Mangá: Origem e características


Os mangás são publicações de histórias em quadrinhos japonesas. Abordam temas variados, como amor, aventura, escola etc. São muito populares tanto no Japão quanto no resto do mundo, sendo uma das referências para as artes de histórias em quadrinhos.

Origem do Mangá

O mangá tem origem nos teatros de sombras japonês, chamados Oricon Shohatsu. Estes teatros datam do período feudal do Japão, e era realizado por artistas viajantes que contavam lendas tradicionais do país.

Mangá

Aos poucos, estas histórias começaram a serem registradas em rolos de tecido e papel, de forma que o texto e a ilustração eram parte destes materiais. Porém, ainda não era um material integrado, visto que a imagem tinha um aspecto meramente ilustrativo.

No início do século XX, as histórias começaram a serem impressas no formato de livros, em papel jornal, o que colaborou para a popularização deste tipo de leitura no Japão.

Na década de 40, no período pós-guerra, os mangás receberam um incentivo estatal para a sua publicação, através do Plano Marshall, que previa parte da verba para a publicação de livros japoneses.

Além disto, começam a chegar ao Japão as revistas em quadrinhos produzidas nos Estados Unidos, charges e outros cartuns. Estas artes influenciaram os artistas japoneses, chamados de mangakás, de maneira que o mangá adquiriu características próprias.

O artista Ossamu Tezuka foi o mais famoso deste período. Foi ele que desenvolveu os traços dos personagens como conhecemos hoje, com olhos grandes e redondos.

Características do Mangá

Embora sejam histórias em quadrinhos, assim como as histórias desenvolvidas em outros países, os mangás possuem muitas características que os identificam como uma arte única e de origem determinada.

Em uma história em quadrinhos produzida do lado ocidental do mundo, provavelmente uma página terá entre três e quatro fileiras de quadrinhos, onde o artista irá contar a sua história. Em um mangá, não há uma regra fixa sobre o número de quadrinhos que deve existir em cada página, ou mesmo de como estes devem estar dispostos.

No mangá, os artistas possuem maior liberdade para distribuir as ilustrações e textos ao longo das páginas conforme considerarem mais interessante para o desenvolvimento da história. Assim, podemos ter uma página com vários quadrinhos como podemos ter também uma página dupla com um único desenho de algum momento da história.

Os mangás sempre são impressos em papel jornal, o que torna a sua produção muito barata e acessível a todos os públicos no Japão. Como conseqüência, as artes gráficas, com exceção da capa, sempre é feita em preto e branco, com grande qualidade nas técnicas de luz e sombra.

A qualidade dos desenhos e a disposição destes dentro dos quadros da história lembram muito as técnicas de enquadramento e montagem cinematográfica. Desta maneira, as histórias dos mangás possuem um ritmo próprio, geralmente muito rápido, um dos motivos do grande sucesso com o público jovem.

Nos mangás, o desenho e a palavra escrita estão diretamente relacionados. Isto acontece porque, ao utilizar o sistema de letras tradicional do Japão, cada palavra é representada por um kanji, que podemos entender como um desenho. Assim, ao escrever uma onomatopéia, ou uma interjeição de surpresa, o kanji utilizado e o desenho devem estar coerentes.

O exagero ao representar emoções e ações também é típico das histórias em mangás. Olhos muito arregalados para demonstrar expressões de surpresa, páginas com enormes onomatopéias, desenhos que ocupam uma página inteira quando um personagem faz uma demonstração de seu poder: o exagero faz parte desta forma de expressão.

Até mesmo os traços pelos quais o mangá ficou conhecido, olhos muito grandes, cabeça desproporcional ao corpo, pernas longas, são um reflexo do seu exagero característico.

Um mangá deve ser lido de trás para frente e da direita para a esquerda. Ao contrário do sistema ocidental de leitura, os mangás, mesmo aqueles que foram traduzidos para línguas ocidentais, mantêm a ordem de leitura oriental.

Tipo de Mangás

Os mangás podem ser classificados quanto ao tipo de público ao qual a história se direciona. Os mangás voltados para os meninos são chamados de Shonen e desenvolvem histórias relacionadas à aventuras, amizade e super-heróis. Um deste mangás que fez muito sucesso no Brasil foi Naruto. Para as meninas, são chamados de Shojô. Suas histórias falam de aventuras amorosas, coisas mágicas, dramas familiares. O mangá Sakura foi o mais conhecido neste estilo no Brasil.

Há ainda mangás para adultos, chamados Josei e Seinen, além de mangás para crianças ainda muito pequenas, com traços bem simples, denominados Kodomo Mangá, como o Astro Boy.

Influência dos Mangás no mundo

Os mangás influenciaram muito as artes em quadrinhos na segunda metade do século XX. A partir delas foram desenvolvidos os Animes, que são as animações de histórias de mangás. Além disto, foram desenvolvidas histórias que se utilizam de algumas características da técnica, com Turma da Mônica Jovem, no Brasil e Wicca, na Itália.