Luís XIV – O Verdadeiro Rei Absoluto


O rei francês “Luís XIV”, nasceu na cidade de St. Germain-em-Laye, na província de Yvelines na França. Ele ficou reconhecido em todo o país como o “Rei Sol”, sendo ele um dos maiores precursores do absolutismo durante os anos que governou a nação francesa. Ele nasceu em 1638 e faleceu em 1715.

No ano de 1643 ele começou a governar como monarca da França, permanecendo no poder até a sua morte em 1715. O rei foi um verdadeiro símbolo de um governo essencialmente absolutista, sendo dele a famosa frase francesa “L’État c’est moi” atribuída, que significa “O Estado sou eu”. Sendo assim, o que essa frase dava a entender que todo o poder do estado era resignado exclusivamente à sua própria figura.

Também é ele o monarca que dominou pelo maior período do tempo, em todo o continente europeu, com total de 72 anos no poder. O seu apelido “Rei do Sol” vem por uma escolha do próprio rei na decisão de qual seria o seu emblema pessoal: um astro-rei.

Luís XIV

O que foi o absolutismo e a contribuição de Luís XIV

O absolutismo foi um regime político que ia muito além da transição entre um modelo de governança do estado feudal para o burguês, que emergia após a Revolução Francesa do século XVII.

Na realidade, o absolutismo tinha como base a governança sem qualquer tipo de limitação: nem a legislação e nem mesmo a constituição poderiam impor qualquer tipo de limite para o governo, motivo pelo qual é possível definir o regime como “Eu sou o Estado”. Neste modelo, o rei realmente tinha poder absoluto sobre decisões em qualquer âmbito, desde que envolvendo a França.

Nesse sentido, o poder absoluto confiava no rei como se ele fosse um verdadeiro representante das divindades na Terra, sendo ele atribuído de várias funções: ele deveria defender os princípios da igreja católica assim como de sua própria pátria, além de defender as artes e demais propriedades do seu país. Ele representa o Estado e toma decisões absolutas.

O rei era a própria lei viva, já que ninguém poderia falar contra o que fosse estabelecido por ele. Por isso, durante os seus mais de 70 anos de governo, Luís XIV era considerado como uma verdadeira fonte da justiça francesa.

Já que assumiu o poder com apenas cinco anos de idade, durante a sua infância a França foi governada pelo primeiro ministro, Mazarin, e por sua mãe. Com apenas nove anos ele deu início à uma Guerra Civil na França, que foi conhecida como “La Fronde”, em referência ao nome da arma utilizada para quebrar os vidros das casas daqueles que eram contra o governo do cardeal Mazarin. A guerra foi até o ano de 1653 que foi quando esse mesmo cardeal decidiu tomar as rédeas do movimento, criando um verdadeiro aparato em volta do pequeno e jovem príncipe.

Desde o começo de seu governo, o absolutismo foi sempre o regime utilizado como base. Sendo assim, ele manteve no governo apenas algumas pessoas mais próximas: um gestor para as finanças, quatro secretários e um chanceler, que estavam todos submetidos as suas decisões e controle geral. Infelizmente, o cardeal que sempre o auxiliou, Mazarin, morre no mesmo ano em que ele assume finalmente o trono.

Como fica a economia na centralização de seu poder

Como governante, o rei absolutista Luís XIV trouxe uma série de impactos para a economia francesa, começando por uma reforma geral do sistema tributário, dando maior incentivo possível para o desenvolvimento das indústrias e de demais comércios, principalmente envolvendo as frotas para o comércio colonial.

A partir de 1700 o seu governo começou a se restabelecer, economicamente falando, por meio da multiplicação de exportações e demais concepções mercantilistas. O rei apostou no desenvolvimento de muitas fábricas, pontes, estradas, portos e outros.

Também não podemos deixar de lado o desenvolvimento em âmbito cultural que tomou conta da França durante o período de seu governo. O rei do sol incentivou o desenvolvimento das atividades culturais como dança, teatro e outras artes. A literatura, por exemplo, ganhou vários representantes durante esse período, como os autores clássicos Molière e Racine.

Mas é certo de que um dos seus maiores legados pode ser atribuído à construção do Palácio de Versalhes, um dos mais belos e grandiosos de todo o território francês. O palácio, que hoje é um monumento, continuou de posse da corte da monarquia francesa até o ano de 1789, quando eclodiu a Revolução Francesa.

Quando morreu, também na cidade de Versalhes, ele deixou a França em uma situação financeira bem delicada. Durante o seu governo, ele deu início a quatro diferentes guerras, todas entre os anos de 1667 e 1697. A sua principal meta foi conseguir aumentar as fronteiras da França principalmente para a região Leste. Além disso, o rei também foi o responsável pela perseguição dos protestantes franceses que na época ficaram conhecidos como Huguenotes. Durante o seu reinado cerca de 400 pessoas fugiram do país. O principal destino dessas pessoas era outros países da Europa.