Tipos de vegetação da América Anglo-Saxônica


A América Anglo-Saxônica é a porção do continente americano que abrange os países que têm predominância da língua inglesa entre a população. Basicamente, a América Anglo-Saxônica é formada pelos Estados Unidos e pelo Canadá, com exceção da província de Quebec, onde a população fala o francês. Há vários outros países onde a língua inglesa predomina no continente americano. O Belize, a Guiana e algumas pequenas ilhas do Mar do Caribe fazem parte da definição oficial, mas não são incluídos nos estudos sobre a América Anglo-Saxônica porque geograficamente estão separados da América do Norte e porque as condições econômicas (que servem atualmente para dividir a América Latina da América Anglo-Saxônica) não são parecidas com as condições dos EUA e do Canadá.

Em termos geográficos é possível dizer que a América Anglo-Saxônica possui características muito diversificadas, uma vez que os territórios dos EUA e do Canadá são bem extensos e abrangem desde florestas subtropicais até vegetação polar, que inclui tundras geladas e vegetação rala.

vegetação da América Anglo-Saxônica

Principais características da diversificada vegetação da América Anglo-Saxônica

Para entender melhor a vegetação da América Anglo-Saxônica é preciso dividi-la em áreas com características parecidas. Neste caso, não haverá divisão por países e só serão abrangidos os dois principais países desta região: Estados Unidos e Canadá.

• Florestas subtropicais: a região da Flórida, nos Estados Unidos é uma península que avança sobre o Mar do Caribe, numa área propícia a chuvas intensas e as condições climáticas favorecem o desenvolvimento de uma floresta densa, quente e úmida, a floresta tropical;

• Floresta da Califórnia: aqui há outro tipo de floresta, desta vez com vegetação mais esparsa e árvores mais altas. A floresta da Califórnia abriga algumas das últimas espécies de sequoias do mundo. As sequoias são as árvores mais altas e antigas do planeta, sendo possível encontrar árvores com mais de mil anos de existência. O clima nesta região é mais ameno, favorecendo este tipo de vegetação;

• Desertos e as pradarias centrais: a parte central dos Estados Unidos é composta por desertos. Aqui a influência do clima também é um fator importante sobre a vegetação, que, neste caso, é composta de plantas baixas, arbustivas e herbáceas. As plantas desta região precisam estar adaptadas a longos períodos de seca, pois a pluviosidade destes desertos é baixíssima. Já na parte mais ao norte dos desertos centrais dos Estados Unidos encontram-se as planícies de pradarias, com uma vegetação ainda rala e baixa fazendo a transição entre o deserto quente e seco e as regiões mais frias canadenses;

• Floresta de coníferas dos Grandes Lagos: Ao sul dos Grandes Lagos, na parte pertencente aos Estados Unidos, a vegetação predominante é a floresta de coníferas, árvores altas e esparsas onde a vegetação densa não é predominante. Mesmo assim, há algumas espécies mais baixas que se intercalam com as coníferas, formando uma floresta temperada bem peculiar;

• Floresta de Coníferas Canadense: a partir da parte norte dos Grandes Lagos até a tundra canadense, o que predomina é a floresta de coníferas. Nesta região estas árvores dominam toda a vegetação, não tendo espaço para muitas espécies de vegetação mais baixa. Com uma temperatura cada vez mais baixa, as árvores vão dando espaço para a vegetação da tundra até que a vegetação vai perdendo força e capilaridade chegando mais próximos das áreas glaciais;

• Tundra seca e tundra úmida: a tundra é uma região tipicamente fria e coberta de neve durante o inverno. No verão, a neve derrete e dá lugar a dois tipos de vegetação diferente: nas áreas mais ao sul, a tundra seca pra valer e o que floresce são os liquens, que dão cor a vegetação; nas áreas mais ao norte, aparece a vegetação mais úmida, como musgos e outros tipos de vegetação mais gelada.

Preservação dos ambientes na América Anglo-Saxônica

Os dois países desenvolvidos da América Anglo-Saxônica são ricos em biodiversidade e seus governos tem conhecimento desta riqueza. Por este motivo, tanto Canadá, quanto os Estados Unidos possuem planos de preservação das florestas e dos outros biomas, uma vez que há muitas espécies de árvores ameaçadas de extinção por conta da exploração predatória que elas tiveram no passado. Há vários parques nacionais de proteção ambiental, onde pesquisadores estudam a vegetação e o clima destes locais e muitos deles recebem turistas durante o ano todo.

Os exemplos destes dois países devem ser seguidos pelo resto do mundo para garantir que o desenvolvimento seja sustentável e o meio ambiente terrestre consiga se perpetuar, algo que parece estar longe de ser concreto se o ritmo de utilização dos recursos naturais continuar como está. A vegetação da América Anglo-Saxônica já não é a mesma dos tempos anteriores à colonização do continente. Mas que permaneça assim por muitos e muitos anos para que as gerações futuras possam usufruir dos mesmos bens naturais que seus antepassados utilizaram para construir os dois países.