Resumo do Cangaço


O cangaço é caracterizado como uma revolta armada realizada por nômades nordestinos. O movimento ocorreu em território brasileiro, em toda a região do Nordeste entre o final do século XIX e o começo do século XX, que foi também quando marcou-se o início da República Brasileira.

O movimento ficou realmente marcado em todo o Brasil por conta da intensidade dos crimes, que foram extremamente cruéis e violentos em toda a região nordeste do país.

O principal fator capaz de mover os cangaceiros (como eram chamados os nômades participantes da revolta) foi a disputa de terra, o que foi um marco para provocar a vingança desses povos. Os grupos de cangaceiros eram formados principalmente por indivíduos de baixa renda, ou seja, nas mais péssimas condições sociais.

Cangaço

As principais características dos cangaceiros

Os cangaceiros eram grupos formados por jagunços, sertanejos, pistoleiros, capangas e principalmente os empregados de latifúndios, que quando juntos, espalhavam muito terror, pressão e medo. Dessa forma, esses grupos foram reconhecidos como os mais perigosos de todo o sertão do Brasil.

Sua figura era bem típica: imagine um homem do sertão, com muitos acessórios como um chapéu com grandes e largas abas, além de punhais e roupas sempre de couro. Mas, se tinha uma característica realmente marcante nesses povos eram as armas de fogo, que independentemente da situação, estavam presas na cintura.

O termo cangaço surgiu por conta da palavra canga, que por sua vez, era caracterizada na época como um item de madeira utilizado na espécie animal para a movimentação de cargas leves e demais utensílio de um local para outro. Dessa forma, a palavra realmente faz uma alusão a esses povos, que estavam sempre transportando várias armas e demais objetos por aí.

Assim que a República Oligárquica se instaurou em território brasileiro, deu-se início também ao grande poder dos cangaceiros. Uma das características mais marcantes de seus ataques certamente é a própria crueldade, afinal, esses povos dificilmente mediam as consequências dos seus atos em todo o sertão brasileira.

Além da própria população que temia os cangaceiros, a própria polícia estadual contava com o auxílio da polícia militar para tentar impedir a atuação dos cangaceiros. Porém, uma parte da população realmente achava que a atuação desses povos era impressionante, e assim, os bandidos extremamente audaciosos muitas vezes foram considerados heróis entre os nordestinos comuns, principalmente entre as pequenas vilas e comunidades do sertão.

Classificação dos grupos de cangaço

Os grupos de cangaceiros ainda eram classificados conforme as suas próprias características. Eles eram separados em três diferentes categorias: os cangaços defensivos, políticos e independentes.

Em primeiro plano, os grupos de cangaços defensivos eram aqueles que tinham como principal intuito defender as terras, evitando a invasão de outros grupos (em especial, dos indígenas). Além disso, eles também deveriam combater outros inimigos e estavam sempre à serviço dos grandes latifundiários.

Por outro lado, os grupos de cangaços políticos eram aqueles que defendiam principalmente os interesses dos fazendeiros locais. Ao realizar essa tarefa, eles recebiam uma determinada proteção por meio das autoridades da época.

Por fim, existiam ainda os cangaceiros independentes, que certamente eram os mais temidos, já que roubavam indivíduos inocentes, estupravam mulheres totalmente indefesas, atacavam os líderes governamentais assim como pessoas com grandes posses e demais fazendeiros, roubavam grandes instituições das pequenas cidades e matavam muitas pessoas.

Os cangaceiros viviam principalmente na região da Caatinga, já que os grupos tinham grandes conhecimentos acerca desse tipo de vegetação. Dessa forma, toda vez que as autoridades iam atrás dos bandidos, eles dominavam as técnicas para fugirem desse ambiente.

Os grupos de cangaços eram formados unicamente por homens, que atuavam principalmente nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Alagoas e Bahia.

Um pouco mais sobre Virgulino

Durante o cangaço, muitos foram os grupos que se tornaram realmente populares (principalmente no imaginário brasileiro). Porém, se existe um bando que realmente era temido por toda a população nordestina era o grupo comandado por Virgulino Ferreira da Silva, ou melhor, o famoso Lampião. Lampião também era frequentemente conhecido pelo apelido que lhe foi atribuído: Rei do Cangaço”.

O grupo de cangaceiros formado por Lampião atuou durante cerca de 10 anos, ou melhor, entre 1920 e 1930 em todo o sertão nordestino. Ele foi morto em uma emboscada juntamente com a sua mulher, um volante e outros cangaceiros. Todos eles tiveram as suas cabeças arrancadas e expostas em vários locais públicos, como praças por exemplo. A ação foi do próprio governo que tinha como principal intuito causar o espanto e desestimular a prática do cangaço.

Assim que o grupo de Lampião foi encontrado morto, o movimento armado dos Cangaços começou a se enfraquecer, chegando ao fim na própria década de 30.

Atualmente, muitas são as histórias que circulam na literatura sobre o cangaço brasileiro, em que os grupos de cangaceiros são sempre referenciados com uma imagem heroica. Além das obras literárias, a representação é também comum no cinema, teatro e na própria música nordestina.