, devido ao ano solar ter 365 dias e 6 horas, fazendo à hora exata do equinócio tem uma variação de dezoito horas. Em um ano comum, com 365 dias exatos, à hora certa do equinócio é 6 horas mais tarde do que a hora do ano anterior. Ao longo de três anos comuns as datas podem se antecipar um pouco menos de seis horas por ano.

Por causa da trajetória da Terra, as datas que acontecem os equinócios diferenciam os anos em número de dias. Isso acontece porque quando o planeta está perto do Sol ele transita mais rápido do que quando está distante.

Em diversas culturas nórdicas antigas, o equinócio de primavera era comemorado com festa que atualmente são ligadas a Páscoa das religiões cristãs.