Resumo da Guerra dos Farrapos


Antecedentes históricos

A Revolução Farroupilha foi a mais longa rebelião de toda a história do Brasil, já que teve duração de dez anos, estendendo-se de setembro do ano de 1835 a março de 1845. De caráter totalmente republicano, a Guerra dos Farrapos foi um confronto contra o império brasileiro e aconteceu em São Pedro do Rio Grande do Sul, região conhecida atualmente apenas como Rio Grande do Sul.

Embora a Revolução tenha sido liderada por fazendeiros de gado do Sul do Brasil, conhecidos também como os estancieiros, este movimento acabou recebendo o nome de Farroupilha por ter na maioria de sua composição pobres esfarrapados, que reivindicavam a diminuição dos altos impostos que incidiam sobre o charque gaúcho, a carne-seca, e também queriam uma maior autonomia da província.

Guerra dos Farrapos

Pode-se dizer que este movimento e confronto foi inspirado fortemente na Guerra de Independência do Uruguai e teve como principais líderes diversos generais (Nero, José Mariano de Matos, Bento Gonçalves, Gomes Jardim e Davi Canabarro), coronéis (Teixeira Nunes, Lucas de Oliveira, Domingos Crescêncio de Carvalho, Onofre Pires, Domingos de Almeida e Teixeira Nunes) e ainda o deputado Vicente da Fontoura.

Iniciada no ano de 1835, a Revolução Farroupilha foi desencadeada quando Bento Gonçalves, que era filho de um rico proprietário de terras do estado do Rio Grande do Sul, invadiu a cidade de Porto Alegre, depondo dessa maneira o presidente da província, Antônio Rodrigues Fernandes Braga.

Nas cidades do interior do Rio Grande do Sul, milícias foram alertadas para acabarem com a revolta. Onofre Pires e Gomes Jardim comandava no morro da Azenha cerca de 200 homens. Bento Gonçalves comandava em Pedras Brancas uma tropa reunida. Já Manuel Vieira da Rocha comandava na ponte da Azenha cerca de trinta homens. Mas, desconfiado, Antônio Rodrigues Fernandes Braga mandou alguns de seus homens para fazer um reconhecimento da área durante a noite. Inexperientes, os guardas foram notados e em seguida atacados pelo piquete republicano, ato que deixou cinco feridos e dois mortos.

Fernandes Braga ainda tentou organizar homens para sua própria resistência, mas até o final da tarde somente 17 homens haviam se apresentado para fazer parte da tropa. Assim, Fernandes resolveu fugir, deixando a família, sua esposa e as chaves de seu palácio com Isaac Austin Hayes, um cônsul norte-americano que ficou com a árdua missão de proteger a sua e demais famílias.

Mas, por causa do ocorrida, os farrapos acabaram adiando o confronto para o dia seguinte. Porto Alegre então abandonada acabou entregando-se para os revolucionários.

Na tentativa de ocupar logo a presidência, a Câmara Municipal se reuniu. Marciano Pereira Ribeiro, o quarto vice foi eleito por causa da ausência dos demais vices. Dessa maneira, o conflito teve fim.
Em outubro, Antônio Rodrigues Fernandes Braga então embarcou para a cidade do Rio de Janeiro, que era novamente a capital do império do nosso país. Sob o comando de novo presidente da província, José de Araújo Ribeiro, aconteceu a esperada reação do império.

O final da Guerra dos Farrapos

Em 1836, os revoltosos acabaram proclamando a República Rio-Grandense. Tempos depois, o confronto acabou se alastrando por todo o sul do país, atingindo a cidade de Santa Catarina, onde a República Juliana foi proclamada, com a ajuda de Giuseppe Garibaldi e de Davi Canabarro, que participaram de maneira bem ativa da revolta.

Durante o período do Segundo Reinado, a Revolução Farroupilha entrou em decadência, causada principalmente por causa do comando exercido pelo barão de Caxias diante da repressão empreendida pelo governo central. Assim, no ano de 1845, diante das sucessivas derrotas, um acordo de paz assinado. Denominado Paz de Ponche Verde, também conhecido como Tratado de Poncho Verde.

A Guerra dos Farrapos já havia deixado quase 50 mil mortos, depois de seus dez longos anos de duração. O tratado Paz de Ponche Verde estabelecia a devolução das terras ocupadas aos antigos proprietários, garantia a anistia aos revoltosos juntamente com a incorporação dos farroupilhas ao exército imperial, 25% de taxação sobre o charque extrangeiro e a libertação de escravos a favor da Revolução. Além disso, o acordo previa encampação de dívidas contraídas pelos revolucionários.

Alguns dos escravos que foram libertados foram incorporados no Rio de Janeiro ao Exército do império. Outros acabaram acompanhando para o Uruguai o exército do general Antônio Neto. Mas, segundo alguns historiadores, outros acabaram sendo vendidos novamente no Rio de Janeiro como escravos, apesar desse fato não poder ser comprovado de maneira histórica.

Por seu importante papel e atuação na Guerra dos Farrapos, Caxias acabou recebendo o título de ‘Pacificador do Império’. Podemos dizer que a Revolução Farroupilha ou Guerra dos Farrapos resultou na tentativa de separação da província do Rio Grande do Sul do Império Brasileiro.